Político europeu condena suspeita de pressão chinesa para cancelar apresentação do Shen Yun na Espanha

Político europeu condena suspeita de pressão chinesa para cancelar apresentação do Shen Yun na Espanha
2019/01/25

Por Janita Kan

Um político europeu denunciou os recentes cancelamentos de apresentações de dança e música tradicionais chinesas na Espanha, que parecem ser resultado da pressão da embaixada chinesa, considerado por ele uma forma de “chantagem”.

O Shen Yun, sediado em Nova York – cuja missão é reviver 5 mil anos de civilização chinesa por meio da música e da dança, segundo seu site – reservou o Royal Theatre em Madri para sua apresentação em 31 de janeiro e 2 de fevereiro.

Mas apenas algumas semanas antes das apresentações programadas, o diretor do teatro informou ao Puro Arte Humano – o apresentador sem fins lucrativos do Shen Yun na Espanha – que os shows tiveram que ser cancelados devido a dificuldades técnicas. O Royal Theatre confirmou a justificativa em uma declaração por e-mail ao Epoch Times.

Daniel Herman, ex-ministro da Cultura da República Tcheca, disse que o Royal Theatre, uma das principais casas de ópera da cidade, deveria ter rejeitado a pressão da embaixada chinesa, já que “não seria aceitável ser como uma província de Pequim”.

“É necessário ser forte e não aceitar isso [pressão]”, disse Herman, que serviu como Ministro da Cultura entre 2014 e 2017.

O diretor do Royal Theatre argumentou que outro programa, Das Rheingold Opera, que estava se apresentando no dia antes e depois do Shen Yun, teria dificuldades em desmontar seus cenários para acomodar as apresentações do Shen Yun, segundo o Puro Arte Humano. Os gerentes técnicos de teatro não mencionaram isso como uma questão na época em que o contrato com a Puro Arte Humano foi assinado.

Além disso, o Puro Arte Humano disse que o teatro não parece ter o mesmo problema com outros shows que acontecem em torno das datas de ópera de Das Rheingold, alegando que o teatro estava apenas mirando no Shen Yun.

Sandra Flores Gomez, vice-presidente da Puro Arte Humano, disse que a razão declarada do teatro para cancelar o show não foi convincente e eles suspeitam que a verdadeira razão foi devido à pressão do Partido Comunista Chinês (PCC) – baseada em experiências anteriores com o consulado chinês, que interferiu nas apresentações do Shen Yun em Barcelona em 2014.

Além disso, a China recentemente tentou forjar laços mais profundos com o teatro.

O teatro assinou um contrato em maio de 2018 com o Centro Nacional de Artes Cênicas em Pequim – um local presidido por representantes do Partido comunista – para participar da troca de produções e co-produções de ambos os cinemas, de acordo com um comunicado de imprensa.

E em 2016, o teatro de Madri anunciou que assinou um acordo com o regime chinês para participar de um projeto chamado “Liga Internacional de Teatros da Rota da Seda”, para promover “o intercâmbio artístico no campo das artes cênicas”. Faz parte do projeto principal da China para aumentar a influência geopolítica em todo o mundo, a iniciativa Um Cinturão, Um Caminho, de acordo com um relatório do jornal estatal China Daily.

Além disso, o embaixador chinês na Espanha é atualmente membro do “Círculo Diplomático” do Royal Theatre, um grupo de diplomatas que promovem o apelo internacional do teatro, de acordo com o site do teatro.

O Epoch Times informou recentemente que o gerente geral do teatro estava em uma viagem à China em 14 e 15 de janeiro deste ano, segundo fontes.

Pressão do PCC não é incomum

Herman disse ter experimentado a pressão do PCC várias vezes quando foi ministro cultural de seu país, inclusive quando o líder religioso tibetano Dalai Lama foi convidado para a República Tcheca em 2016 e quando o Shen Yun se apresentou em Praga em 2014. Ele disse que A embaixada chinesa entrou em contato com o chefe do National Theatre, em Praga, na tentativa de impedir as apresentações do Shen Yun, mas acabou sendo malsucedida.

O ex-ministro da Cultura disse acreditar que o regime chinês não quer permitir que o Shen Yun atue, porque a missão do programa de trazer de volta a cultura divinamente inspirada da China não se alinha com sua ideologia ateísta. Ele acrescentou que os temas atuais de algumas peças na performance, que retratam os abusos dos direitos humanos na vida real na China como a perseguição ao Falun Gong, também desagradam o regime.

“O regime na China é um regime totalitário típico. Eles querem supervisionar ou controlar todas as vidas dessa sociedade ”, disse Herman. “Para eles, é perigoso – tudo o que está fora do quadro desse controle.”

Mas Herman disse que a Espanha é um Estado membro da União Europeia como a República Tcheca e não deveria permitir que o regime comunista ditasse “o que é bom e o que não é bom” para o país europeu.

“Somos seres humanos livres, pessoas livres, membros de um Estado democrático e sabemos melhor do que os comunistas em Pequim o que é bom para nós”, disse ele.

Desde a sua criação em 2006, o Shen Yun enfrentou desafios devido à interferência chinesa em todo o mundo. Alguns desses países incluem Holanda, Dinamarca, Coréia do Sul, Austrália e Estados Unidos. Em muitos casos, o PCC tentou pressionar os teatros a não arrendar seu espaço para a companhia de artes performáticas ou pressioná-los a cancelar seus shows. O regime comunista chegou mesmo a coagir os funcionários do governo a não comparecer às apresentações e não expressar apoio público para a companhia.

A companhia sediada em Nova York foi fundada por adeptos da prática espiritual do Falun Gong, que são severamente perseguidos na China continental. O então líder do PCC em 1999, Jiang Zemin, acreditava que a imensa popularidade do Falun Gong – mais de 100 milhões de adeptos, de acordo com estimativas citadas nos meios de comunicação ocidentais – era um ameaça a autoridade do PCC. Ele então iniciou uma campanha nacional para perseguir, prender, difamar e assassinar os praticantes do Falun Gong.

O PCC também espalhou estrategicamente a propaganda contra o Falun Gong no país e para além de suas fronteiras – através de mídia chinesa pró-Pequim ou afiliada ao Partido, e grupos de fachada incorporados em comunidades chinesas no exterior.

Alguns desses grupos da frente se reuniam em teatros ao redor do mundo onde o Shen Yun está se apresentando para segurar cartazes com slogans de propaganda e discurso de ódio com o objetivo de perturbar os frequentadores do teatro. O exemplo mais recente disso foi no Lincoln Center, em Nova York.

O Shen Yun se apresentou em mais de 100 cidades ao redor do mundo, vendendo shows em Nova York, Barcelona e outras grandes cidades.

Herman disse que é importante apoiar grupos perseguidos como o Falun Gong, cristãos e os tibetanos.

“Temos que apoiar essas pessoas perseguidas e temos que abrir discussões com parceiros chineses, mesmo nessa plataforma. Temos que lhes dizer que não é aceitável para nós que você faça coisas tão cruéis e perversas ”, disse ele.

 

Siga Janita no Twitter: @ EMG_Janita