Pesquisa: maioria dos eleitores de Biden afirmam ser cristãos, mas não praticam

Eleitores de Biden não estão de acordo com as bases bíblicas

Por Mark Tapscott

Quase dois terços dos eleitores autoidentificados que apoiaram o presidente Joe Biden nas eleições de 2020 afirmam ser cristãos, mas não levam isso muito a sério, de acordo com o famoso pesquisador de religião George Barna.

Barna, que é diretor de pesquisa do Centro de Pesquisa Cultural da Arizona Christian University, entrevistou 1.000 adultos imediatamente após as eleições de novembro de 2020.

Barna descobriu que, entre os eleitores de Biden, 65% se autodenominam cristãos, mas apenas 15% afirmam ser “nascidos de novo”, descrição tipicamente associada aos evangélicos.

“Apenas três entre 10 (30 por cento) acreditam que a Bíblia é a palavra real ou inspirada de Deus e não contém erros”, escreveu Barna no relatório de pesquisa divulgado em 16 de fevereiro.

“Isso ajuda a explicar por que três quartos dos apoiadores de Biden não identificam a Bíblia como sua fonte mais confiável de orientação moral. Suas fontes dominantes de orientação moral são seus sentimentos, experiências, amigos e família.

“Consistente com a rejeição generalizada da Bíblia, três quartos dos seguidores de Biden (75 por cento) também acreditam que não há verdade moral absoluta; a seus olhos, ‘identificar a verdade moral depende de cada indivíduo, não há absolutos morais que se apliquem a todos, o tempo todo.’ ”

Outras descobertas incluem o fato de que apenas um terço (31 por cento) dos eleitores de Biden disseram ser ativos em uma congregação da igreja local. Os eleitores protestantes deram a Trump 47 por cento, em comparação com 33 por cento para Biden, enquanto os católicos deram a Biden 44 por cento, em comparação com 40 por cento para Trump. Entre as pessoas que afirmam uma fé não cristã, 53 por cento votaram em Biden.

Barna também descobriu que “as visões religiosas dos eleitores de Biden se traduzem diretamente em suas preferências políticas. Por exemplo, 60% de sua base, que é amplamente pró-aborto, argumenta que ‘a Bíblia é ambígua na questão do aborto; é possível apresentar argumentos bíblicos convincentes a favor ou contra o aborto’”.

“Da mesma forma, sua base é esmagadoramente a favor da extensão dos direitos LGBTQ, o que está de acordo com a descoberta de que seis entre 10 (58 por cento) de seus eleitores rejeitam a noção de que ‘o casamento de um homem com uma mulher é o único plano aceitável de Deus para humanidade, aplicável a todas as culturas na terra. ‘”

Barna disse que as opiniões dos apoiadores de Biden expressas em sua pesquisa sugerem que os apoiadores do presidente são mais propensos a apoiar propostas contrárias por muitos cristãos, incluindo as seguintes:

  • Permitir que igrejas e todas as formas de adoração sejam restritas devido à COVID;
  • Eliminar isenções de impostos para igrejas;
  • Promover crenças alternativas em salas de aula e currículos de escolas públicas;
  • Apoio mais amplo para o aborto;
  • Tratamento mais favorável das nações e regimes muçulmanos;
  • Valores determinados pelo governo, moral e comportamento público;
  • Direitos e proteções mais abrangentes para pessoas LGBTQ;
  • Penalidades mais brandas para os condenados por crimes;
  • Afastamento do Estado de Direito e da aplicação igual das leis.

“Infelizmente, se nosso governo negar os princípios básicos sobre os quais foi fundado – originalmente derivados da Bíblia – em favor das preferências filosóficas modernas, o fim será o caos, as disputas constantes e a insatisfação generalizada”, disse Barna.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas