Porcos mortos despejados no principal rio de Shanghai, uma crise sistêmica na China

Um porco morto na província de Zhejiang na China em 14 de março de 2013 (Peter Parks/AFP/Getty Images)

As duas grandes exibições anuais de propaganda do Partido Comunista Chinês (PCC) – o Congresso Popular Nacional e a Conferência Consultiva Política Popular – foram ainda mais elaboradas este ano, pois a sucessão da liderança que ocorre a cada dez anos seria concluída nestes eventos. Mas, no momento, em vez da atenção nacional estar concentrada nas duas reuniões em Pequim, ela desviou-se para o rio Huangpu em Shanghai, onde mais de 13 mil suínos mortos foram recolhidos nas últimas semanas.

Assim que os suínos mortos começaram a aparecer no principal rio de Shanghai, as autoridades locais na cidade de Jiaxing na província de Zhejiang, a fonte dos suínos mortos localizada ao norte de Shanghai, tinham explicações prontas.

Nenhuma doença infecciosa foi encontrada. Uma taxa normal de suínos mortos explicaria o número deles vistos flutuando no rio e o longo período de frio precedente teria causado uma taxa de mortalidade mais alta do que a referente ao circovírus suíno.

Tais explicações, que claramente se contradizem, precisam ser analisadas.

O regime chinês é famoso por não dizer a verdade sobre doenças epidêmicas. As pessoas ainda me lembram de que quando a SARS (síndrome respiratória aguda grave) se espalhava, Zhang Wenkang, o então ministro da Saúde Pública da China, garantiu ao mundo que trabalhar e viajar na China era seguro.

Se esta taxa de mortalidade era normal, então, por que milhares de porcos apareceram no rio de repente e simultaneamente, algo nunca visto antes?

Quanto ao clima frio, há sempre frentes frias durante a primavera. Se o clima frio foi a causa, haveria mortandade de porcos a cada primavera.

Além disso, as pessoas acreditam que o PCC pode ter razões para esconder algo do público.

Os porcos mortos apareceram durante as duas reuniões em Pequim. Dez anos atrás, a SARS se espalhava rapidamente em março, mas foi acobertada, o que também ocorreu durante as duas reuniões e a transição precedente da liderança.

Em 2008, o Estado encobriu o escândalo do leite contaminado com melamina para garantir que as Olimpíadas de Pequim corressem bem. Milhões de crianças e bebês foram contaminados com melamina por mais de seis meses para proteger a imagem do regime.

Teorias dos internautas

Os internautas discutem outras possibilidades além da versão oficial reproduzida pelas mídias estatais.

Alguns repórteres foram às comunidades locais para conversar com os produtores de suínos. Os moradores disseram aos jornalistas que muitos porcos morreram de praga. Como praga é um termo genérico para doenças contagiosas e não um diagnóstico real é difícil dizer o que realmente acorreu sem testes e resultados de laboratório, que as autoridades controlam rigidamente. A hipótese de praga se encaixa no grande número e no curto período do aparecimento dos suínos mortos.

Alguns internautas, que pareciam conhecer o negócio de criação de porco, sugeriram outra possibilidade, que os esforços do regime de limpar a situação resultaram nos suínos mortos despejados no rio.

A primeira parte da história é conhecida há anos e foi relatado recentemente pela revista financeira Caixin. Para fazer porcos crescerem mais rápido, diversos antibióticos são utilizados em grandes doses e com maior frequência do que os regulamentos permitem. De acordo com a Caixin, uma investigação revelou que 13 tipos diferentes de antibióticos eram usados em duas das três fazendas de porcos investigadas.

Os antibióticos cobriam todas as grandes famílias de antibióticos exceto a vancomicina. A consequência direta é que as famílias de bactérias resistentes aos antibióticos aumentaram. Paradoxalmente, a overdose de antibióticos fez os porcos mais vulneráveis à infecção bacteriana.

Como os porcos passam na fiscalização? Bem, um suborno de alguns yuanes por porco facilmente obteria o certificado necessário, segundo o artigo da Caixin.

Outro problema conhecido é o envenenamento por metais pesados. Cobre e zinco são aditivos comuns na alimentação dos suínos. Além da questão usual da overdose de medicamentos, há outro problema. Para reduzir os custos, resíduos industriais são utilizados como aditivos metálicos. Este cobre e zinco não são puros, mas misturados com diferentes metais pesados que são tóxicos, como o cádmio.

O veneno arsênio é adicionado para alimentar os porcos e fazê-los parecer melhores quando colocados no mercado. Um porco levemente envenenado com arsênio tem a pele mais suave e carne mais avermelhada, assim conseguindo um preço melhor.

De acordo com internautas, porcos supermedicados e intoxicados por metais pesados e arsênio têm saúde débil e não podem viver muito tempo. No passado, isso não tinha importância, pois os porcos eram vendidos antes de apresentarem sintomas. Mas, mesmo que morresse, o porco morto ainda seria vendido e acabaria na mesa de alguém.

No entanto, no início deste ano, a nova liderança lançou uma campanha anticorrupção. Como resultado, o consumo de carne de porco relacionado ao PCC-Estado caiu repentinamente e os porcos se tornaram difíceis de vender. Eles passaram da validade, ficaram doentes e morreram. Segundo os internautas, é por isso que houve tantos porcos mortos de repente.

Ainda de acordo com os internautas, outra tentativa de limpar as coisas resultou nos suínos mortos seriam desovados no rio.

No ano passado, as autoridades de Zhejiang iniciaram uma campanha rígida no comércio de porcos doentes e mortos, incluindo sentenças de prisão perpétua. Em 14 de março, 46 pessoas foram julgadas pelo processamento e venda de porcos doentes e mortos e houve outros julgamentos do tipo no ano passado. Despejar animais mortos no rio parecia aos criadores a maneira mais conveniente e de baixo custo para se livrarem dos porcos.

Nada está certo

Não há qualquer prova sobre as teorias dos internautas, mas também não há prova para as explicações oficiais. Sem transparência, qualquer rumor é possível.

Não há liberdade de imprensa na China. Qualquer “investigador de escândalos” estaria em apuros e perderia o emprego ou seria preso se cavasse fundo o suficiente para perturbar alguns oficiais ou grupos de interesse.

Tan Zuoren ainda está na cadeia por tentar descobrir quem foi responsável pelo colapso das escolas durante o terremoto de Sichuan. Zhao Lianhai foi condenado a dois anos e meio de prisão por defender as vítimas do leite contaminado com melamina. Sem exposição suficiente e pressão da mídia e das pessoas, o regime nunca tomará medidas para proteger o público.

Na verdade, a China tem leis de proteção ambiental e segurança alimentar como qualquer outro país. No entanto, como a lei na China é usada apenas para reforçar a liderança do PCC, essas leis nunca foram aplicadas e não serão no futuro.

Não sabemos o que deu errado desta vez, mas sabemos que no negócio de porcos, assim como na maioria dos empreendimentos na China, nada está certo.

Dinheiro ruim substituindo dinheiro honesto é a realidade literal na China de hoje. O regime e as leis não protegem os que negociam honestamente. O resultado é que na China não há alimento seguro.

Uma vez conheci uma praticante do Falun Gong que me contou uma história real. Quando ela esteve detida no famoso campo de trabalhos forçados Masanjia, ela foi posta num grupo especial, junto com outros 50 praticantes do Falun Gong que se recusaram a abandonar suas crenças.

Um dia, eles foram designados para preparar embutidos. A área de trabalho no campo Masanjia era muito suja e não deveria ser utilizada para a preparação de alimentos.

Todos os praticantes do Falun Gong neste grupo se recusaram a trabalhar pelo bem da saúde dos consumidores. Diariamente, os guardas arrastariam vários praticantes, os torturariam e forçariam a fazer o trabalho. Após vários dias, mesmo depois da tortura, eles ainda se recusaram a trabalhar com os embutidos. Finalmente, os guardas desistiram e atribuíram-lhes outro trabalho para fazer.

Na China, aqueles que querem seguir sua consciência e não prejudicar os outros enfrentam não só a concorrência desleal de outras empresas comprometidas, mas também a perseguição do regime por não serem coniventes. A deterioração do padrão moral da sociedade não é apenas devido à ganância. É mais grave, pois é parte da concepção do regime. Tal situação nunca aconteceu antes na história.

Desde que as autoridades negaram a possibilidade de praga suína ou outras doenças infecciosas, as únicas medidas tomadas foram se livrar dos suínos mortos e tentar evitar seu despejo no rio no futuro.

Mesmo que as autoridades de Shanghai anunciem que a água do rio Huangpu satisfaz todos os padrões e impeçam o despejo de porcos no rio, isso não resolve o problema real. Na verdade, ao culpar friamente os criadores que teriam desovado os porcos no rio, as autoridades insinuam que não há mais problemas.

Shanghai tem um significado especial para o PCC. O 1º Encontro Nacional, que marcou o estabelecimento do PCC, foi convocado em Shanghai em 1921 e depois se deslocou para Jiaxing e foi concluído lá.

Noventa e dois anos mais tarde, durante a transição de poder deste ano, um dos eventos mais importantes para o PCC, 13 mil porcos mortos de Jiaxing invadiram Shanghai. Isso não pode ser simplesmente uma coincidência.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas