Polícia e mídia podem ter superado o número de manifestantes no ‘Justiça para J6’ no Capitólio

Por Jack Phillips

Policiais e membros da mídia pareceram superar os manifestantes durante o comício “Justiça para J6” em Washington, 18 de setembro, em apoio aos que foram detidos pelo governo federal por seus supostos papéis na violação de 6 de janeiro Capitólio dos EUA.

Apenas algumas centenas de pessoas compareceram ao evento, de acordo com vídeos e fotos. A Polícia do Capitólio dos EUA confirmou aos meios de comunicação que entre 400 e 500 pessoas compareceram.

Os manifestantes se viram no meio de vários policiais vestidos com equipamento anti-motim, junto com policiais à paisana e policiais em bicicletas e cavalos.

Várias prisões foram feitas pela Polícia do Capitólio dos EUA, disse a agência em um post no Twitter, incluindo uma depois que alguém avistou “o que parecia ser uma arma apontada para um homem no meio da multidão”. Policiais do Capitólio detiveram o suspeito, embora não esteja “claro por que o homem estava na manifestação”.

Dois indivíduos em um veículo com placa da Louisiana foram presos em 18 de setembro com mandados de extradição para fora do Texas, disse a Polícia do Capitólio. Um indivíduo foi acusado de porte de arma de fogo e o outro foi acusado de violação de liberdade condicional.

Epoch Times Photo
Polícia com equipamento antimotim fornece segurança enquanto os manifestantes se reúnem para o comício “Justice for J6” em Washington em 18 de setembro de 2021. (Roberto Schmidt / AFP via Getty Images)

Apesar da baixa participação no pro-Jan. 6 rally, “Justice for J6” atraiu uma cobertura significativa da mídia e envolvimento da mídia social. Enquanto alguns meios de comunicação em 19 de setembro clamavam que o pequeno número de participantes era um sinal de que a influência do ex-presidente Donald Trump está diminuindo, Trump sugeriu na semana passada que as pessoas não deveriam comparecer ao evento.

“No sábado, isso é uma armadilha”, disse Trump ao Federalista, parecendo evitar as alegações de que sua influência política está diminuindo. “Se as pessoas não comparecerem, dirão:‘ Oh, é falta de espírito ’. E se as pessoas aparecerem, serão assediadas.”

Trump, em 17 de setembro, disse acreditar que os indivíduos que estão sendo detidos ou processados por participar do protesto e violação de 6 de janeiro estão “sendo perseguidos” pelo governo federal.

“Além de tudo o mais, ele provou conclusivamente que somos um sistema de justiça de duas camadas”, escreveu Trump em um comunicado. “No final, porém, JUSTIÇA SE PREVALECERÁ!”

Nos últimos meses, surgiram preocupações sobre várias dezenas de indivíduos que foram presos e, em seguida, detidos em uma prisão federal em Washington por seu suposto papel no incidente de 6 de janeiro.

Os advogados e familiares de alguns dos réus disseram à EpochTV, em julho, que alguns detidos estão sendo submetidos a confinamento solitário 23 horas por dia, estão sendo negados cuidados médicos e estão sendo impedidos de acessar seus advogados de defesa.

As condições que eles enfrentaram, entretanto, alarmaram alguns legisladores democratas, incluindo a senadora Elizabeth Warren (D-Mass.) E Whip Dick Durbin (D-Ill.) no Senado.

“O confinamento solitário é uma forma de punição cruel e psicologicamente prejudicial”, disse Warren em uma entrevista publicada em abril. “E estamos falando de pessoas que ainda não foram condenadas por nada.”

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas