“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país

Partido é líder em pesquisas de opinião e deve ganhar um novo mandato de quatro anos

Por Bruna de Pieri, Terça Livre

A Polônia deve resistir ao “teatro viajante” das marchas do orgulho gay, disse neste domingo (18) o líder do partido conservador no governo do país, Jaroslaw Kaczynski.

O país se prepara para a eleição parlamentar que ocorre em 13 de outubro e o partido Law and Justice (PiS), atualmente no poder, descreve os movimentos LGBT como uma perigosa ideia ocidental, que ameaça os valores católicos tradicionais.

“A ofensiva dura, este teatro viajante que está aparecendo em diferentes cidades para provocar e depois chorar… nós somos os prejudicados. Por isso, deve ser desmascarado e descartado”, disse Kaczynski em uma campanha do partido, um piquenique na cidade de Stalowa Wola.

Kaczynski também agradeceu um arcebispo polonês que disse, ainda neste mês, que a Polônia estava cercada pela “praga do arco-íris” de ativistas LGBT, que ele comparou aos antigos governantes comunistas da Polônia. “Apenas o PiS pode defender a Igreja Católica e evitar ameaças à família tradicional vindas do Ocidente”, disse ele.

“(Nós devemos) viver em liberdade e não estarmos sujeitos a tudo o que está acontecendo a oeste de nossas fronteiras, onde a liberdade está sendo eliminada”, acrescentou Kaczynski.

Para os “analistas” políticos, a crítica do PiS aos movimentos LGBT pode ser uma “estratégia” para mobilizar uma base conservadora para a próxima eleição. Vale ressaltar que o partido é líder em pesquisas de opinião e deve ganhar um novo mandato de quatro anos.

Com informações da Agência Reuters

 
Matérias Relacionadas