Premiê esloveno pede renúncia do diretor-geral da OMS e ameaça cortar verba

Por EFE

Zagreb, 9 abr – O primeiro-ministro da Eslovênia, o conservador Janez Jansa, pediu a renúncia do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, e, tal como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou cortar verbas destinadas à entidade.

“Demita-se! Agora @Dr.Tedros”, escreveu o premiê no Twitter ao comentar um vídeo que mostra o chefe da OMS pedindo que a pandemia do coronavírus transmissor da Covid-19 não se torne motivo de disputas políticas.

Adhanom Ghebreyesus fez o apelo após Trump acusar a OMS de administrar mal a crise do novo coronavírus desde que ela começou, na China, e cogitar a possibilidade de cortar repasses à organização.

“Todos devemos fazer isso”, escreveu Jansa em outro tweet, em apoio à ameaça do presidente americano.

Ontem, o premiê esloveno já havia criticado a União Europeia por não oferecer ajuda a seu país e elogiado Hungria e Polônia por fazê-lo.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores esloveno, Jelko Kacin, disse hoje que, antes de suspender os pagamentos, o país europeu prefere uma reforma da entidade, segundo a agência eslovena de notícias “STA”.

Kacin afirmou que o governo esloveno não prevê cortar o repasse imediatamente, mas também acusou a OMS de ter reagido tardiamente à pandemia e considera justificadas as críticas à organização.

 
Matérias Relacionadas