Portugal suspende lote da vacina da Janssen após aumento de hospitalizações

Por Agência EFE

Portugal registrou nesta quinta-feira(15) um novo aumento de internações por covid-19, diante de uma ligeira queda de infecções e mortes, enquanto o processo de vacinação é alterado devido à suspensão de um lote da vacina da Janssen após o relato de reações adversas.

Nas últimas 24 horas, o país teve 3.641 novos casos confirmados e cinco mortes por covid-19 e os hospitais têm 774 pacientes (40 a mais que no dia anterior) dos quais 174 estão em Unidades de Terapia Intensiva (três a mais), segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Os números de contágios apontam para uma diminuição em relação a ontem, quando foi ultrapassada a barreira de 4 mil novos casos e foram registrados nove óbitos.

A pior notícia é reservada à pressão hospitalar, que continua aumentando, atingindo seu maior recorde de pacientes internados desde março, enquanto a incidência de 14 dias por 100 mil habitantes permanece em 336,3.

Portugal, com dez milhões de habitantes, soma 17.187 mortes e 920,2 mil casos de coronavírus desde o início da pandemia.

O país vive atualmente sua quarta onda de covid-19, protagonizada pela variante delta, com uma prevalência de 88% a nível nacional, mas 100% nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo e do Algarve (sul).

A vacinação, principal arma das autoridades portuguesas para frear esta quarta onda, sofreu hoje um choque com a suspensão de um lote da vacina de dose única da Janssen, depois de ter registado “casos de reações adversas” após a administração deste medicamento em Mafra, a norte de Lisboa.

Trata-se, explicou a Autoridade Nacional de Medicamentos de Portugal, o Infarmed, de um número indeterminado de desmaios – cerca de 20, segundo a imprensa local – todos em pessoas vacinadas com o mesmo lote da Janssen, cujas doses foram distribuídas para outras regiões do país, além de Mafra.

Essa suspensão levou a uma alteração do número de vacinas disponíveis e, consequentemente, a alterar alguns planos em curso, como a administração de vacinas a pessoas com mais de 40 anos sem marcação prévia.

Em vez disso, será dada prioridade em Portugal às consultas agendadas, onde se iniciaram recentemente os contatos com cidadãos entre os 29 e 18 anos, grupo considerado fundamental para a contenção da variante delta.

O governo de António Costa analisa hoje a evolução da pandemia e poderá eventualmente decidir sobre mais medidas para combater a covid-19.

As últimas iniciativas, anunciadas há exatamente uma semana, incluíam a obrigatoriedade do teste negativo ou certificado digital para entrar nos restaurantes a partir das 19 horas (hora local) e ao longo do fim de semana nos 60 municípios com maior incidência da covid-19, incluindo Lisboa, Porto e Faro.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas