Povo chinês teme ser manipulado pela propaganda do regime na guerra comercial com EUA

"O PCC nunca admitirá seus erros, sempre encontrará um bode expiatório"

Por Olivia Li, Epoch Times

Depois que as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China terminaram em 10 de maio sem qualquer acordo, a mídia estatal chinesa respondeu com agressividade, afirmando repetidamente que a China “não tem medo de lutar” e que “lutará até o fim”. Muitos internautas chineses temem que a propaganda aparentemente otimista use o povo chinês como vítimas enquanto o regime tenta induzi-los a lutar contra os Estados Unidos e vencer a guerra comercial.

Em 10 de maio, o governo dos Estados Unidos impôs um aumento de 200 bilhões de dólares sobre as importações chinesas, elevando as tarifas de 10% para 25%.

Em retaliação, Pequim anunciou em 13 de maio que aumentaria as tarifas, que seriam entre 5 e 25 por cento, sobre produtos americanos no valor de 60 bilhões de dólares.

Imediatamente após a conclusão das negociações, em 10 de maio, porta-vozes oficiais do regime chinês permaneceram em silêncio. No caso dos Estados Unidos, pelo fato de ter chegado a um acordo nas negociações comerciais, apresentando à Comissão das Nações Unidas, a América do Norte como um valentão internacional com uma mentalidade hegemônica. No caso da China, “não tem medo de lutar” contra os Estados Unidos, e que a guerra comercial será “uma guerra popular”, e que a China está “disposta a fazer todos os tipos de sacrifícios” para combater essa guerra “até o final” .

Internautas chineses: “seremos sacrificados”

Muitos internautas chineses postaram comentários no Weibo e no WeChat — plataformas de redes sociais chinesas semelhantes ao Twitter e ao Facebook — criticando a conhecida frase “fazer todos os tipos de sacrifícios” usados na propaganda para aumentar a moral pública. Alguns dizem que a frase os assustou porque significa que o Partido Comunista Chinês (PCC) sacrificará os interesses de seu próprio povo para alcançar seus objetivos.

“Obviamente seremos sacrificados e teremos que sofrer”, escreveu um internauta.

“Nós, que estamos prestes a ser sacrificados, ficamos com medo”, escreveu outro internauta, e vários outros o repetiram.

Muitas pessoas expressaram opiniões semelhantes:

“[As autoridades chinesas] tentam transferir o ‘sacrifício’ para o povo.”

“São vocês [as autoridades] que estão dispostos a fazer todos os tipos de sacrifícios. Mas, me desculpe, não me inclua nisso. Eu não quero me envolver.”

“É claro que as autoridades não têm medo de lutar, porque são os 1,4 bilhão de cidadãos que serão enviados para a linha de frente”.

“Nós seremos enganados.”

Um cidadão ridicularizou a Televisão Central da China (CCTV) escrevendo: “Qual é a utilidade de fazer essas declarações arrogantes diante do povo chinês? Você se atreve a fazer o mesmo anúncio em inglês e transmiti-lo em seus canais internacionais?”

“Não consigo entender sua lógica de ter que lutar constantemente”, escreveu um internauta, criticando a filosofia de luta do PCC. “Continue com sua luta. Ela não é da nossa conta.”

Também houve reclamações contra a rica e poderosa elite da China. Um internauta escreveu: “Claro que eles não estão com medo. Os funcionários gozam de privilégios: comem bem; recebem atendimento médico gratuito; suas esposas, amantes e filhos vivem em países estrangeiros e são todos multimilionários. O que há para temer? Eles vão roubar a riqueza de 1,4 bilhão de chineses para lutar nesta guerra. É isso que eles querem dizer com sacrifício”.

Muitas dessas postagens foram deletadas pela polícia da Internet.

Os chineses que vivem nos Estados Unidos e no Canadá também participaram da discussão através dos fóruns em chinês no exterior.

Um usuário do Weibo de Vancouver comentou que a propaganda chinesa pretende levar o povo chinês ao nacionalismo extremo e ao sentimento antiamericano, o que tornaria mais fácil para o PCC manter seu controle sobre a sociedade chinesa.

Um usuário do Weibo que mora nos Estados Unidos disse que estudou os detalhes dos acordos comerciais propostos. “Os delegados chineses tentaram enganar os delegados dos Estados Unidos para que a China pudesse agir como um canalha para violar os termos do acordo, com a desculpa de que a China tem suas próprias leis. Os delegados norte-americanos rejeitaram com firmeza e exigiram o cumprimento do que foi estipulado na versão original. O presidente Trump é realmente incrível”, escreveu ele.

Outro chinês-americano, membro de um grupo do WeChat chamado “Chineses que trabalham ou estudam nos Estados Unidos”, analisou os detalhes dos termos propostos pelos delegados dos Estados Unidos. Ele disse que esses termos são realmente bons para o desenvolvimento econômico da China e para a China se tornar um membro respeitado da sociedade internacional. “Pequim não gosta porque esses termos ameaçam o regime do PCC”, escreveu ele.

A propaganda da China aponta para os Estados Unidos como um bode expiatório

Em 14 de maio, o especialista em China radicado nos Estados Unidos, Heng He, disse ao Epoch Times que o regime chinês é culpado por não conseguir chegar a um acordo durante a última rodada de negociações comerciais, porque o PCC se recusa a fazer mudanças estruturais para manter seu poder.

“No entanto, o PCC nunca admitirá seus erros, sempre encontrará um bode expiatório. Por exemplo, a campanha Grande Salto para a Frente do PCC levou à Grande Fome de 1959 a 1961, mas o PCC inventou duas desculpas: os desastres naturais e a União Soviética pressionaram a China a pagar suas dívidas. De fato, essas duas desculpas são pura mentira”.

De acordo com Heng, a guerra comercial dará outro golpe à já declinante economia chinesa. O PCC deve novamente encontrar uma desculpa, então, naturalmente, a propaganda da China aponta para os Estados Unidos como um bode expiatório.

 
Matérias Relacionadas