Por que Biden continua querendo dialogar com a China?

Por Gordon G. Chang

O presidente Joe Biden, de acordo com o assessor de segurança nacional Jake Sullivan, quer iniciar uma nova rodada de “interação” com a China.

Chame isso de outro potencial fiasco de Biden.

Em 17 de junho, após a conturbada reunião com o presidente russo Vladimir Putin, em Genebra, Sullivan disse a repórteres que Biden “buscará oportunidades de interagir com o presidente Xi no futuro”.

“Muito em breve, sentaremos para trabalhar na modalidade apropriada para os dois presidentes interagirem”, disse Sullivan. “Agora é só uma questão de quando e como.”

E que tal se nunca?

Os Estados Unidos e a China já estabeleceram relações. Sullivan e o secretário de Estado Antony Blinken sentaram-se com os dois principais diplomatas da China, o membro do Politburo Yang Jiechi e o ministro das Relações Exteriores Wang Yi, em Anchorage, em meados de março.

Yang e Yi não foram ao Alasca para falar com a administração Biden; eles vieram para reclamar, pregar e humilhar. Blinken e Sullivan deveriam ter enviado os “diplomatas” chineses para fritar aspargos assim que eles começaram a fazer uma bagunça para o benefício das câmeras.

É claro que a China agora não está com ânimo para discussões substantivas, exceto, é claro, para aceitar a rendição dos EUA.

Ned Price, porta-voz do Departamento de Estado, disse no mesmo dia que o presidente acredita que não há “substituto para a diplomacia pessoal”.

Uma formulação melhor é que, quando se trata da República Popular da China, não há espaço para diplomacia pessoal. Os líderes americanos, governo após governo, acham importante encontrar adversários cara a cara, que possam argumentar com eles de alguma forma.

Essa opinião é ingênua, arrogante e quase sempre errada. Os líderes chineses do tipo comunista costumam falar em “amizade”, mas são implacavelmente práticos e, muitas vezes, simplesmente implacáveis. Para eles, os sentimentos pessoais não têm valor nas relações com outros Estados.

A diplomacia pessoal com Pequim é contraproducente: os americanos estão atrás dos chineses e os chineses se aproveitam dessa ânsia.

A insistência em ir atrás de Pequim torna os Estados Unidos, aos olhos do regime chinês, um alvo fácil. Não é preciso especular sobre como os números do regime tratam quem tenta agradar e se adaptar a eles.

Como Charles Burton, do Instituto Macdonald-Laurier, com sede em Ottawa, disse a Gatestone, Pequim sempre tira vantagem da aparência fraca. Afinal, diz ele, as autoridades chinesas fizeram reféns canadenses, conhecidos como “os dois Michaels”, em dezembro de 2018 e os mantiveram detidos desde então porque sabiam que o primeiro-ministro Justin Trudeau não faria nada a respeito. Os chineses acreditavam que Trudeau não faria nada porque passara sua carreira tentando desesperadamente cortejar a China.

“Quanto mais o Canadá mostrou sua fraqueza ao apaziguar e fazer concessões ao complexo integrado de partido, estado, militar, segurança e indústria da China, mais encorajados os líderes chineses têm estado em lidar com Ottawa”, disse Burton, um ex-diplomata canadense enviado a Pequim.

Existe outra objeção fundamental. Price, falando de uma reunião Biden-Xi, referiu-se à “nossa diplomacia de princípios”.

“Diplomacia de Princípios”? Como um país de princípios pode se envolver em diplomacia com um governo que é, de acordo com a Anistia Internacional, “o carrasco mais prolífico do mundo”?

Ou com um grupo dominante que comete genocídio e outros crimes contra a humanidade, como assassinato em massa, estupro institucionalizado e escravidão de minorias raciais?

Que tal um regime que espalhou deliberadamente um vírus além de suas fronteiras e matou, de acordo com a última contagem, 3,9 milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo 602.000 americanos?

Há relatos de que Dong Jingwei, vice-ministro de Segurança do Estado, desertou para os Estados Unidos em meados de fevereiro com sua filha. Dong, chefe da contra-espionagem da China, disse ter fornecido à Agência de Inteligência de Defesa evidências de que os militares chineses estão conduzindo pesquisas no Instituto de Virologia de Wuhan, que muitos agora suspeitam ser a fonte do patógeno causador da COVID-19. Essas informações, conforme relatado pelo Yahoo! Notícias mudaram a visão do governo Biden sobre as origens da pandemia.

Se os relatórios sobre Dong forem precisos, Biden agora deve estar falando sobre impor os custos mais severos à China, e não ir atrás de Xi Jinping para iniciar uma conversa. Os Estados Unidos deveriam, entre outras coisas, cortar o comércio, encerrar os investimentos, proibir a cooperação em tecnologia e talvez interromper todas as viagens. Biden deve fechar permanentemente os quatro consulados restantes da China nos Estados Unidos e enviar virtualmente todos os funcionários da embaixada chinesa para casa. O presidente deve anunciar que a política dos Estados Unidos é acabar com o regime comunista na China.

Duro? Não, especialmente se a China liberar um patógeno projetado para matar americanos, como parece cada vez mais ser o caso.

Portanto, presidente Biden, pare de dar a outra face e comece a cumprir seu dever constitucional mais fundamental: Proteger a América de inimigos estrangeiros.

Do Gatestone Institute.

Gordon G. Chang é um distinto membro sênior do Gatestone Institute, membro de seu Conselho Consultivo e autor de “The Coming Collapse of China”. Siga Gordon em GordonChang.com e no Twitter @GordonGChang

As opiniões expressas neste artigo são do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Twitter.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas