Peticionários descendem sobre Pequim pelo aniversário do Massacre da Praça da Paz Celestial em 4 de junho

Uma peticionária exibe uma camisa com dizeres de protesto; milhares de peticionários estão se reunindo em Pequim desde a sexta-feira 31 de maio, enquanto o aniversário do 4 de junho se aproxima (NTDTV)

Enquanto o 4 de junho deste ano – o 24º aniversário do Massacre da Praça da Paz Celestial – se aproxima, peticionários canalizaram-se em Pequim desde a sexta-feira passada, apenas para serem recebidos pela polícia, que rapidamente os enfiou em ônibus previamente preparados e, em seguida, enviou-os para as notórias prisões negras.

O Boxun, um website dissidente, estimou o número de peticionários presentes em 10 mil, mas o número exato é impossível de confirmar. Peticionários viajam regularmente de toda a China para a capital para manifestarem suas queixas contra as autoridades locais e centrais. Problemas comuns reclamados incluem expropriação forçada de terras, julgamentos injustos em tribunais locais e corrupção generalizada.

De acordo com as estimativas de duas testemunhas em 31 de maio, cerca de mil peticionários, pelo menos metade deles de Shanghai, foram empacotados em ônibus e levados, alguns deles foram colocados em prisões negras – instalações ilegais e às vezes violentas, mas conhecidas e numerosas, que se destinam a deter peticionários até que sejam reencaminhados a seus locais de origem.

Milhares de peticionários estariam se reunindo em Pequim desde a sexta-feira 31 de maio para o aniversário do 4 de junho. As autoridades colocaram muitos peticionários em ônibus e despacharam-nos para as notórias prisões negras (NTDTV)

Dois fatores estimulam esse grande número de pessoas, segundo especialistas no assunto falando com os Vigilantes dos Direitos Civis e da Subsistência, um website que acompanha atentamente os peticionários na China: a última sexta-feira de cada mês passou a ser tratada como um dia de petições e o iminente aniversário do massacre de 4 de junho levou mais pessoas às ruas.

O Diário Oriental, uma publicação de Hong Kong, disse que havia mais de 20 ônibus estacionados nas proximidades da Secretaria de Cartas e Apelações à espera dos peticionários. Pelo menos duas pessoas foram brutalmente espancadas pela polícia na cena, informou o Diário.

Kong Lingzhen, um peticionário de Shanghai, disse à NTDTV que havia cerca de mil peticionários de Shanghai no local em 31 de maio. “A polícia na Secretaria de Cartas de Apelações nos prendeu e colocou num ônibus para Jiujingzhuang”, uma grande prisão negra em Pequim.

Hu Jianguo, outro peticionário, disse que cerca de 500 pessoas foram empacotadas em ônibus e levadas para outra prisão negra.

A Rádio Som da Esperança disse que muitos peticionários informaram estar sendo ameaçados pela polícia para não viajarem a Pequim na próxima semana devido à proximidade do aniversário de 4 de junho, uma data considerada de grande sensibilidade política pelos líderes do Partido Comunista Chinês (PCC).

Tang Jingling, um advogado de direitos civis de Guangdong, disse ao Epoch Times numa entrevista que o PCC está atualmente em estado de “lei marcial” antes do aniversário do 4 de junho e que suas forças de segurança estão em alerta máximo.

Como parte dos preparativos para o aniversário do massacre, as autoridades também efetuaram uma “limpeza na internet” de grande alcance, fechando mais de 800 websites que teriam “conteúdo obsceno”. A limpeza durará até o final de junho; ativistas suspeitam que websites politicamente indesejáveis sejam os alvos principais da campanha.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas