Pianista clássica brilha num concerto em Portland

PORTLAND, Oregon – A pianista clássica mais popular na web se apresentou ao vivo e encantou a plateia no Teatro Newmark com uma performance virtuosa que durou três horas, dia 2 de dezembro.

Este foi um ano frutífero para a pianista. Nascida na Ucrânia, classicamente treinada, Valentina Lisitsa é aclamada por muitos como uma “sensação do YouTube”.

Suas gravações de músicas clássicas no YouTube atingiram quase 50 milhões de espectadores cujos votos influenciaram a ordem das músicas do concerto de Lisitsa no Royal Albert Hall em Londres. Ela foi chamada de “Justin Bieber da música clássica” pela BBC.

Lisitsa fez uma apresentação solo no Royal Albert Hall neste verão, um dos locais de apresentações clássicas mais famosos do mundo. Este privilégio foi concedido a pouquíssimos pianistas clássicos ao longo do século passado.

Lisitsa recebeu ótimas críticas desde sua estreia americana no Lincoln Center, em 1995. De acordo com o site Music Web International, Valentina Lisitsa “combina uma velocidade imperiosa com um equilíbrio aristocrático e sensibilidade”.

Na primeira parte de seu recital em Portland, Valentina tocou composições das eras clássica e romântica de Mozart, Beethoven e Schubert.

Foi uma apresentação impecável e cativante de quatro peças de transcrições de Liszt das canções de Schubert que realmente se destacou.

As mãos de Lisitsa mal pareciam tocar as teclas enquanto voavam pelo teclado com uma velocidade incompreensível. Seu lirismo fascinante e notável visão musical encantaram e levaram às lágrimas muitos amantes de piano no teatro lotado.

Depois de um intervalo, Lisitsa tocou duas sonatas bem exigentes em escalas maiores de compositores russos da época da guerra, Dmitri Shostakovich (Sonata Nº. 2 em Si menor, Op. 61) e Sergei Prokofiev (Sonata para piano Nº 7 em Si bemol maior, Op. 83). Ambas as sonatas foram escritas durante a Segunda Guerra Mundial, quando a União Soviética e a Alemanha nazista (1941-1945) estavam lutando.

Lisitsa não só cativou o público com seu virtuosismo impressionante, como também sua interpretação da Sonata de Shostakovich foi muito comovente.

Você podia sentir a música que escoava das profundezas da alma vulnerável e sofrida de Shostakovich, especialmente nos movimentos lentos e hipnotizantes. O grande compositor encontrou coragem para viver através da brutalidade da guerra.

Fica claro que Lisitsa entendeu o compositor, através dos comentários que acompanham sua apresentação no Youtube desta peça.

A Sonata Nº. 2 foi criada durante o cerco à Leningrado, como Lisitsa chamou: “um dos episódios mais escuros e mortais da história da civilização europeia. Shostakovich desceu a um verdadeiro inferno, nele viveu e saiu vivo para contar a história, para dar um testemunho sobre o inferno na terra”.

A última peça do programa foi a sétima Sonata de Prokofiev para piano, que na interpretação de Lisitsa provocou uma atmosfera de tragédia de guerra, medo e desespero. Ela foi interpretada com um sentimento profundo e hipnotizante.

A brilhante tocata no terceiro movimento foi apresentada com um grande senso de ritmo e tanta maestria que o público, emocionado, aplaudiu de pé a pianista.

Lisitsa respondeu com quatro bis, incluindo o “Noturno” de Chopin, “La Campanella” de Liszt, e Prelúdio de Rachmaninoff.

Em uma entrevista ao jornal The Telegraph, Lisitsa disse: “Eu não sou nada além de um canal… o compositor cria músicas. Nós somos artistas. Estamos apenas passando-as adiante”.

Isso não é tão verdade no caso de Lisitsa. Como seu compositor favorito, Rachmaninoff, disse uma vez, “é da intensidade e extensão da imaginação do artista que o sucesso e a vitalidade de sua interpretação dependem imensamente”.

Enquanto estava apreciando o desempenho exuberante de Lisitsa, pensei em outras palavras de Rachmaninoff. Ele comentou sobre as famosas interpretações de Horowitz no piano: “Ele engoliu por inteiro… ele teve a coragem, a intensidade, a ousadia”.

Esta frase descreve perfeitamente o talento fenomenal de Lisitsa: uma rara combinação de espontaneidade, encanto, grande visão musical, e um piano soberbo.

Epoch Times publica em 35 países em 19 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas