Por que motoristas na China preferem matar os pedestres que atropelam acidentalmente

"Este é um fenômeno político, não cultural. É o resultado da repressão sistemática do Partido Comunista no poder sobre a retidão, a simpatia e a bondade por meios políticos e legais"

Por Li Yen, Epoch Times

As coisas podem se tornar drasticamente horríveis quando pedestres são acidentalmente atropelados por motoristas na China.

Em 2011, veio a público um vídeo perturbador que se tornou viral, originário de Foshan, Guangdong, onde uma menina de 2 anos de idade, apelidada de Yue Yue, é atropelada por dois veículos. Nem os motoristas nem os 18 pedestres e ciclistas que passavam por ali pararam para ajudar.

Embora Yue Yue tenha sido finalmente resgatada por um varredor, ela não resistiu aos ferimentos.

Ainda mais assustador é o fato de que alguns motoristas na China preferem matar o pedestre em vez de deixá-lo ferido quando se envolvem em um acidente de trânsito. Para garantir que a vítima está morta, o motorista passa intencionalmente sobre o pedestre várias vezes.

(Captura de tela/NTDTV)
(Captura de tela/NTDTV)

Este escandaloso fenômeno de “atropela e mata” foi investigado pelo advogado novaiorquino Geoffrey Sant em um artigo publicado na Slate.

De acordo com Sant, nos últimos anos, câmeras de vigilância em toda a China têm capturado regularmente motoristas que acabaram de atropelar acidentalmente um pedestre, dando marcha a ré intencionalmente para matar a pessoa ferida.

(Epoch Times)
(Epoch Times)

Slate relatou um incidente que ocorreu em abril de 2015, também em Foshan, Guangdong, onde uma menina de 2 anos foi atropelada por um BMW que invadiu um mercado de frutas.

A avó da menina gritou: “Pare! Você atropelou uma criança!”

O motorista da BMW, que dirigia sem licença, parou um momento antes de dar marcha a ré para passar por cima da garota até a morte, não uma vez, mas três vezes.

Sem remorso ou culpa, o motorista saiu do carro e disse: “Não diga que eu estava dirigindo. Diga que foi meu marido. Nós podemos te dar dinheiro”.

Quando o caso foi levado a tribunal, a mulher alegou que foi um acidente e, por isso, foi condenada apenas a dois ou quatro anos de prisão.

E em 2008, imagens de uma câmera de vigilância mostraram um Volkswagen Passat branco dando marcha a ré a toda velocidade para passar por cima de uma senhora de 64 anos. O motorista, Zhao Xiao Cheng, atropelou-a repetidamente, esmagando a idosa, e o auto passou por cima dela pelo menos 5 vezes enquanto estava caída na calçada.

Motorista de um caminhão passa 4 vezes em cima de uma criança (Captura de tela| CCTV)
Motorista de um caminhão passa 4 vezes em cima de uma criança (Captura de tela| CCTV)

Zhao estava claramente determinado a matar a idosa que acabara de atropelar. Mas como já se esperava, ele não foi considerado culpado de homicídio doloso.

Dando crédito à alegação de Zhao de que ele confundiu a idosa com um saco de lixo, o tribunal de Taizhou, na província de Zhejiang, o condenou a apenas três anos de prisão. Para compensar sua “negligência”, ele pagou cerca de US$70 mil à família da idosa.

Infelizmente, tais atos cruéis são tão comuns que os chineses têm um ditado sobre isso: “É melhor atropelar e matar do que atropelar e machucar”.

Por que isso acontece na China?

Ao que parece, os motoristas matam intencionalmente os pedestres que atropelam por medo de pagar uma alta indenização, porque a lei chinesa torna mais barato matar uma pessoa do que machucá-la.

