Pompeo apela para coalizão global no intuito de combater regime chinês

"A exportação deste desastre pelo PCC para promover seus próprios interesses tem sido vergonhosa"

Por Alexander Zhang

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que está em Londres para uma visita de dois dias, pediu a todos os países democráticos do mundo que construam uma “coalizão” para afastar a ameaça do Partido Comunista Chinês (PCC).

Pompeo conversou com o primeiro-ministro Boris Johnson e o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab sobre várias questões relacionadas à China, incluindo a lei de segurança nacional de Hong Kong, a gigante chinesa de telecomunicações apoiada pelo Estado, Huawei, e a pandemia global causada pelo vírus do PCC, também conhecido como o novo coronavírus.

Numa conferência de imprensa conjunta com Raab, Pompeo começou expressando suas condolências ao povo britânico pelas perdas causadas pelo que ele chamou de “pandemia evitável”.

“A exportação deste desastre pelo PCC para promover seus próprios interesses tem sido vergonhosa”, disse ele. “Em vez de ajudar o mundo, o secretário-geral Xi mostrou ao mundo a verdadeira face do partido”.

O Secretário de Estado dos Estados Unidos Mike Pompeo (I) e o Secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha Dominic Raab participam de uma conferência de imprensa conjunta na Lancaster House, Londres, em 21 de julho de 2020 (Peter Summers - WPA Pool / Getty Images)
O Secretário de Estado dos Estados Unidos Mike Pompeo (I) e o Secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha Dominic Raab participam de uma conferência de imprensa conjunta na Lancaster House, Londres, em 21 de julho de 2020 (Peter Summers – WPA Pool / Getty Images)

Pompeo parabenizou a Grã-Bretanha por suas “respostas exemplares” aos desafios impostos pelo regime chinês, como a lei de segurança nacional de Hong Kong, e elogiou sua decisão de remover os equipamentos Huawei de sua rede 5G.

Johnson anunciou em 14 de julho que o Reino Unido proibiria a Huawei de continuar participando da infraestrutura de telecomunicações do Reino Unido no final de 2020 e retiraria os equipamentos Huawei existentes da rede 5G do país até 2027.

Pompeo também criticou o regime chinês por seu comportamento ameaçador no Mar da China Meridional e na fronteira sino-indiana, bem como por sua infiltração em organizações internacionais.

“Você não pode fazer reivindicações em regiões marítimas às quais você não tem direito legal. Não pode ameaçar e intimidar países no Himalaia. Não pode encobrir e cooptar instituições internacionais como a Organização Mundial da Saúde “, afirmou Pompeo.

 

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (I), se reúne com o primeiro-ministro da Grã-Bretanha Boris Johnson na Downing Street, em Londres, em 21 de julho de 2020. (Hannah McKay / WPA Pool / Getty Images)

Os Estados Unidos querem que todas as nações que valorizam a liberdade e a democracia “entendam essa ameaça que o Partido Comunista Chinês lhes representa” e “trabalhem juntas para rejeitar os esforços do Partido Comunista Chinês”, afirmou.

“Espero que possamos construir uma coalizão que entenda essa ameaça e trabalhe coletivamente para convencer o Partido Comunista Chinês de que não é do seu interesse interessar-se nesse tipo de comportamento”.

Por sua parte, o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse que o Reino Unido quer trabalhar com os Estados Unidos e outros parceiros internacionais “para proteger nossas liberdades e interesses e, como mostramos em Hong Kong, defender nossos valores”.

“Em toda a gama de desafios internacionais, que são muitos, reconhecemos que somos sempre muito mais fortes e sempre mais eficazes quando trabalhamos juntos. E é isso que continuaremos a fazer nas próximas semanas e meses ”, afirmou.

Um homem está sendo detido e revistado durante uma manifestação em frente a um shopping center em 21 de julho de 2020 em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)
Um homem está sendo detido e revistado durante uma manifestação em frente a um shopping center em 21 de julho de 2020 em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)

O Reino Unido anunciou que expandirá os direitos de imigração para cerca de 3 milhões de residentes de Hong Kong que têm status britânico (no exterior) depois que o regime chinês impôs uma lei draconiana de segurança nacional em Hong Kong em 30 de junho.

A lei, que de acordo com a Grã-Bretanha constitui uma “violação clara e séria” da Declaração Conjunta Sino-Britânica, criminaliza as pessoas por qualquer ato de subversão, secessão e conluio com forças estrangeiras contra o regime do PCC, com uma pena máxima de prisão perpétua.

Raab disse ontem que o Reino Unido também está suspendendo seu tratado de extradição com Hong Kong e expandindo seu embargo de armas da China continental para a ex-colônia britânica.

Pompeo também se encontrará com o ativista democrático de Hong Kong Nathan Law, que escapou para Londres depois que a lei de segurança foi imposta, e com o último governador britânico de Hong Kong, Chris Patten.

Pompeo visitará a Dinamarca em 22 de julho. Ele se encontrará com o primeiro-ministro dinamarquês Mette Frederiksen para discutir a pandemia, a China e outros assuntos.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas