Possível extinção de minhocas põe em risco biodiversidade do solo

O 1 de novembro de 1837 foi um dia decepcionante na Sociedade Geológica de Londres. Os homens (e eram somente homens) da Sociedade esperavam grandes coisas do jovem Charles Darwin, que havia recentemente retornado de sua viagem com o navio Beagle.

No entanto, neste dia, somente William Buckland podia ver valor na obra de Darwin e recomendá-la para ser publicada – mas Buckland, em si mesmo, era uma raridade, dado o seu trabalho com as fezes fósseis e sua propensão a comer o reino animal (animais muito pequenos e moscas são particularmente desagradáveis, segundo Buckland).

Ainda assim, Buckland era um geólogo de destaque, um líder que não mediu suas palavras, elogiando o trabalho de Darwin como “uma nova teoria importante para explicar os fenômenos de ocorrência universal sobre a superfície da Terra”, nada menos do que “um novo poder geológico”.

Leia também:
Ilhas Phi Phi, paraíso tailandês com grande biodiversidade
Você acha que existe conflito entre sustentabilidade e progresso?
Transgênicos e OGMs: diferenças e promessas

O que Darwin e Buckland reconheceram que os outros não? Em uma palavra, vermes. Minhocas, em particular. Nos anos e décadas que se seguiram, Darwin observou os vermes arrastando folhas, areia e pedras em suas tocas. Ele meticulosamente, e precisamente estimou que há 53.767 minhocas em cada hectare de campo inglês.

Ele percebeu que a medida que os vermes misturam o solo, os objetos na superfície começam a se afundar nele. Através deste processo, Darwin argumentou que as minhocas têm preservado para nós inúmeros artefatos históricos, todos protegidos dos caprichos do vento e do tempo debaixo de uma camada de terra. Além disso, ele percebeu que a ação de milhares de vermes através de milhares de anos manteve um solo saudável e fértil.

Darwin certamente teria ficado horrorizado pela forma como nosso solo foi tratado nas últimas décadas. Durante os últimos 150 anos, o uso excessivo e a erosão lavaram metade da terra vegetal do nosso planeta e águas abaixo sufocam recifes costeiros e a indústria de pesca. Temos despojado o solo de seus nutrientes, e temos poluído com metais pesados e sais.

Aplicar pesticidas pode aumentar temporariamente a produção, mas também alteram a biodiversidade do solo. As minhocas têm diminuído. A fertilidade do solo é perdida. Ah, e eu mencionei que dependemos de solos saudáveis para obter 95% dos alimentos que comemos?

Em 5 de dezembro de 2014, para marcar o primeiro Dia Mundial do Solo em Roma, o Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, disse que, apesar de mais de 805 milhões de pessoas atualmente sofrerem de fome e desnutrição, e de ser preciso um aumento de 60% na produção de alimentos para atender às demandas futuras, um terço dos nossos recursos globais do solo foram degradados.

À medida que embarcam em 2015, o Ano Internacional dos Solos, tardiamente, está nos dando a magnitude do problema e a tarefa diante de nós. Os solos estão sendo perdidos em uma ordem de grandeza mais rápida do que estão sendo reabastecidos. Isso põe em risco a nossa segurança alimentar no futuro.

A comunidade biológica do solo também mudou, mas na verdade entendemos muito pouco a respeito da biodiversidade sob nossos pés. Nós não sabemos a magnitude da mudança, uma vez que não temos bons dados históricos com os quais comparar.

Mesmo agora, ainda não temos uma coordenação dos esforços regionais, e até mesmo nacionais, de monitorização da biodiversidade do solo. As minhocas não são apenas fundamentais para a recuperação o solo, mas também são bons indicadores referentes à biodiversidade do solo. No entanto, apenas cinco dos 29 países europeus têm programas de monitoramento de minhocas – ainda de um modo muito irregular.

Apesar da nossa ignorância, há fortes indícios de que nem tudo está correndo bem. No Reino Unido, o verme da Nova Zelândia (Arthurdendyus triangulatus) causou quedas dramáticas das larvas, e até mesmo possíveis extinções localizadas. Em toda a Europa, mais da metade de todas as espécies de minhocas são raras, muitas habitam em apenas uma ou duas regiões específica, de modo que as extinções localizadas poderiam significar a extinção global. E não são apenas os vermes que são vulneráveis.

Em 2007, o Instituto Federal do Meio Ambiente da Suíça publicou pela primeira vez a “lista vermelha” dos cogumelos, e listou 937 espécies em risco de extinção na Suíça. Um mapa de ameaças à biodiversidade do solo, elaborado a partir de dados da European Soil Data Centre, aponta para altas ameaças à biodiversidade do solo no noroeste europeu, particularmente no Reino Unido e na Holanda.

Nós não temos a menor ideia das consequências a longo prazo que essas mudanças na biodiversidade do solo podem levar à produção de alimentos no futuro e, penso eu, que é urgente descobrir os possíveis efeitos.

A silenciosa recepção da Sociedade Geológica desencorajou Darwin de continuar o seu trabalho sobre os vermes, no entanto, ele nunca o abandonou. No fim de sua vida, ele publicou seu livro mais recente, “A Formação do Molde Vegetal com a Ação dos Sem-fins”, o qual ele descreve modestamente como um “curioso livrinho de pouca importância”.

Seria trágico perder decisivamente pandas, ursos polares e pinguins, mas se perdermos os vermes seria verdadeiramente devastador.

 
Matérias Relacionadas