De acordo com o sistema legal chinês, o réu é obrigado a pagar uma indenização de entre 30 mil e 50 mil dólares por matar alguém em um acidente de trânsito.

https://www.facebook.com/shilpee.bhardwaj/posts/965162530172297

Já nos casos envolvendo lesões graves, o réu fica responsável por pagamentos vitalícios. O motorista terá que pagar pelo cuidado vitalício do sobrevivente deficiente, que pode ser superior a um milhão de dólares.

Além disso, o motorista pode escapar da acusação de homicídio simplesmente subornando as autoridades locais ou contratando um advogado.

“É um cenário muito triste. E quero deixar claro que isso não é algo que acontece toda vez que há um acidente. Mas é verdade que os motoristas que atropelam um pedestre voltam e o atropelam pela segunda vez, ou até pela terceira vez, para garantir que ele esteja morto”, disse Sant à apresentadora do programa As it Happens, Carol Off.

E quanto à indiferença demonstrada pelas pessoas que presenciaram o caso revoltante da pequena Yue Yue?

(Pixabay | pedroserapio)
(Pixabay | pedroserapio)

De acordo com um artigo publicado pelo Epoch Times, na China há um fenômeno em que fraudadores falsificam lesões ou se jogam de propósito na frente de um carro na tentativa de ganhar indenização dos motoristas enganados.

Além disso, eles também aplicam golpes em pedestres. Depois de ver alguém “cair”, uma pessoa gentil pode querer ajudar. O golpista processa quem o ajudou, o que já fazia parte do plano.

Isso levou ao triste fenômeno de que os pedestres evitam parar para ajudar, com medo de serem processados.

Por outro lado, há muitas pessoas apáticas que simplesmente não se importam.

A compaixão é parte do que nos faz humanos. É difícil acreditar que alguém desista de sua consciência para matar uma pessoa simplesmente porque é mais barato e porque as pessoas agora se recusam a ajudar uma pessoa caída a se proteger de golpistas.

Será esta a consequência terrível de uma sociedade corrupta com uma moralidade em declínio?

Por que a nação chinesa perdeu sua humanidade?

Para encontrar a resposta por trás da crise moral da China, vamos nos aprofundar em sua história.

https://www.facebook.com/prageru/posts/1469557796420405:0

A China, com seus 5.000 anos de civilização, era considerada como a Terra Divina, ou “Shen Zhou”. De acordo com os antigos chineses, sua rica cultura, incluindo música, medicina, caligrafia e roupas, foram transmitidos pelo Céu.

Por milhares de anos, o confucionismo, o budismo e o taoísmo foram as crenças que complementaram a sociedade chinesa, influenciando todos os aspectos da vida das pessoas.

Infelizmente, desde que o Partido Comunista Chinês (PCC) usurpou o poder, ele tem usado a violência para esmagar a cultura tradicional, a fé e o fundamento espiritual, bem como os conceitos éticos e as estruturas sociais da nação através de campanhas como a famosa Revolução Cultural.

Como declarado nos Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês, “ao longo de seus mais de 80 anos, tudo o que o PCC tocou foi manchado pelas mentiras, guerras, fome, tirania, massacre e terror”.

(Epoch Times)
(Epoch Times)

O PCC não causou apenas a morte de 80 milhões de pessoas, mas também transformou “empatia, amor e harmonia entre as pessoas” em “luta e ódio”.

“A veneração e apreciação do céu e da terra foram substituídas por um desejo arrogante de ‘lutar contra o céu e a terra'”, diz um trecho dos Nove Comentários.

“O resultado foi um colapso total dos sistemas social, moral e ecológico, e uma profunda crise para o povo chinês e, de fato, para a humanidade. Todas essas calamidades foram causadas pelo planejamento, organização e controle deliberados do PCC.”

Como um crítico do Voice of America disse — referindo-se ao caso da pequena Yue Yue — este é “um fenômeno político, não cultural”. É o resultado da repressão sistemática do Partido Comunista no poder sobre a retidão, a simpatia e a bondade por meios políticos e legais”.

Para saber mais sobre o plano sistemático do PCC de corromper os valores morais da China, leia os Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês.

 
Matérias Relacionadas