O pesadelo de voltar para casa no feriado do Ano Novo Chinês

O feriado mais importante do ano na China se aproxima e cairá no dia 31 de janeiro este ano. Aparentemente todos na China estão planejando viajar para casa e se reunir com suas famílias para o Ano Novo Chinês, também chamado de Festival da Primavera – se eles conseguirem comprar as passagens.

O período de viagem do Ano Novo começou na quinta-feira (16) e dura 40 dias. Mas as pessoas já estão reclamando sobre a indisponibilidade dos bilhetes.

O tráfego de passageiros neste período deve chegar a 3,6 bilhões de viagens, 200 milhões a mais do que no ano passado, segundo Lian Weiliang, vice-presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, numa conferência de imprensa na terça-feira (14).

Há uma enorme pressão sobre o sistema de transporte, e ele não pode atender a demanda no período de pico de viagens, segundo Lian. Passagens para muitos lugares são difíceis de obter, e a neve, baixa temperatura e até mesmo a poluição pesada interferirão com o transporte durante o período, disse Lian.

Corrida pelos bilhetes

Os bilhetes de trem no período do Festival da Primavera estão disponíveis online e por telefone 20 dias antes da data da partida. Os ingressos também estão disponíveis nas estações de trem, mas poucos dias após sua disponibilização na internet e inúmeras pessoas imediatamente os buscam online. Desde que os primeiros bilhetes foram liberados em 28 de dezembro, começou um corrida frenética por eles.

“Por que não consigo encontrar nenhum bilhete?” é a pergunta mais frequente, disse Kuang Xin, um estudante universitário voluntário no Centro Ferroviário de Atendimento ao Cliente na província de Guangdong, Sul da China: “Há inclusive colegas meus que foram ofendidos até o ponto de chorarem.”

O Centro Ferroviário de Atendimento ao Cliente em Guangdong recebe em média 20 mil chamadas de telefone todos os dias neste período de viagem. Um grande número das chamadas são reclamações sobre a incapacidade de obter os bilhetes para o Festival de Primavera, segundo o jornal Diário Metropolitano do Sul, de Guangdong.

Para algumas linhas de trem, os bilhetes foram todos vendidos nas primeiras duas horas após o lançamento. O website do Centro Ferroviário de Atendimento ao Cliente da China, onde as pessoas encomendam seus bilhetes, caiu várias vezes durante as horas de pico de compras online, segundo os viajantes.

8 cidades em 6 províncias

O pesadelo de uma professora chinesa em adquirir um bilhete se tornou viral na mídia chinesa. Ela não conseguiu comprar um bilhete de trem direto para ela e a filha e acabou comprando um itinerário que envolve transferências e escalas em oito cidades passando por seis províncias.

A sra. Sun, que vive em Shenzhen, na província de Guangdong, planejava levar a filha de 7 anos para visitar seus pais que vivem no norte da China, na cidade de Shenyang, segundo o Yangcheng Evening News, de Guangdong.

Planejando sair em 20 de janeiro, a sra. Sun começou a tentar comprar os bilhetes em 1º de janeiro, quando os bilhetes tinham acabado de ser liberados. “Eu estava completamente preparada com minha família e meus amigos, a fim de obter os bilhetes de trem para ir para casa”, disse a sra. Sun: “No entanto, nós tentamos por várias manhãs, mas todos nós falhamos em obter um bilhete para Shenyang.”

A sra. Sun disse que sentiu-se impotente, porque todos os dias por volta das 9h, o website de compra dos bilhetes saia de serviço por excesso de tráfego.

Eventualmente, a Sra. Sun comprou seis bilhetes de trem e um bilhete de cruzeiro e levará 12 dias para chegar a casa, em vez das 35 horas numa viagem direta de trem. Os bilhetes custaram 1.337,5 yuanes (US$ 221), mais que o dobro do custo de um 600 yuanes (US$ 99) do bilhete de trem. A sra. Sun disse que fará a viagem como um passeio com a filha para mostrar a ela o país.

Chineses comemoram o festival do Ano Novo Chinês no Templo da Terra em Pequim em fevereiro de 2013 (Ed Jones/AFP/Getty Images)
Chineses comemoram o festival do Ano Novo Chinês no Templo da Terra em Pequim em fevereiro de 2013 (Ed Jones/AFP/Getty Images)

Mercado negro de bilhetes

Cambistas de ingressos obtidos ilegalmente pioram ainda mais a situação. Notícias sobre cambistas, apelidados de “vacas amarelas” pelos chineses, sempre surgem nesta época do ano. Proverbialmente, vacas amarelas são boas para comer, mas não para trabalhar. Como as vacas, os cambistas engordam sem ter de fazer muito.

Os cambistas são capazes de comprar muitos bilhetes de trem antes dos viajantes e vendê-los a preços mais elevados para ganhar na diferença.

Este ano, um novo software teria sido usado para comprar bilhetes ilegalmente. O programa adquiriu com sucesso 1.245 bilhetes de trem online apenas nos 10 minutos após os ingressos serem liberados, segundo a China Central de Televisão (CCTV), a emissora estatal porta-voz do regime chinês.

O software produz nomes e números de identidade falsos para comprar os bilhetes online numa velocidade de um bilhete a cada poucos milissegundos.

Um grande número de pessoas que viaja de trem durante o Festival da Primavera são trabalhadores migrantes que tem recursos bastante limitados e vivem economizam dinheiro arduamente. No entanto, a escassez de ingressos têm forçado muitos deles a recorrer a alternativas desgastantes para viajar.

De acordo com o Yangcheng Evening News, muitos chineses ritualmente andarão centenas de quilômetros, enquanto outros dirigirão motocicletas ou até mesmo tratores para chegar em casa.

 
Matérias Relacionadas