Pompeo: Cuba aproveita a pandemia para continuar explorando médicos cubanos

Por Debora Alatriste

Mike Pompeo mais uma vez condenou o regime cubano por tirar proveito do caos da pandemia do vírus do PCC para continuar enviando brigadas médicas cubanas para diferentes países e, assim, continuar promovendo o tráfico de seres humanos pela ditadura de Castro.

“Percebemos como o regime de Havana se aproveitou da pandemia da COVID-19 para continuar sua exploração de trabalhadores médicos cubanos”, disse o secretário de Estado durante uma entrevista coletiva em 29 de abril.

Pompeo também parabenizou os países sul-americanos que rejeitaram os programas médicos da ditadura cubana.

“Aplaudimos os líderes no Brasil, Equador e Bolívia e outros países que se recusaram a fechar os olhos para esses abusos do regime cubano, e pedimos a todos os países que façam o mesmo.”

Além disso, a autoridade dos EUA disse que se os governos aceitam médicos cubanos, eles devem pagá-los diretamente, porque “quando pagam o regime, estão ajudando o governo cubano a obter benefícios do tráfico de pessoas”.

Cerca de 100 médicos cubanos seguem os procedimentos de início de seu programa no Quênia em 11 de junho de 2018 em Nairóbi (SIMON MAINA / AFP / Getty Images)
Cerca de 100 médicos cubanos seguem os procedimentos de início de seu programa no Quênia em 11 de junho de 2018 em Nairóbi (SIMON MAINA / AFP / Getty Images)

De acordo com o regime cubano, até 22 de abril, 250 médicos foram enviados para três países da África, 358 para três países da Europa e Oriente Médio, 31 para quatro países da América Latina, incluindo México e Honduras, Nicarágua e Venezuela e 599 para onze países do Caribe.

Escritório de Assuntos Públicos Mundiais do Departamento de Estado dos EUA ressaltou que essas missões não são assistência, mas uma atividade com fins lucrativos do regime cubano. “É a principal fonte de renda do regime”, diz ele em um artigo.

De acordo com o último Relatório de Tráfico de Pessoas em 2019 (ITP) realizado pelo Departamento, o esquema coletava todos os ganhos pagos aos médicos, mas pagava ao trabalhador apenas uma fração dos ganhos.

De acordo com o relatório do departamento (pdf), foi declarado que funcionários cubanos enviaram entre 34.000 a 50.000 profissionais médicos para mais de 60 países para missões médicas estrangeiras por meio de contratos com governos estrangeiros e, em alguns países, com organizações internacionais que atuam como intermediários.

Para o subsecretário interino do Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos EUA, Michael Kozak, a “ajuda” do regime de Castro no envio de pessoal médico para outros países durante a contingência de saúde do vírus do PCC “, não trata-se de solidariedade, altruísmo, mas de lucros que vão para os cofres do regime repressivo, não para os bolsos dos médicos que realizam o trabalho”, afirmou o funcionário.

O Brasil foi o primeiro país a encerrar o programa “Mais Medicos” com Cuba em novembro de 2018, após 5 anos, depois que o governo Bolsonaro processou o regime da ilha para melhorar o tratamento e as condições de trabalho de seus pacientes médicos.

Enquanto em novembro de 2019, o Equador encerrou os acordos com Cuba após verificar que durante os distúrbios de outubro do ano passado, houve um fluxo incomum de estrangeiros no país com o passaporte oficial de Cuba, segundo informações da mídia equatoriana.

No mesmo mês, a Bolívia anunciou a expulsão de médicos cubanos acusados ​​de organizar protestos contra a presidência interina.

Durante um evento da Fundação Comemorativa das Vítimas do Comunismo, em dezembro de 2019, Carrie Filipetti, subsecretária de Estado para Assuntos Cubanos e Venezuelanos, destacou que essas missões médicas são “um mecanismo através do qual o regime cubano viola as normas dos direitos humanos e trabalhistas definidos internacionalmente em detrimento de seu próprio povo, semeando simultaneamente discórdia política e social em todo o mundo”.

Filipetti disse que, de acordo com o testemunho dos médicos cubanos que escaparam, muitos médicos cubanos – muitas vezes sob pressão – se tornam agentes estrangeiros que incitam a violência e se envolveram em coerção política.

Pompeo exortou todos os países a não ignorarem o abuso do regime cubano ao pessoal médico, incluindo a África do Sul, onde foi anunciada a chegada de 217 médicos, e Catar.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas