Por que há mais jovens a favor do socialismo e o que devemos fazer: Mary Eberstadt

'Sempre se disse que o socialismo simplesmente não foi bem implementado. E isso foi usado para desculpar um fracasso após o outro'

Por Harry Lee & Steve Lance 

Um número cada vez maior de jovens são a favor do socialismo ao invés do capitalismo. De acordo com a autora Mary Eberstadt, isso ocorre porque esses jovens foram deliberadamente mal educados e deveriam aprender mais sobre a história e a verdade.

“Em parte porque eles foram deliberadamente mal educados sobre o passado de seu país”, afirmou Eberstadt em uma entrevista ao “Capitol Report” da NTD, transmitida na quarta-feira.

Eberstadt é uma das principais pesquisadoras do Faith & Reason Institute. É ensaísta, romancista e autora de vários livros. Foi bolsista sênior da Hoover Institution de 2002 a 2013 e redatora de discursos do secretário de Estado George Schultz de 1985 a 1987.

Eberstadt afirma que certo tipo de antiamericanismo prevaleceu por várias gerações, especialmente em faculdades e universidades.

Dezenas de pessoas marcham nos protestos de 1º de maio de 2018, na cidade de Nova Iorque. Em todo o país e no mundo, as pessoas protestam, marcham e não trabalham no tradicional dia dos direitos dos trabalhadores (Spencer Platt / Getty Images)
Dezenas de pessoas marcham nos protestos de 1º de maio de 2018, na cidade de Nova Iorque. Em todo o país e no mundo, as pessoas protestam, marcham e não trabalham no tradicional dia dos direitos dos trabalhadores (Spencer Platt / Getty Images)

“O que os jovens precisam entender é que existem razões profundas para alimentar esse discurso. Eles estão sendo privados da grandeza da história de seu país e de suas lições. E a razão é que eles são a espinha dorsal de um movimento político que os explora, chamado progressismo”, declarou Eberstadt.

Ela acrescentou que o marxismo, na verdade, tem muito a ver com o progressismo.

“Posso afirmar isso com autoridade porque quando eu estava na faculdade, o que foi há décadas, o marxismo prevalecia em todos os campi de elite”, relatou Eberstadt, que se formou na Universidade Cornell em 1983. “E está voltando nesta forma mais suave que passa pelo socialismo, mas que compartilha muitos preceitos marxistas”.

Em junho, uma pesquisa da Axios / Momentive mostrou que 51% dos jovens de 18 a 24 anos veem o socialismo de forma positiva e 54% do grupo dessa faixa etária percebe o capitalismo de forma negativa.

Eberstadt afirma que há uma grande necessidade dos jovens compreenderem a história do comunismo e do socialismo e outras verdades das quais seus professores os privaram por razões políticas.

“Sempre se disse que o socialismo simplesmente não foi bem implementado. E isso foi usado para desculpar um fracasso após o outro em todos os países que tentaram implantar um regime marxista”, continuou Eberstadt.

“O que os alunos precisam saber que não lhes é dito, o que os tornaria muito menos interessados ​​no socialismo, seria um conhecimento prático das tragédias que ocorreram sob os planos de reengenharia dos seres humanos em escala maciça”, declarou ela. Eberstadt . “Estamos falando sobre as grandes fomes. Estamos falando de outras atividades coletivizadas que acabaram por aprisionar e assassinar pessoas em nome de um bem marxista abstrato e superior. E a história está cheia desses exemplos, como sabemos, e envolver as crianças e os adolescentes nesse fato é uma parte importante do ensino da história de amanhã”.

Camponeses diante de restos humanos. O canibalismo se espalhou durante a fome na Rússia entre 1921 e 1922 (Creative Commons / Wikimedia)
Camponeses diante de restos humanos. O canibalismo se espalhou durante a fome na Rússia entre 1921 e 1922 (Creative Commons / Wikimedia)

Além da história do fracasso dos experimentos coletivistas, outras verdades também deveriam ser ensinadas em salas de aula em todo o país, afirma Eberstadt.

“Número dois – e isso não está em uma ordem particular – a grandeza da história americana com todos os seus problemas. Número três, a vitalidade econômica e abundância material dos países de livre iniciativa em relação aos países coletivistas. E número quatro, a maneira como os regimes socialistas, os regimes marxistas, os regimes comunistas suprimiram não apenas a religião, mas a família. Eles suprimiram qualquer outro concorrente potencial pela lealdade das pessoas”, continuou Eberstadt.

“Todos esses são fatos facilmente verificáveis ​​e precisamos de líderes para expressá-los, e precisamos de professores para transmiti-los.” 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas