Peru segue com alerta de chuvas fortes após 79 mortes

Após os estragos e 79 óbitos causados pelas intensas tempestades que castigam grande parte do Peru desde o início do mês, o país segue em estado permanente de alerta até o mês de abril, de acordo com institutos meteorológicos peruanos. As chuvas estão relacionadas a um fenômeno climático local chamado ‘El Niño Costeiro’ e têm causando enchentes ao longo de toda a costa, isolando comunidades e bairros.

Fortes temporais no Peru causaram inundações, dezenas de mortes e destruição nesta temporada de chuvas que ocorre normalmente no país de dezembro a maio. Este ano está sendo anômalo e o cenário de destruição e perdas no país é desolador.

Os desastres naturais ocorreram em grande parte do território peruano neste mês de março. As fortes áreas de instabilidades tropicais vêm provocando chuvas fortes desde dezembro do ano passado em grande parte do território do país.

Nestas últimas duas semanas, com a intensificação das áreas de instabilidade, os temporais causaram inundações, transbordamento de rios e deslizamentos de terra, que afetaram cerca de 665 mil pessoas. O transporte e a infraestrutura agrícola também foram seriamente afetadas, 182 pontes foram destruídas e a perda em áreas de cultivo totalizam mais de 12 mil hectares.

Segundo o último relatório do Centro de Operações de Emergências Nacional (COEN), publicado na terça-feira (21), o país teve 79 mortos, 21 pessoas desaparecidas e mais de 145 mil casas afetadas na estação chuvosa. As mortes ocorreram em várias regiões do país. Próximo do litoral norte, na região de La Libertad, foram 13 óbitos. No sul, em Arequipa, 12 mortos, e, na capital Lima, ocorreram 6 óbitos e 24 pessoas ficaram feridas.

Em rede nacional, o presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, afirmou: “Nós estamos enfrentando um sério problema climático”. Segundo o presidente, “não havia um desastre desta magnitude na costa do Peru desde o ano de 1998”.

El Niño Costeiro’

Pela análise científica, este ano não está ocorrendo nenhum fenômeno climático mais intenso agindo em escala global. A faixa que se estende pelo Oceano Pacífico até a costa do Peru é a zona onde ocorre a anomalia de temperatura para a formação do fenômeno El Niño que influencia todo o clima global, mas isso deve ocorrer numa região ampla no Oceano Pacífico.

No entanto, a temperatura das águas litorâneas do Peru está agora cerca de 5 ºC acima do normal — este aquecimento é localizado e por isso foi denominado de ‘El Niño Costeiro’: fenômeno com algumas características do fenômeno global, mas que atua intensificando apenas as precipitações locais nestas regiões.

As águas com temperaturas elevadas podem ser formadoras de tempestades tropicais. A hipótese é que isso ocorra devido à anomalia de ventos que acabam permitindo que as correntes de águas quentes venham de regiões mais próximas da linha do equador para a costa do Peru. A temperatura estava cerca de 4 ºC acima da média.

Estado de alerta

A Comissão Multisectorial ENFEN, instituto meteorológico do Peru, mantém ‘estado de alerta’ para o país e informa que o fenômeno se prolongará “pelo menos até abril, com magnitude moderada. Há uma alta probabilidade de chuvas muito forte nas áreas média e baixa da costa, principalmente em Tumbes, Piura e Lambayeque até o mês de abril, embora essa possibilidade vá reduzindo conforme o término da estação chuvosa”, informa o instituto em nota.

 
Matérias Relacionadas