Premiê chinês sai de cena com arrependimentos

Alegações de desejar buscar justiça e defender sua inocência
Wen Jiabao fala para líderes empresariais chineses baseados na Tailândia em 21 de novembro, expressando arrependimento por não ter feito o suficiente como premiê e comparando-se a um antigo poeta chinês que se afogou num lago (BYNTVNews)

Wen Jiabao, o atual primeiro-ministro da China, cujo mandato terminará oficialmente em março do ano que vem, deu recentemente o que pode ser sua declaração pública final, quando pediu ao povo chinês que “esqueça-o”, lamentou por não fazer o suficiente no cargo e citou algumas linhas de poesia clássica chinesa querendo mostrar que é um homem de integridade.

O discurso foi feito para líderes empresariais chineses logo após a chegada de Wen Jiabao na Tailândia. Ele tinha acabado de sair da Cúpula do Leste Asiático no Camboja, onde defendeu as reivindicações territoriais do Partido Comunista Chinês (PCC) sobre o Mar da China Meridional.

Wen Jiabao disse que estava “particularmente emocionado” falando à multidão e elogiou o desenvolvimento econômico da China nos últimos 30 anos, antes de seu humor se tornar pesado. “Para um país ganhar o respeito do mundo, é necessário não só uma economia desenvolvida e uma ciência e tecnologia poderosas, mas também elevar seu caráter nacional e a moralidade.”

Ele usou a linguagem padrão dos líderes chineses sobre a necessidade de “avançar a construção de instituições nacionais legais” e “garantir as liberdades e os direitos das pessoas”.

O desenvolvimento destes direitos e liberdades, disse Wen Jiabao, é uma condição para a real força nacional da China e para um maior desenvolvimento – uma visão que é compartilhada por muitos economistas ocidentais, que veem o atual modelo de crescimento liderado pelo Estado no fim de sua vida útil.

“Eu sempre sinto que há muitas coisas que não concluí e outras tantas que não fiz bem”, disse Wen Jiabao, antes de se comparar a um poeta que se suicidou.

Ele citou dois versos famosos de “O Lamento”, um poema famoso cujo autor Wen Jiabao disse ser seu poeta predileto. Qu Yuan era um ministro justo no período dos Reinos Combatentes (343-278 a.C.) que foi maltratado por seus pares. Qu Yuan foi para o exílio antes de escrever uma lamentação poética e se afogar num lago.

Wen Jiabao recitou as linhas, “Mas como meu coração amava tal pureza \ eu não me arrependeria de nove mortes para morrer” e “Eu só desejo que possa me manter limpo e ter uma morte honesta. Este tipo de ato era elogiado pelos sábios antigos.”

Ele acrescentou uma explicação que, “Para buscar a verdade, mesmo que eu morra nove vezes, não seria lamentável. E para provar a inocência de alguém, mesmo que a pessoa morra, ela deve morrer com sinceridade e retidão.”

Wen Jiabao continuou, “Eu já disse antes, tenho me dedicado ao país há mais de 40 anos. Espero que as pessoas se esqueçam de mim… Mas eu nunca esquecerei minha terra natal e o povo.”

O primeiro-ministro tem sido recentemente objeto de alegações de que sua família enriqueceu quando ele ganhou o poder político.

A comunidade da internet chinesa estava dividida nos comentários; alguns diziam que ele fez o seu melhor, mas foi bloqueado por forças políticas além do seu controle, enquanto outros foram duros e cínicos.

Epoch Times publica em 35 países em 19 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas