Por que este importante país europeu está abraçando a China?

Isso tem todos os ingredientes de um casamento feito no céu despótico

Por John Mac Ghlionn 

Comentário

Em dezembro de 2021, vários países, incluindo Austrália, Estados Unidos e Canadá, anunciaram um boicote diplomático aos Jogos Olímpicos de Inverno, que ocorreram recentemente na capital da China

Mais simbólico do que significativo, os países enviaram uma mensagem passivo-agressiva ao Partido Comunista Chinês (PCCh). Em suma, as violações dos direitos humanos não são aceitáveis. Uma declaração incontroversa, mas que precisa ser repetida firmemente e com força.

O presidente francês Emmanuel Macron, no entanto, não tinha interesse em transmitir essa mensagem em particular. Em vez disso, ele escolheu rotular o boicote diplomático como “insignificante”. A França, segundo ele, não tinha planos de se juntar à Austrália, aos Estados Unidos e ao Canadá.

Por quê?

Porque o boicote, de acordo com ele, foi apenas “um passo simbólico”. É verdade, mas um boicote, algum tipo de protesto, é melhor do que nada. Algum tipo de mensagem para a China é melhor do que nenhuma mensagem.

Mas isso não é totalmente justo com Macron. Ele enviou uma mensagem à China, mais ou menos assim: vamos trabalhar juntos.

No dia 3 de janeiro, conforme relatado pelo tablóide estatal chinês Global Times, “China e França se comprometeram a aprofundar a cooperação econômica e financeira bilateral durante um diálogo econômico virtual”. As autoridades, afirmam que “prometeram colaborar em áreas como finanças, energia nuclear, aviação e proteção ambiental”. A quarta área é particularmente engraçada, considerando que a China parece estar dedicada a destruir o meio ambiente, ao invés de protegê-lo.

O Oitavo Diálogo Econômico e Financeiro de Alto Nível China-França, de acordo com o artigo do Times, “ressaltou a cooperação pragmática e resiliente entre os dois países em um momento em que alguns países europeus adotaram uma abordagem hostil em relação à China”.

Agora, pergunte a si mesmo, por que um país europeu – como a Lituânia, por exemplo – adotaria uma abordagem hostil a uma potência hostil?

A resposta a essa pergunta é dolorosamente óbvia. Novamente, em suma, a China não é confiável.

Uma união estranha

Tanto a França quanto a China, como observou o Times, prometeram “apoiar os pedidos de instituições financeiras francesas elegíveis para estabelecer empresas de valores mobiliários de propriedade integral na China”. Isso tem todos os ingredientes de um casamento feito no céu despótico.

Mais recentemente, de acordo com um artigo de 24 de fevereiro publicado pela Deutsche Welle (DW), Paris e Pequim planejam penetrar no continente africano, revelando uma série de infraestruturas significativas nos próximos anos. Não satisfeitos em explorar o mercado africano, os dois países também têm planos de penetrar nos mercados do Sudeste Asiático e do Leste Europeu.

Como destaca o artigo da DW, China e França “planejam construir conjuntamente sete projetos de infraestrutura no valor de mais de US$ 1,7 bilhão na África, Sudeste Asiático e Europa Oriental, tornando a França o primeiro país a estabelecer o mecanismo de cooperação intergovernamental de mercado de terceiros com China”.

Garrafas de vinho são vistas em uma loja de vinhos em Paris, no dia 3 de outubro de 2019. Se pronunciando na China International Import Expo, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou um acordo entre a União Europeia e a China sobre a proteção mútua de alimentos e álcool, que foi formalmente assinado no dia 6 de novembro de 2019. Entre 26 produtos franceses protegidos estão o Champagne, vinhos, incluindo os das regiões de Bordeaux e Borgonha, licor de conhaque e alguns queijos como o Roquefort (Kamil Zihnioglu/AP Photo)
Garrafas de vinho são vistas em uma loja de vinhos em Paris, no dia 3 de outubro de 2019. Se pronunciando na China International Import Expo, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou um acordo entre a União Europeia e a China sobre a proteção mútua de alimentos e álcool, que foi formalmente assinado no dia 6 de novembro de 2019. Entre 26 produtos franceses protegidos estão o Champagne, vinhos, incluindo os das regiões de Bordeaux e Borgonha, licor de conhaque e alguns queijos como o Roquefort (Kamil Zihnioglu/AP Photo)

Os proponentes, segundo fomos informados, esperam que a parceria “torne os investimentos estrangeiros chineses mais transparentes”.

Os céticos, no entanto (inclusive eu), “sugerem que isso pode simplesmente fornecer um impulso óptico para Pequim diante do crescente conflito com os Estados Unidos”.

Em meados de fevereiro, Pequim e Paris assinaram a Lista de Projetos Pilotos de Cooperação de Mercado de Terceiros China-França da Quarta Rodada, que se compromete a investir em outras áreas além de infraestrutura, como meio ambiente e energia renovável. A ideia de que o PCC ajudaria a aliviar quaisquer ansiedades ambientais deve ser encarada com uma dose saudável de ceticismo – em grande parte porque as promessas ambientais do PCCh não resistem ao escrutínio. Eles nunca o fizeram, e as chances são de que nunca o farão.

Em um comunicado de imprensa recente, o órgão de planejamento sênior da China, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC), argumentou que “as empresas francesas têm uma vantagem única na fabricação avançada, proteção ambiental e engenharia, enquanto as empresas chinesas acumularam uma rica experiência em infraestrutura básica de construção, energia, equipamentos e internet”.

As empresas da China e da França, segundo os autores do comunicado, “são complementares e têm um enorme potencial para cooperação no mercado de terceiros”.

Eric K. Hontz, do Center for International Private Enterprise, disse à DW que, como o PCCh tem “uma grande presença em muitas áreas francófonas”, é completamente “natural que a China e a França busquem algum tipo de cooperação em questões de infraestrutura”.

O que a nova parceria da China e da França significará para as relações França-EUA?

Hontz não acredita que a aliança Pequim-Paris “marque uma mudança dramática no relacionamento” entre os dois países tradicionalmente próximos. Em vez disso, ele acredita que a aliança entre Paris e Pequim oferece aos franceses a oportunidade de “continuar engajados e colocar a si mesmos e sua indústria nesses mercados”.

Qual é o objetivo da China aqui?

Com a escalada das tensões entre a União Europeia e a China, o PCCh poderia estar usando a França para ganhar alguma vantagem? Estaria usando a França para lavar sua reputação?

Afinal, ao se unir à França, a quinta maior nação comercial do mundo (e a segunda da UE depois da Alemanha), a China tem um poderoso aliado, um respeitável membro da UE que carrega muito poder.

É claro que essas perguntas, como as perguntas mais importantes, levam tempo para serem respondidas. No entanto, quando se trata do PCCh, sempre existem segundas intenções. Esquemas de manto e punhal, e não faltam fumaça e espelhos. A França, ao que parece, é mais um peão no jogo de xadrez geopolítico de Pequim.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas