Pompeo: o regime de Maduro cairá como a União Soviética ‘esse dia está próximo’

'A a ditadura da Venezuela parece um cartel de drogas, que opera em conjunto com grupos terroristas do Exército de Libertação Nacional (ELN), o Dissidência das FARC e da organização libanesa xiita do Hezbollah'

Por Anastasia Gubin

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que os Estados Unidos acreditam que a ditadura de Nicolás Maduro na Venezuela está se comportando como um cartel de drogas e, embora ele não saiba exatamente quando ele cairá, ele diz que será em breve.

“Ainda não sabemos, assim como não sabíamos a data exata em que a União Soviética cairia, não sabemos quando o regime de Maduro terminará, mas sabemos que esse dia está próximo”, disse Pompeo em entrevista ao New Herald / Miami Herald em 23 de Janeiro de 2020, onde respondeu a perguntas sobre as políticas dos EUA em Cuba e Venezuela.

 “Sabemos que esse comportamento é como se fosse o de um cartel.  É como no passado, quando parece que se lidera algo que se parece mais com um cartel de drogas do que com um governo”.

“Temos certeza de que os venezuelanos não apoiarão Maduro e seus bandidos novamente como líderes.  Ele ainda pode ter o controle do exército hoje, mas sabemos o que os venezuelanos querem. Estamos focados em fazer todo o possível para que consigam”, acrescentou o secretário.

O líder do regime de ditadura da Venezuela, Nicolás Maduro (direita), conversa com o presidente da Assembleia Constituinte ilegítima, Diosdado Cabello (esquerda ), em 24 de janeiro de 2019, em Caracas, Venezuela  (Getty Images)

Na declaração de Maduro à imprensa que se ofereceu para negociar com os Estados Unidos, Pompeo foi perguntado se o líder chavista estava pedindo garantias para sua partida.

 “Não vimos nenhuma indicação, apesar de termos tido muitas conversas”, disse ele, acrescentando que “os noruegueses lideraram algumas conversas.  Outros tiveram essas conversas com pessoas do círculo de Maduro. Não há indicação de que ele esteja disposto a permitir eleições livres e justas na Venezuela. ”

“Esse é o mínimo que exigimos.  Continuaremos trabalhando para que isso aconteça”, disse ele em seguida.

O secretário também responsabilizou Maduro porque “ele destruiu a vida de muitos venezuelanos.  Cerca de 6 milhões de pessoas terão deixado o país antes do final do ano. ”

 “Isso representa quase 20% da população da Venezuela”, disse ele, dizendo a missão inicial dos EUA.  Ele vem “construindo uma aliança global”, em apoio a quem quer democracia no país sul-americano.

 “Conseguimos”, disse ele.

Sobre aqueles que apóiam Maduro, ele destacou a Rússia, Cuba e o Departamento de Estados dos EUA.  Ele está analisando “de muito perto” como o dinheiro flui para o regime.

Pompeo esteve na Colômbia em 20 de janeiro para participar da III Conferência de Luta contra o Terrorismo, onde também enfatizou que a ditadura da Venezuela parece um cartel de drogas, que opera em conjunto com grupos terroristas do Exército de Libertação Nacional (ELN), o Dissidência das FARC e da organização libanesa xiita do Hezbollah.

 
Matérias Relacionadas