Preços globais dos alimentos sobem 40 por cento, demanda é grande fator na China

Por Winnie Han

Os preços globais dos alimentos aumentaram pelo décimo segundo mês consecutivo (39,7% em maio ante o ano anterior), o maior desde setembro de 2011, de acordo com os últimos dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Há preocupações de que a China, o maior importador mundial de alimentos, enfrente uma crise alimentar.

De acordo com um relatório divulgado pela FAO em 3 de junho, o índice médio de preços dos alimentos em maio foi de 127,1 pontos, 4,8 por cento acima de abril e 39,7 por cento acima de maio de 2020. Está apenas 7,6 por cento abaixo do pico de 137,6 que ocorreu em fevereiro 2011

Entre os indicadores, o índice de preços dos grãos teve média de 133,1 pontos em maio, um aumento de 6,0 por cento mês a mês (MoM) e 36,6 por cento ano a ano (YOY). Entre os principais grãos, os preços do milho foram os que mais subiram, 8,8% no mês e 89,3% no ano, o maior desde janeiro de 2013. Os preços do trigo subiram 6,8% no mês e 28,5% no ano.

A Rússia imediatamente emitiu um alerta de que vai restringir ainda mais as exportações de alimentos para conter a inflação. O Kremlin já limitou o custo doméstico de produtos básicos como açúcar e farinha, à medida que os preços dos alimentos continuam subindo.

Como um dos maiores exportadores de alimentos do mundo, a Rússia está considerando como proteger os consumidores domésticos do aumento dos preços e, ao mesmo tempo, maximizar suas exportações de alimentos, disse Maxim Reshetnikov, ministro do Desenvolvimento Econômico da Rússia, em 6 de junho.

A demanda por alimentos na China eleva os preços globais

A crescente demanda da China por grãos e soja é uma das principais razões para o aumento dos preços globais dos alimentos, informou o Financial Times em 3 de junho, citando especialistas. Além disso, uma forte seca no Brasil e o aumento da demanda por óleo vegetal para a produção de biodiesel também estão contribuindo para a alta dos preços.

Durante o período, as importações de milho foram de 11,73 milhões de toneladas, um aumento de 322,8% no ano; As importações de trigo foram de 4,61 milhões de toneladas, um aumento de 88,9% no ano. As importações de cevada e sorgo alcançaram 4,65 milhões e 3,69 milhões de toneladas, um crescimento anual de 139,1% e 237%, respectivamente.

No ano passado, as importações acumulativas de alimentos da China aumentaram para 142,62 milhões de toneladas, um aumento de 27,97% no ano. Tanto o volume de importação quanto a taxa de crescimento atingiram novos máximos nos últimos anos. As importações de milho e trigo alcançaram um recorde de 11,3 milhões de toneladas e 8,38 milhões de toneladas, respectivamente, mostrando um crescimento anual de 135,7% e 140,2%.

Ao falar sobre as crescentes importações de alimentos da China, Huang Hanquan, chefe do centro de investigação de preços e custos da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma do PCC, reconheceu em novembro que as duas principais razões para o aumento foram o rápido crescimento da demanda doméstica e a inversão do preço dos alimentos (isto é, preços domésticos dos alimentos mais altos do que os preços dos alimentos importados) no país e no exterior.

Influenciados pela peste suína africana e pela pandemia de COVID-19, os preços da carne suína na China continuaram subindo de 2019 a 2020. Huang explicou que as autoridades haviam incentivado a produção de suínos, levando a um aumento na demanda por milho e soja para forragem. Além disso, embora os preços internacionais dos alimentos tenham subido, eles ainda estão mais baixos do que os preços domésticos dos alimentos. As principais razões são que a produção de alimentos na China tem um baixo nível de industrialização da agricultura, má gestão da força de trabalho rural e os preços dos alimentos na China não têm uma vantagem competitiva.

Comida insuficiente na China

Em 2019, Yuan Longping, o respeitado “pai do arroz híbrido” na China e acadêmico da Academia Chinesa de Engenharia, disse em uma entrevista à CCTV que “a China tem uma população de quase 1,4 bilhão. A China não tem comida suficiente [para alimentar as pessoas]. Temos que contar com a importação de alimentos para preencher a lacuna … Se os países estrangeiros se recusarem a vender alimentos para a China, então será um problema. [Nós] enfrentaremos a fome ”.

Ao final do período do décimo quarto Plano Quinquenal (2025), a China deverá ter um déficit de cerca de 130 milhões de toneladas de alimentos, entre os quais cerca de 25 milhões de toneladas serão cereais, de acordo com um relatório divulgado em 17 de agosto de 2020 pelo Instituto de Desenvolvimento Rural da Academia Chinesa de Ciências Sociais e pela China Social Sciences Press.

Abastecimento de alimentos da China tem riscos a longo prazo

Não houve resposta oficial imediata do PCC às notícias da alta nos preços internacionais dos alimentos; no entanto, as políticas de subsídios foram anunciadas duas semanas depois. Em 18 de junho, o primeiro-ministro do PCC, Li Keqiang, presidiu uma reunião executiva do Conselho de Estado e decidiu fornecer um subsídio único de aproximadamente US$ 3 bilhões aos produtores de grãos em resposta ao rápido aumento dos preços agrícolas neste ano.

Mike Sun, um especialista norte-americano em comércio exterior da China e Estratégia de Investimento da China, disse ao Epoch Times que o PCC introduziu os subsídios para estabilizar os preços dos alimentos. Com base na análise da Sun, a China pode não ter uma crise alimentar nos próximos anos, mas haverá perigos ocultos no longo prazo.

De acordo com a Classificação da Fase de Segurança Alimentar Integrada (IPC), uma “crise de segurança alimentar” de nível III significa que as famílias estão gravemente desnutridas ou devem gastar toda a sua renda para atender às necessidades alimentares mais básicas, explicou. Os quarto e quinto níveis mais graves correspondem a “emergência” e “desastre / fome”, respectivamente.

Sun disse que a China está importando principalmente uma grande quantidade de grãos para forragem agora, incluindo milho e soja. Também importa trigo para consumo humano. No curto prazo, o abastecimento de alimentos da China não deve ser um problema, pois há algumas reservas além das rações domésticas de grãos. No entanto, no longo prazo, a dependência de longo prazo das importações provavelmente causará uma crise alimentar no caso de uma emergência ou catástrofe imprevista.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas