Pompeo critica os CEOs de tecnologia por sua ‘incrédula’ ignorância do roubo de propriedade intelectual da China

Por Eva Fu

O secretário de Estado Mike Pompeo criticou os CEOs dos gigantes da tecnologia por alegarem perante os legisladores dos EUA que eles não tinham conhecimento em primeira mão do roubo de tecnologia da China, acrescentando que essa ignorância pareceria “incrédula”.

“Eles precisam dizer mais”, disse ele em uma audiência do comitê do Senado em 30 de julho, acrescentando que essas ameaças chinesas são praticadas há décadas. “A ideia de que alguém no ambiente tecnológico talvez não saiba o que o Partido Comunista Chinês está tentando roubar e sobre os ataques cibernéticos que eles estão fazendo parece incrédula para mim”.

“É evidente para quem observa que os chineses estão envolvidos em intensos esforços para roubar propriedade intelectual, incluindo tecnologia”, disse Pompeo.

Durante uma audiência antitruste no Congresso em 29 de julho, os CEOs das principais empresas de tecnologia Apple, Google, Amazon e Facebook deram uma resposta silenciosa quando os parlamentares perguntaram se eles acreditavam que Pequim estava roubando as tecnologias americanas.

“Não conheço casos específicos em que o governo nos roubou”, disse o CEO da Apple, Tim Cook. “Não conheço nenhum caso nosso em que isso tenha ocorrido, ou seja, só posso falar com conhecimento em primeira mão”.

O CEO da Amazon, Jeff Bezos, testemunha perante o Subcomitê Judicial da Câmara dos Deputados dos EUA em Direito Antitruste, Comercial e Administrativo sobre "Plataformas Online e Poder de Mercado" em Capitol Hill, Washington, DC, em 29 de julho de 2020 (GRAEME JENNINGS / POOL / AFP via Getty Images)
O CEO da Amazon, Jeff Bezos, testemunha perante o Subcomitê Judicial da Câmara dos Deputados dos EUA em Direito Antitruste, Comercial e Administrativo sobre “Plataformas Online e Poder de Mercado” em Capitol Hill, Washington, DC, em 29 de julho de 2020 (GRAEME JENNINGS / POOL / AFP via Getty Images)

Sundar Pichai, diretor do Google e sua empresa-mãe, Alphabet, disse da mesma forma que “não tinha conhecimento em primeira mão de nenhuma informação roubada do Google a esse respeito”, mas depois lembrou um ciberataque chinês em larga escala em dezembro de 2009, semanas antes de a empresa se retirar do mercado chinês.

Jeff Bezos, da Amazon, a pessoa mais rica do mundo, disse que “não o viu pessoalmente, mas ouviu muitos relatos sobre isso”.

“Certamente existem produtos imitações, se é isso que eles significam, e existem produtos falsificados e tudo isso”, disse ele quando o deputado Greg Steube (R-Fla.) o pressionou. Mas “se a resposta é que o governo chinês está roubando tecnologia”, disse ele, “é algo que li nos relatórios e com o qual não tenho experiência pessoal”.

Mark Zuckerberg foi o único dos quatro a abordar diretamente o problema. “Acho que está bem documentado que o governo chinês rouba tecnologia de empresas americanas”, disse o CEO do Facebook.

Em uma parte anterior da audiência, dois parlamentares também perguntaram ao Google por que ele decidiu cancelar um contrato de US$ 10 bilhões com o Pentágono para trabalhar em um projeto de inteligência artificial (AI) em 2018, enquanto ainda executava um Pesquisa em IA em uma das principais universidades chinesas de Pequim. A universidade também realiza pesquisas de IA para os militares chineses. Pichai, em resposta, disse que o trabalho do Google na China se limita a “um punhado de pessoas trabalhando em projetos de código aberto”.

Pichai também disse que a acusação de que o Google estava trabalhando com os militares chineses é “absolutamente falsa”, observando que o Google iniciou um projeto de segurança cibernética com o Pentágono em maio.

Os CEOs ficaram em silêncio quando Steube pediu recomendações sobre como proteger as empresas americanas da “agressão e intervenção do governo no exterior”. Depois de esperar 15 segundos e sem ouvir resposta, Steube deu a palavra a outro legislador.

O deputado Greg Steube (R-Fla.) Durante a audiência do Subcomitê Judiciário da Câmara dos Deputados sobre Direito Antitruste, Comercial e Administrativo sobre Plataformas Online e Poder de Mercado no edifício de escritórios da Rayburn House, no Capitólio de Washington, em 29 de julho de 2020 (Graeme Jennings-Pool / Getty Images)
O deputado Greg Steube (R-Fla.) Durante a audiência do Subcomitê Judiciário da Câmara dos Deputados sobre Direito Antitruste, Comercial e Administrativo sobre Plataformas Online e Poder de Mercado no edifício de escritórios da Rayburn House, no Capitólio de Washington, em 29 de julho de 2020 (Graeme Jennings-Pool / Getty Images)

A China, a segunda maior economia do mundo, é a principal base de fabricação dos iPhones da Apple. No entanto, a Amazon desistiu de seu mercado local na China em abril de 2019, depois de anos lutando para competir com as plataformas locais de comércio eletrônico.

E enquanto o país continua sendo o principal mercado de mídia social do mundo, os usuários chineses do continente não podem acessar o Facebook e suas propriedades, WhatsApp e Instagram, por trás do Great Firewall sem um software especial.

Na audiência de 30 de julho, Pompeo observou que Pequim poderia aproveitar o desejo de empresas internacionais de entrar no mercado chinês para censurar o discurso americano.

“Às vezes é o caso, você ouve em particular, porque há ameaças contínuas contra suas empresas que operam não apenas na China, mas também (…) trabalhando em outras partes da Ásia e no Sudeste Asiático”, disse ele. “O Partido Comunista Chinês está completamente pronto para intimidar e ameaçar essas empresas para se comportarem”.

A Apple foi criticada por remover milhares de aplicativos de sua loja de aplicativos chinesa, a pedido do regime chinês. Em um caso recente, em outubro de 2019, ele removeu um aplicativo que oferecia atualizações em tempo real do movimento de protesto de Hong Kong. Na mesma época, a empresa também foi criticada por enviar dados de navegação na Web de usuários de iPhone e iPad para a gigante de mídia social Tencent, com sede em Shenzhen.

Gary Bauer, membro da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, já havia solicitado às empresas americanas que não forneçam tecnologias ao regime chinês e contribuam potencialmente para seus abusos dos direitos humanos.

“As empresas de tecnologia devem lembrar que são empresas de tecnologia americanas. E elas devem ser sensíveis aos valores que defendemos”, afirmou Bauer em uma entrevista recente.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas