Polícia de Londres testa câmaras de reconhecimento facial

Polícia Metropolitana escaneou os rostos dos consumidores nos bairros do centro de Londres, Soho, Piccadilly Circus e Leicester Square nos dias 17 e 18 de dezembro

Por John Smithies, Epoch Times

LONDRES – A tecnologia de reconhecimento facial semelhante à usada em países autoritários como a China está sendo experimentada pela polícia nas ruas de Londres.

A Polícia Metropolitana escaneou os rostos dos consumidores no Natal em bairros do centro de Londres, Soho, Piccadilly Circus e Leicester Square nos dias 17 e 18 de dezembro.

A polícia diz que está usando a tecnologia para localizar pessoas procuradas pela polícia ou pelos tribunais, com um “foco específico no combate à violência”.

Uma van com câmeras de reconhecimento facial montadas em Leicester Square, Londres, em 18 de dezembro de 2018  (Jane Gray / The Epoch Times)

Eles foram enfáticos na determinação de que as pessoas que recusarem serem examinadas não serão consideradas suspeitas e que a polícia distribuiria folhetos informativos durante 8 horas por dia.

Mas o grupo de campanha de privacidade Big Brother Watch descreveu o uso da tecnologia pela Met como “autoritário, perigoso e ilegal”.

Eles disseram que novas informações obtidas usando solicitações de Liberdade de Informação mostram que a tecnologia de reconhecimento facial empregada pela polícia é 100% imprecisa, identificando erroneamente membros inocentes da população.

As câmeras conseguem escanear os rostos de todos na multidão a uma velocidade de 300 rostos por segundo, comparando-as com o banco de dados de 21 milhões de fotos da polícia.

“O reconhecimento facial ao vivo é uma forma de vigilância em massa que, se permitido sua continuidade, transformará as pessoas em cartões de identificação ambulantes”, disse Silkie Carlo, diretor do Big Brother Watch, em um comunicado.

Um sinal informando ao público que eles serão escaneados por câmeras de reconhecimento facial é visto em Leicester Square, Londres, em 18 de dezembro de 2018  (Jane Gray / The Epoch Times)

Apesar das garantias da polícia, apenas uma pequena placa indicando que o escaneamento estava ativo era visível na frente da van que tinha as câmeras montadas nela.

“A polícia está sendo intencionalmente vaga sobre como eles estão usando essa tecnologia e sobre a base de dados com os quais eles estão comparando as pessoas”, disse Hannah Couchman, diretora de Advocacia e Política da Liberty.

A polícia local foi orientada a intervir se alguém fosse visto com o rosto coberto ou se recusasse a participar do teste.

A Polícia Metropolitana usou câmeras de reconhecimento facial para identificar possíveis desordeiros no Carnaval de Notting Hill, e a polícia no País de Gales também as usou em eventos esportivos.

(Ian Waldie/Getty Images)

A polícia de Manchester, no noroeste do Reino Unido, suspendeu recentemente um teste secreto de reconhecimento facial de seis meses em um shopping center, depois que o comissário de câmeras de vigilância levantou algumas preocupações.

“A polícia estava interessada em uma ferramenta que poderia ajudar a identificar pessoas desaparecidas e pessoas procuradas por crimes”, disse Tony Porter em uma reportagem de outubro. “No entanto, em comparação com o tamanho e a escala do processamento de todas as pessoas que passam por uma câmera, o grupo que elas esperam identificar é minúsculo.”

Os problemas de falso-positivos ou identificar erroneamente pessoas inocentes – foram destacados no final de novembro na China, um país que adotou a tecnologia com pouco ou nenhum debate público sobre os perigos potenciais.

Na província de Zhejiang, sul de Xangai, uma empresária de destaque foi publicamente envergonhada por atravessar a rua sem respeitar as leis de trânsito, apesar de não estar fisicamente na área. As câmeras capturaram seu rosto em um anúncio ao lado de um ônibus que passava.

Embora seja um exemplo leve de como o reconhecimento facial pode dar errado, a realidade assustadora para os cidadãos chineses é que existem 170 milhões de câmeras de CCTV – muitas capazes de reconhecimento facial – com outros 400 milhões chegando nos próximos três anos.

Com o regime comunista chinês exigindo que todos tenham um cartão de identificação com foto, os sistemas de câmeras podem rastrear os movimentos de uma única pessoa por toda a semana que se passou, incluindo todas as pessoas que interagiram com ela e os veículos que dirigiram, para construir uma imagem altamente detalhada de suas vidas.

Uma tela mostra os visitantes sendo filmados por câmeras de segurança de inteligência artificial com tecnologia de reconhecimento facial em Pequim, em 24 de outubro de 2018. (Nicolas Asfouri / AFP / Getty Images)

O problema no Reino Unido, como na China, é que a tecnologia está avançando sem supervisão regulatória.

No final de setembro, o The Royal United Services Institute (RUSI) pediu “orientações e códigos de conduta claros” como uma “questão de urgência”, enquanto as forças policiais testam a tecnologia de reconhecimento facial.

A comissária de informação Elizabeth Denham disse que estava “profundamente preocupada” com a falta de coordenação na avaliação dos riscos de privacidade do reconhecimento facial.

“É uma mudança real na forma como as pessoas cumpridoras da lei são monitoradas enquanto lidam com o seu dia-a-dia”, escreveu ela em um artigo de maio. “Há uma falta de transparência sobre seu uso e é um risco real de que os benefícios de segurança pública derivados do uso da tecnologia de reconhecimento facial não sejam obtidos, caso a confiança do público não for garantida e levada em consideração.”

A repórter do Epoch Times, Jane Gray, contribuiu para este artigo.

 
Matérias Relacionadas