Polícia de Hong Kong dispara gás lacrimogêneo na estação de metrô, enquanto protestos continuam

Por Nicole Hao

Hong Kong foi abalada por manifestações em massa e confrontos entre manifestantes e policiais em 11 de agosto, quando os manifestantes mudaram de tática para evitar encontros com a polícia, no 10º fim de semana consecutivo de protestos.

Os manifestantes adotaram recentemente uma estratégia de recuar quando pressionados pela polícia, apenas para reemergir em massa em outro local.

A polícia, em resposta, disparou gás lacrimogêneo e atacou os manifestantes em vários locais, desde avenidas de compras a ruas cheias de bares, e também disparou gás lacrimogêneo dentro de uma estação de trem. Eles acusaram os manifestantes de atirar bombas de gasolina.

Os protestos, que começaram há mais de dois meses em oposição a um projeto de lei que permite a extradição para o continente, lançaram a cidade em sua mais séria crise em décadas, enquanto seus moradores se irritam com a crescente invasão de Pequim.

Milhares de manifestantes participaram de uma manifestação pacífica no Victoria Park durante a tarde, enquanto outros manifestantes se reuniram nas ruas de diferentes comunidades para buscar uma retirada total do projeto.

Mickey, 16, disse que muitos de seus colegas escolheram sacrificar seu tempo de estudo pelo “sonho” do futuro de Hong Kong, apesar de não saber se isso levaria a algum lugar.

“Vimos que muitas pessoas que tiveram a coragem de se levantar estão perdendo seus direitos”, disse ela à agência de Hong Kong do Epoch Times no comício em Victoria Park.

“O governo nos chamou de“ desordeiros ”do ensino médio, mas estamos simplesmente indo às ruas para exercer nossos direitos, e a polícia apenas dispersa as pessoas com armas.

“A história vai provar que o que fizemos está certo.”

No Aeroporto Internacional de Hong Kong, os manifestantes continuaram com um pacífico protesto no saguão de desembarque em um terceiro e último dia.

Uma mulher sofreu uma lesão facial durante um impasse entre manifestantes e policiais em Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 11 de agosto de 2019, na mais recente oposição a uma lei de extradição planejada que rapidamente se transformou em um movimento mais amplo de reformas democráticas (ANTHONY WALLACE / AFP / Getty Images)

À noite, a polícia disparou gás lacrimogêneo na área turística de Tsim Sha Tsui, no distrito de Kowloon, e no distrito de Wanchai, conhecido por seus bares e vida noturna. A polícia disse mais tarde que um oficial em Tsim Sha Tsui, sofreu queimaduras na perna por causa de uma bomba de gasolina.

De acordo com autoridades do hospital, 13 pessoas ficaram feridas e foram levadas ao hospital em 11 de agosto, sendo que havia duas pessoas em estado grave, informou a mídia local.

Uma manifestante em Tsim Sha Tsui, informou à imprensa local, que foi baleada no olho direito com bala de borracha, que penetrou através de seus óculos de proteção.

A polícia de choque também enviou gás lacrimogêneo e balas de borracha dentro da estação de metrô Kwai Fong. Imagens de vídeo mostram policiais disparando balas de borracha a curta distância e espancando manifestantes com cassetetes.

O Observatório de Direitos Civis, sem fins lucrativos, de Hong Kong, condenou o uso de bombas de gás lacrimogêneo pela polícia dentro da estação ferroviária.

“Acreditamos que a prática não foi apenas um uso impróprio e excessivo da força, mas também ameaçou a segurança pessoal de manifestantes e outros cidadãos”, disse o Observatório de Direitos Civis em um post no Facebook. “De acordo com as diretrizes de segurança do órgão, o gás lacrimogêneo só pode ser usado ao ar livre ou em uma área bem ventilada”.

Chamada britânica

No início da semana, o secretário de Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, telefonou para a diretora-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, para relatar preocupações sobre os protestos em curso na antiga colônia britânica.

Raab condenou “atos violentos de todos os lados, mas enfatizou o direito ao protesto pacífico”, e “enfatizou que a violência não deve obscurecer as ações legais da maioria”, disse o gabinete do exterior do Reino Unido em um comunicado.

Ele sugeriu que Lam se envolvesse em um “diálogo político significativo” e lançasse “uma investigação totalmente independente sobre os eventos recentes como forma de criar confiança”.

A ligação de Raab provocou a ira do regime chinês.

“O Reino Unido não tem soberania, jurisdição ou direito de supervisão sobre Hong Kong.” Disse Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, em uma entrevista coletiva em 10 de agosto.

“É um erro que o governo britânico tenha ligado para o presidente-executivo de Hong Kong diretamente para exercer pressão”, disse ela.

Enquanto isso, a companhia aérea nacional,  Cathay Pacific Airways, anunciou em 10 de agosto a suspensão de um piloto por “tumultos” e demitiu dois funcionários de solo por vazarem informações de viagem para um time de futebol da polícia de Hong Kong que deveria voar para a China.

A autoridade de aviação da China havia exigido anteriormente que a companhia suspendesse os funcionários envolvidos nos protestos.

 
Matérias Relacionadas