Por que América Latina está sofrendo com escassez crítica de água

'A crise hídrica é uma crise de governança, causada em grande parte pela corrupção generalizada em todo o setor'

Por Autumn Spredemann 

SANTA CRUZ, Bolívia—Quase 31% do suprimento de água doce do mundo está na América Latina, que sofre uma escassez perigosa em algumas áreas devido a décadas de má gestão e rápido crescimento populacional, privatização e práticas agrícolas negligentes.

Há água suficiente para atender às necessidades da população mundial, mas sua distribuição é desigual. Além disso, muito tem sido desperdiçado, poluído ou mal tratado em nível administrativo, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Além disso, a UNESCO admite que não há escassez real de água doce, mas sim um mau uso do recurso.

Em Puerto Suarez, na fronteira Bolívia-Brasil, um homem chamado Benito Ruiz olhou para um campo verde pantanoso que costumava ser um lago. Ele apontou para um velho barco a remo ainda amarrado sob uma doca seca.

“Nosso lago é apenas sazonal agora”, relatou Ruiz ao Epoch Times, relembrando uma época em que as oportunidades de pesca comercial na cidade não eram apenas uma coisa da estação chuvosa.

Não muito longe da estrada, fazendas de gado pontilham a paisagem até onde a vista alcança. Os agricultores da área usam práticas agrícolas não regulamentadas de corte e queima para limpar a terra para o gado, em grande parte devido à crescente demanda da China por exportações de carne bovina.

A prática agrícola destrutiva cria uma variedade de efeitos colaterais, incluindo incêndios florestais, erosão do solo, poluição da água e seca.

Independentemente disso, o governo socialista da Bolívia endossa esse método e quadruplicou suas exportações anuais de carne bovina para a China a partir de 2020.

O desvio de água na região do Pantanal, que é a maior área úmida de água doce do mundo, para agricultura e pecuária, é outro fator que contribui para a crescente escassez do recurso.

Uma doca seca em Puerto Suarez, onde um lago durante todo o ano agora é apenas sazonal, em 8 de dezembro de 2021 (Autumn Spredemann/Epoch Times)
Uma doca seca em Puerto Suarez, onde um lago durante todo o ano agora é apenas sazonal, em 8 de dezembro de 2021 (Autumn Spredemann/Epoch Times)

Rápido demais?

Um problema semelhante existe na Cidade do México, que foi originalmente construída no quase desaparecido Lago Texcoco.

A população da cidade explodiu para mais de 20 milhões em menos de 50 anos, levando a drenagem do lago ao redor para dar lugar à população em rápida expansão.

Enquanto as autoridades lutavam para criar mais terras, isso deixou a cidade excessivamente dependente da água trazida de reservatórios distantes ou subterrâneos.

Atualmente, mais de 30% do que sai da torneira na Cidade do México vem de lagos e rios distantes. O resto é extraído de um aquífero sob a metrópole urbana, o que criou um problema completamente diferente.

A cidade está agora afundando no chão.

Partes do centro urbano estão submergindo em mais de 30 centímetros por ano, o que dificulta a manutenção dos canos de água de 60 anos que abastecem a população.

O governo mexicano gastou bilhões tentando administrar o emaranhado de questões, deixando muitos moradores dependentes de caminhões que entregam água não potável que só é boa para banheiros e lavagem.

No entanto, mesmo a entrega do caminhão não é confiável ou garantida.

Surpreendentemente, a cidade tem mais chuvas anuais do que Londres. Devido à sua localização em um vale e também possui problemas com inundações durante chuvas fortes.

Tal contradição gritante foi atribuída diretamente à má gestão de funcionários corruptos.

“A crise da água é uma crise de governança, causada em grande parte pela corrupção generalizada em todo o setor”, comentou a Transparência Internacional.

A Cidade do México está entre vários centros urbanos importantes na América Latina que lutam com populações explosivas e escassez de abastecimento de água. Outros incluem Lima (Peru), São Paulo (Brasil), Caracas (Venezuela) e Valparaíso (Chile).

Um morador de Lima, Dario Alvarez, afirmou ao Epoch Times: “A água nunca é garantida aqui. Cada gota conta”.

Energia verde cria problemas

Enquanto isso, a Argentina enfrenta uma combinação problemática de terreno naturalmente árido, uma população crescente e agricultura expandida.

Mais de 70 por cento do território do país é árido ou semi-árido e nessas áreas há uma pressão crescente por mais água para uso na produção e consumo.

“Várias províncias tiveram que ditar emergências hídricas para dar prioridade ao uso do consumo humano”, declarou o engenheiro argentino Pablo Bereciartua ao Epoch Times.

Bereciartua, que é membro do conselho da Global Water Partnership, com sede em Estocolmo, indicou que seu país sofre de uma complexidade de fatores que afetam a escassez de água.

A principal delas é a seca.

Das 23 províncias do país, oito estão lidando com questões urgentes de abastecimento de água, incluindo a famosa região vinícola de Mendoza e Rio Negro, localizada no popular distrito recreativo da Patagônia.

Vista da hidrelétrica de Itaipu, no rio Paraná, na fronteira Paraguai-Brasil, no dia 18 de dezembro de 2015 (Norberto Duarte/AFP via Getty Images)
Vista da hidrelétrica de Itaipu, no rio Paraná, na fronteira Paraguai-Brasil, no dia 18 de dezembro de 2015 (Norberto Duarte/AFP via Getty Images)

Bereciartua afirma que um fator importante que contribui para as condições de seca são os níveis historicamente baixos de água no rio Paraná.

O rio Paraná, que é um recurso vital para as nações do Paraguai, Brasil, Argentina e Bolívia, vem passando por uma seca significativa e localizada nos últimos anos.

Curiosamente, a seca seguiu de perto o aumento da produção de energia da barragem de Itaipu, no Paraguai, que começou a aumentar sua produção em 2016.

A barragem está localizada diretamente no rio Paraná.

No início deste mês, o presidente do Paraguai, Abdo Benitez, anunciou que, graças aos projetos hidrelétricos do país, seu país foi capaz de funcionar com energia 100% renovável.

Enquanto muitos comemoram essa conquista da “energia verde”, alguns especialistas apontam as megabarragens como uma das principais culpadas em questões regionais de seca e diminuição dos níveis de água nos rios.

Um estudo sobre a relação entre escassez de água e projetos de barragens por Ted Veldkamp, ​​da Universidade Vrije, em Amsterdã, revelou que, após US$ 2 trilhões gastos em iniciativas globais de barragens nas últimas décadas, o mundo ficou com 23% menos água.

A guerra da água 

Em 2019, a conferência climática do Chile, em Santiago, foi inundada com gritos de “água é um direito, não um negócio, não um privilégio” por manifestantes.

A nação tem um dos sistemas de água mais privatizados do mundo, que remonta à ditadura de Augusto Pinochet e um código de água estabelecido em 1981 que permite que empresas privadas possuam e controlem os vastos recursos hídricos do país.

Como resultado, moradores e agricultores agora pagam um dos preços mais altos da América Latina pelo acesso à água, criando uma crise de manufaturados.

Rodrigo Mundaca, agrônomo e porta-voz nacional do Movimento de Defesa do Acesso à Água, Terra e Proteção Ambiental, afirmou que “o roubo está institucionalizado” quando se trata do precioso recurso.

Um relatório de 15 de janeiro afirma que em meio à recente seca e escassez, os direitos à água no Chile estão sendo vendidos a “preços milionários” para mineradoras e empresas agrícolas.

Uma placa que afirma “Água sim, ouro não!” é vista através de uma janela com um buraco por um projétil na cidade andina de Celendin, Cajamarca, no Peru, no dia 5 de julho de 2012, após confrontos mortais entre a polícia e pessoas que protestavam contra o projeto de mineração Conga (STR/AFP/GettyImages)
Uma placa que afirma “Água sim, ouro não!” é vista através de uma janela com um buraco por um projétil na cidade andina de Celendin, Cajamarca, no Peru, no dia 5 de julho de 2012, após confrontos mortais entre a polícia e pessoas que protestavam contra o projeto de mineração Conga (STR/AFP/GettyImages)

Maria Catalina Espinoza, presidente da União de Água Potável, afirmou: “Há água, mas são os empresários que a possuem”.

Os bolivianos lutaram contra um esforço semelhante de privatização na cidade árida de Cochabamba, entre fevereiro e abril de 2000. O governo concedeu direitos de consumo e saneamento a um consórcio internacional chamado Aguas del Tunari, em setembro anterior.

Isso desencadeou protestos e confrontos violentos com a polícia local contra o subsequente aumento dos preços e do acesso à agricultura nas comunidades rurais.

Quando a notícia se espalhou, grupos de simpatia em outras áreas rapidamente se organizaram e os protestos se expandiram, resultando na infame “guerra da água de Cochabamba”.

Por fim, o governo boliviano cancelou o contrato com a Aguas del Tunari e alterou a legislação da Lei nº 2029 sobre direitos e uso da água.

Poluição desempenha seu papel

As crises ecológicas na bacia do rio Amazonas não são novidade. No entanto, 20% da água doce do mundo pode ser encontrada apenas nesta região, que cobre uma área aproximadamente do tamanho dos Estados Unidos continentais.

Os peruanos lutam com as mineradoras pela contaminação de cursos d’água essenciais que sofrem com os subprodutos tóxicos despejados neles.

Grande parte da poluição vem da mineração de ouro e da perfuração de petróleo.

Em 2017, um grupo de indígenas Achuar paralisou sete importantes áreas de operação de instalações petrolíferas na província de Loreto. Os manifestantes exigiram justiça por derramamentos de óleo em suas terras e água contaminada.

Por outro lado, a mineração artesanal de ouro continua sendo a principal causa da poluição por mercúrio nos rios amazônicos devido ao seu uso no processo de extração.

A mineração de ouro na região responde por 10% da demanda mundial.

Consequentemente, diferentes organizações pediram a redução do uso do elemento tóxico para evitar mais calamidades na saúde.

A Organização Mundial da Saúde classifica o mercúrio como um dos 10 principais produtos químicos que causam um grande problema de saúde pública.

“A crise de poluição por mercúrio na Amazônia é, infelizmente, invisível e amplamente ignorada, apesar das crescentes evidências dos perigos”, afirmou Jordi Surkin, diretor da Unidade de Coordenação da Amazônia do World Wildlife Fund.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas