Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 9

Brutalidade desmascarada: a verdade chocante da extração forçada de órgãos na China

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 9: Brutalidade desmascarada: a verdade chocante da extração forçada de órgãos na China

Por Katrina Lantos Swett

Em nossa era sofisticada, a palavra “mal” tornou-se um pouco fora de moda. Porque ela não deixa margem para desculpas, justificativas ou comprometimentos, é uma palavra que compreensivelmente deixa as pessoas desconfortáveis. E, no entanto, existem algumas atrocidades que não podem ser descritas de nenhuma outra maneira. A política do Partido Comunista Chinês (PCC) de extração involuntária de órgãos de prisioneiros de consciência é verdadeiramente má e é hora de médicos, líderes políticos e ativistas de direitos humanos se unirem para dizer a verdade sobre esse crime bárbaro.

Embora o PCC tenha se esforçado extraordinariamente para ocultar a realidade dessa política brutal, a verdade está lentamente começando a surgir. É um retrato apavorante em que os seres humanos são tratados como mercadorias que podem ser eliminadas à vontade e ter seus órgãos explorados para a vantagem financeira de outros.

O que começou nos anos 80 com a extração claramente antiética de órgãos de criminosos sentenciados à morte acabou se transformando em um empreendimento muito mais sinistro. É difícil identificar com precisão quando a linha moral foi violada desde a pilhagem de órgãos de assassinos e estupradores executados até o assassinato sistemático de prisioneiros políticos e de consciência para extração e venda dos seus órgãos. Mas a evidência é convincente de que essa linha foi de fato ultrapassada em grande escala.

Graças ao notável trabalho da ONG Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH), esta sórdida e comovente história de ganância e repressão política está começando a emergir. Com base na extensa documentação de entrevistas com ex-prisioneiros, funcionários de campos de trabalho e até pessoal médico que foram testemunhas e cúmplices desses abusos dos direitos humanos, parece que dezenas de milhares de pessoas inocentes podem ter sido vítimas desse crime contra a humanidade.

E quem são essas vítimas inocentes? A evidência sugere que uma grande proporção deles são praticantes do Falun Gong. Essa comunidade pacífica de crentes tem sido alvo de uma brutal campanha governamental de repressão, difamação, prisão e tortura, que remonta a 1999. Como outras comunidades religiosas, incluindo budistas tibetanos e o movimento da igreja doméstica, o Falun Gong é percebido como uma ameaça inaceitável ao domínio social do Partido Comunista Chinês. Como as comunidades baseadas na fé estão unidas por crenças compartilhadas em princípios e valores que transcendem o temporal e o material, elas são vistas com profunda suspeita e medo por regimes como o comunista chinês. Nenhuma comunidade religiosa na China sofreu mais com essa suspeita do que o Falun Gong. Por mais de 15 anos, essa comunidade respondeu a essa perseguição brutal com resistência pacífica e não violenta, mostrando um compromisso heroico e determinado com suas crenças e práticas.

Sempre foi desconcertante para o resto do mundo que o regime chinês visasse essa prática espiritual tradicional da Escola Búdica. Com seus exercícios suaves e meditativos e uma filosofia moral que enfatiza a verdade, a compaixão e a perseverança, os praticantes do Falun Gong são verdadeiramente cidadãos-modelo em todas as comunidades em que vivem. Ao mesmo tempo, essa comunidade de fé foi de fato bem-vinda incialmente pelas autoridades chinesas por sua admirável moralidade e ética. Mas à medida que o Falun Gong cresceu em popularidade, com cerca de 70 a 100 milhões de praticantes, as autoridades chinesas ficaram com medo de que esse movimento espiritual representasse uma ameaça ao monopólio do Partido Comunista sobre os corações e mentes do povo chinês.

O regime chinês também usou os vastos recursos da sua máquina de propaganda para atacar os praticantes do Falun Gong com perseguição generalizada. Apesar do enorme sofrimento que padeceram, os praticantes do Falun Gong permaneceram firmes em suas crenças e se comprometeram a contar suas histórias. Enquanto dezenas dos principais advogados e ativistas de direitos humanos da China foram motivados a falar em nome do Falun Gong, os próprios praticantes canalizaram o poder da internet para criar ferramentas que superaram a polícia chinesa da internet e compartilhar suas histórias com o mundo. O Falun Gong desempenhou um papel central ao ajudar o povo chinês a romper o Grande Firewall da China, que impede seus bilhões de cidadãos de acessarem livremente a internet. Algumas das ferramentas de evasão de firewall mais sofisticadas e eficazes, como Freegate e Ultrasurf, foram criadas por praticantes do Falun Gong que acreditam que o acesso irrestrito a informações sem censura é essencial para construir um futuro democrático e decente para o povo da China.

Graças, em parte, a ferramentas de liberdade na internet como essas, informações sobre o pesadelo da extração criminosa de órgãos estão emergindo da China e também entrando para informar os próprios chineses, criando um movimento crescente para expor e eliminar esse enorme abuso de direitos humanos básicos.

Em dezembro de 2013, os DAFOH entregaram uma petição com 1,5 milhão de assinaturas ao Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, pedindo que uma investigação fosse conduzida sobre o “massacre de prisioneiros de consciência na China para a aquisição de órgãos”.

Posteriormente, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução exigindo o fim imediato da extração de órgãos sancionada pelo Estado chinês de prisioneiros de consciência executados, incluindo o Falun Gong.

Essas são etapas importantes e encorajadoras, mas, realisticamente, uma estrada desafiadora está à frente para acabar em definitivo com o tráfico ilegal de órgãos. Parte da razão disso é a pura ganância. Em um mundo em que há uma escassez de órgãos doados livremente e disponíveis para transplante, pacientes desesperados estão dispostos a pagar enormes quantias de dinheiro para obter um órgão necessário. Rins podem ser vendidos por 60 mil dólares e fígados alcançariam somas de 100 mil dólares. Córneas, corações e pulmões também são muito procurados. É a combinação tóxica de perseguição política, ganância financeira e corrupção profunda que criou esse pesadelo médico e moral. Segundo algumas estimativas, até 65 mil praticantes do Falun Gong podem ter sido vítimas dessa tormenta diabólica. [N.E.: Pesquisas posteriores provaram que o número de vítimas é de fato muito maior.]

Agora, enquanto a China enfrenta um período de transição política, há evidências de que aqueles que se envolveram em graves violações dos direitos humanos contra o Falun Gong estão determinados a serem sucedidos por políticos que também estão envolvidos nesses crimes. Por quê? Porque eles querem garantir que terão impunidade pelos crimes que cometeram. Esses indivíduos fariam bem em lembrar as palavras de Martin Luther King: “O arco da história é longo, mas se inclina para a justiça.”

Adlai Stevenson II, ex-embaixador das Nações Unidas e governador de Illinois, disse uma vez que “as soluções começam dizendo a verdade”. É hora dos líderes de todo o mundo insistirem em dizer a verdade quando se trata da extração involuntária de órgãos. O regime chinês não deve ser autorizado a varrer esse crime para debaixo do tapete e, acima de tudo, essa política deve ser interrompida, de uma vez por todas. Observou-se que “Em qualquer comprometimento entre o bem e o mal, é apenas o mal que pode lucrar.” Já houve muito lucro por parte do mal como resultado da abominável pilhagem de órgãos de homens e mulheres inocentes em toda a China. Suas vidas roubadas clamam por justiça e é um grito que não deve ser ignorado.

Retornar à Introdução e ao Índice

 
Matérias Relacionadas