Pesquisa: m​aioria dos americanos se opõe a atletas transgêneros em esportes femininos

Apenas três em cada dez adultos acreditam que transgêneros deveriam poder competir em esportes femininos

Por Rita Li 

Apenas cerca de três em cada dez adultos americanos acreditam que transgêneros deveriam ser autorizados a competir em esportes femininos nos níveis profissional, universitário, colegial ou juvenil, segundo uma nova pesquisa do Washington Post junto com a Universidade de Maryland.

Os resultados divulgados em 14 de junho mostram que 68% dos americanos temem que transgêneros “tenham uma vantagem competitiva” sobre as mulheres biológicas. Quase 60% se opuseram à participação de transgêneros em esportes femininos universitários e profissionais. Nas escolas de ensino médio, 55% se opuseram à participação de transgêneros em esportes femininos, em comparação com 30% que apoiavam a participação.

A divisão diminuiu quando se tratava de esportes juvenis, com cerca de um terço dizendo que transgêneros deveriam poder competir, contra 49% contra tal opinião, citando vantagens físicas biológicas.

Sobre se eles estavam preocupados que não permitir que jovens transgêneros competissem em seu esporte preferido lançaria uma sombra sobre a “saúde mental de meninas transgêneros”, uma pequena maioria – 52% – disse estar “muito” ou “um pouco” preocupada, enquanto o resto disse que “não estava muito” ou “nada” preocupada.

A pesquisa, realizada de 4 a 17 de maio com 1.503 adultos em todo o país, teve uma margem de erro de mais ou menos 3 pontos percentuais.

O lançamento ocorre uma semana depois que a Louisiana se tornou o 18º estado a aprovar a proibição de transgêneros competirem em esportes femininos, o que exigirá que escolas e universidades “designem equipes atléticas intercolegiais e interescolares de acordo com o sexo biológico dos membros da equipe” registrados no nascimento.

Estados como Arizona, Kentucky, Indiana, Iowa, Kansas, Louisiana, Oklahoma, Dakota do Sul, Carolina do Sul, Tennessee e Utah, aprovaram leis semelhantes este ano, proibindo atletas transgêneros de competir em esportes escolares que não se alinhem com suas características biológicas. Os proponentes afirmaram que a vantagem física das mulheres transgêneros foi injustamente além da das atletas biologicamente femininas, dadas as características de gênero, como a produção de testosterona.

O debate em torno de esportistas transgêneros que competem em eventos femininos devido a vantagens biológicas novamente veio à tona nos últimos meses, quando a nadadora da Universidade da Pensilvânia, Lia Thomas, se tornou a primeira atleta transgênero conhecida a vencer um campeonato feminino da NCAA, em 17 de março

Thomas, que diz ter perdido massa muscular depois de tomar estrogênio e  bloqueadores de testosterona, ficou em 462º lugar na natação masculina, mas estabeleceu vários recordes em competições femininas após a transição médica. A atleta transgênero venceu a vice-campeã biológica nas finais de 500 jardas livres femininas no Campeonato da Ivy League por 7,5 segundos, ou metade da duração de uma piscina, quebrando um recorde feminino de uma década.

Cynthia Millen, então oficial de natação dos EUA, optou por renunciar em dezembro em um protesto contra a participação de Thomas nas competições femininas.

Embora menos de 2% dos adultos americanos se identifiquem como transgêneros ou não-binários, segundo uma pesquisa recente do Pew Research Center, uma parcela crescente de mais de 40% dos americanos diz conhecer alguém que é trans.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas