Enfim, premiado documentário ‘China Livre’ estreia na China continental

O documentário ‘China Livre: A Coragem de Crer’ acaba de ser pela primeira vez transmitido para dentro da China continental, através da NTD Television, via satélite e internet. A transmissão foi realizada nesta sexta-feira (23) às 21h, horário de Pequim. A próxima transmissão será em fevereiro, durante o Ano Novo Chinês. Trata-se de um feito histórico.

Afiliada ao Epoch Times, a New Tang Dynasty é praticamente a única rede de televisão em língua chinesa independente na atualidade. Desde sua fundação, em dezembro de 2001, está banida pelo regime. Em julho de 2008, o governo da China teria exigido o corte do sinal da emissora para a Ásia em troca do lançamento, em foguete chinês, de novo satélite da EutelSat, empresa francesa responsável pelo satélite W5, que transmitia o sinal da cadeia televisiva. A empresa alegou na época “graves problemas técnicos”.

Leia mais:
‘China Livre’ estreia no Brasil em encontro de relações internacionais
Reconhecida atriz e ativista Q’orianka Kilcher interpreta o tema musical de ‘China Livre: O filme’
Documentário ‘China Livre’ expõe situação dos direitos humanos no país

Em 2012, após a vexação internacional pela provável subserviência da empresa europeia ao regime comunista, à época liderado por Jiang Zemin, a EutelSat se viu obrigada a restabelecer o sinal, através do satélite Freedom. Como o jornal Epoch Times e a rádio Sound of Hope, a emissora segue oficialmente banida do país asiático. Para receber sua programação, os chineses instalam parabólicas clandestinas, sob alto risco de prisão arbitrária, torturatrabalho forçado e morte. Para assistirem pela internet, utilizam softwares anti-censura para furar o Grande Firewall do regime, como o UltraSurf. A população chinesa costuma referir-se a assistir à NTD como “respirar ar puro”.

Diante do acobertamento da mídia estatal, a NTD foi o primeiro veículo a reportar a eclosão da pneumonia asiática (SARS) em 2003, salvando muitas vidas. Também foi a rede NTD que soou o alarme quando milhares de crianças adoeceram em 2008 por consumir leite contaminado com melanina sob o absoluto silêncio dos meios de comunicação estatais. Em sua programação 24 horas, além de promover o resgate da cultura milenar, a emissora costuma dar voz aos cidadãos chineses que encaminham suas queixas sobre injustiças sociais, violações dos direitos humanos e as perseguições a cristãos, tibetanos, praticantes do Falun Gong, advogados e ativistas de direitos humanos.

Pela liberdade

Com mais de 400 exibições em 26 países e aclamado pela crítica, o internacionalmente premiado documentário ‘China Livre’ estreou no Brasil em junho do ano passado durante o 19º Encontro Nacional de Estudantes de Relações Internacionais (ENERI), na Universidade do Vale do Itajaí (Univali), município do Balneário de Camburiú, em Santa Catarina.

Assim como o livro Os Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês – publicação do Epoch Times que diretamente inspirou a renúncia de 191 milhões de chineses ao partido e organizações afiliadas – o ‘China Livre’ brinda similar contribuição no sentido de conscientizar os chineses e o mundo sobre os crimes cometidos pelo Partido Comunista Chinês (PCC).

Leia mais:
EutelSat interrompe transmissão da programação da NTD
Embaixador chinês admite pressionar EutelSat para interromper sinal da NTD
Repórteres Sem Fronteiras confirma que empresa de satélite se curvou ao regime chinês
Secretaria de Segurança Estatal da China exigiu NASDAQ expulsar rede, diz telegrama
Regime chinês pressiona Seoul para cancelar apresentação cultural
Secretaria de Direitos Humanos silencia sobre trabalho escravo em blusa made in China

O filme aborda temas atuais como: a política do filho único, a extração ilegal de órgãos promovida em escala industrial pelo PCC, bem como as tecnologias anti-censura que estão quebrando o Grande Firewall da internet chinesa (formalmente ‘Projeto Escudo Dourado’) e promovendo a liberdade de informação na China, e a real situação dos direitos humanos da população naquele país.

Vencedor de cinco festivais internacionais, o documentário também concorreu ao Oscar 2013 na categoria ‘melhor canção original’ com a belíssima trilha sonora composta pelo maestro Tony Chen e interpretado pela deslumbrante voz de Q’orianka Kilcher, a reconhecida atriz e ativista de direitos humanos que interpretou o tema musical do também premiado Pocahontas e inspirou personagem do exitoso Avatar.

Um filme para a história

Vencedor de cinco festivais internacionais de cinema, China Livre: A Coragem de Crer é o filme que o Partido Comunista Chinês não quer que você veja.

Dirigido por Michael Perlman, de ‘Tibet: Beyond Fear’, e co-produzido com a NTD Television, China Livre examina a generalizada violação de direitos humanos dentro da China, através das histórias notáveis da autora best-seller Jennifer Zeng, uma mãe e ex-membro do Partido Comunista, e do Dr. Charles Lee, um empresário sino-americano. Jennifer e Charles, juntamente com centenas de milhares de cidadãos pacíficos na China, foram torturados e submetidos a trabalho escravo por suas crenças espirituais na prática de meditação Falun Gong.

Abordando questões que vão desde abortos forçados à extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência vivos, este filme oportuno lança luz sobre como as tecnologias anti-censura de internet e a restauração dos valores tradicionais estão proporcionando uma China livre.

Saiba mais:
Trilha sonora nomeada ao prêmio de ‘melhor canção original’ pela 86ª Academy Awards (Oscars)
Website do filme
Trailer oficial
Ajude o ‘China Livre: A Coragem de Crer’

Comentários sobre o filme:

• “Estremecedor… Uma poderosa narrativa.” New York Times

• “Espero que este filme mude o nosso mundo.” Margaret Chew Barringer, fundadora da American Insight

• “Intensamente convincente… Extraordinário.” Karen Curry, ex-chefe de escritório da CNN em Nova York

• “Este filme será um divisor de águas.” Chris Smith, congressista dos Estados Unidos, presidente da Comissão Executiva do Congresso sobre China

• “China Livre mostra o caminho para um regime mais democrático e pacífico… onde todos ganham, em vez do Partido Comunista.” Peter Navarro, coautor e produtor diretor de ‘Death by China’

Duração:

• 53 minutos

 
Matérias Relacionadas