Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 19

Sob o resplandecer glorioso do Shen Yun, o Partido Comunista Chinês está numa posição incômoda

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 19: Sob o resplandecer glorioso do Shen Yun, o Partido Comunista Chinês está numa posição incômoda

Por Yang Senhong

Uma civilização perdida é revivida! Esse foi o pensamento que passou pela minha cabeça na primeira vez que assisti a uma apresentação do Shen Yun Performing Arts. Depois que li no site do Shen Yun exatamente a mesma afirmação, percebi que ainda há pessoas fazendo valentes esforços para provar que o antigo império (mas agora moralmente depravado) já foi grandioso e virtuoso. O nome “Shen Yun” transmite claramente um instinto natural de valorizar o Céu e a Terra em admiração e reverência. A crença de que os deuses existem comunica um tipo de gratidão com uma mentalidade espiritual. A dedicação de difundir essas virtudes e de dar às pessoas uma sensação de candura que é imaculada, preciosa e tranquila. Tudo isso é inexistente no Partido Comunista Chinês (PCC ou Partido). Seus líderes são declarados ateus que já transformaram o Partido em um inferno de espíritos malignos, com uma personalidade desprezível, insincera, desprovida de bondade e sem misericórdia. Vários milhares de anos de civilização chinesa, com sua herança cultural simples, mas refinada, em menos de meio século, durante a revolução do Partido, foram todos reduzidos a um tronco sem vida e um monte de cinzas. Hoje, a verdadeira “China cultural” é o que Du Fu descreve em seu poema: “O país está em ruínas, embora as montanhas e os rios permaneçam. Quando a primavera chega, a vegetação ainda cresce.” A vasta terra da China já não é a mesma “China cultural”. Se o Shen Yun não existisse e não viajasse pelo mundo por vários anos, a memória global do século 21 não teria nenhuma impressão de uma “China cultural”. Desde 1949, a “China comunista” não trouxe nada ao mundo, senão desastres, melancolia, terror, guerra e barbárie.

Alguns dizem, até o momento, que Taiwan preservou a “cultura chinesa”. Essa opinião não é completamente precisa. O que é certo é que Taiwan preservou muitas heranças culturais preciosas no Museu do Palácio Nacional de Taipei. Porque, felizmente, naquela época, algumas pessoas com visão de futuro se deram ao trabalho de realocá-las para Taiwan, preservando-as da catástrofe. Além disso, é preciso dizer que a crença básica na cultura chinesa se tornou parte da vida das pessoas em Taiwan. Informações mais exatas são que Taiwan, na segunda metade do século 19, já havia experimentado exposição direta à história mundial. Por mais de um século, sob a influência da cultura aborígine da ilha sulina, juntamente com o influxo de culturas da Holanda, Espanha e Japão, a cultura do povo de Taiwan formou um melting pot que é claramente distinto do da original “cultura chinesa”. Visto da perspectiva da antropologia cultural, a rigor, Taiwan não faz parte da China, mas a China é realmente uma parte muito importante para Taiwan. No entanto, neste caso, a “China” a que nos referimos é a “China” na qual o Partido Comunista nunca se interpôs ou participou. O destino de Taiwan e a disseminação do Shen Yun têm um padrão muito semelhante de desenvolvimento e relação cármica. No processo de opressão contínua do regime comunista, Taiwan nunca renunciou a seus elementos básicos da “cultura chinesa”. Por exemplo, no que diz respeito aos caracteres chineses escritos, os taiwaneses preservaram o que é frequentemente chamado de estilo “tradicional” dos caracteres chineses. Esses caracteres foram transmitidos desde os tempos antigos e não sucumbiram à versão chinesa simplificada do regime comunista, que em muitos aspectos se alienou da cultura chinesa antiga. No entanto, Taiwan está constantemente no processo de inovar e internacionalizar sua liberdade para continuar sua coexistência ao lado da civilização mundial com uma civilização e cultura de estilo taiwanês. Muitos chineses que visitam Taiwan gostam do lugar. Todos pensam que finalmente estão cara a cara com o que os rumores dizem ser a “civilização antiga” da “China cultural”. Esse é um grave mal-entendido. De fato, eles estão expostos à “civilização inovadora de Taiwan”, que contém a “cultura chinesa”.

O desenvolvimento do Shen Yun está seguindo o caminho da “cultura inovadora de Taiwan”. Pode-se dizer que é uma “cultura inovadora da China livre”. Independentemente do tipo de “cultura” que o Shen Yun segue, desde que permaneça fora das fronteiras da “China comunista”, é possível plantar sua raiz e crescer. O Shen Yun foi desenvolvido nos Estados Unidos, com muitos artistas chineses nascidos nos Estados Unidos, sem opção de retornar à China ou até mesmo fazer turnê na China por enquanto. Além disso, o Shen Yun é um tipo de “cultura chinesa” que voa a grandes alturas nas asas da estética ocidental. Portanto, a arte é percebida como originária da criação, ilustrando como as pessoas admiram e reverenciam a Deus. A representação do lado positivo da humanidade foi adicionada após o Renascimento. Esse desenvolvimento também é algo que a “China comunista” não pode imitar, por mais que tente. A razão é que, quando não há fé, não pode haver realizações efetivas nas artes.

Há uma passagem no site do Shen Yun que é capaz de transmitir sucintamente essa maravilhosa combinação de civilizações oriental e ocidental: “Das deusas nas grutas de Dunhuang às pinturas no teto da Capela Sistina, essas obras imortais não apenas exibem excelentes habilidades, mas também despertam respeito e reverência, porque demonstram louvores a Deus. Hoje, os artistas do Shen Yun, por meio da prática do Falun Gong, estão infundindo e refletindo a essência divina nas obras que produzem.”

Este deve ser o tesouro dos segredos do sucesso do Shen Yun. Esses segredos são impossíveis de serem falsificados pelos chamados “grupos de artes” do Partido Comunista Chinês, com suas performances em estilo espalhafatoso. Assim, esse “renascimento chinês” contemporâneo é claramente distinto do PCC. No entanto, o Shen Yun abraça e mantém a essência da sua herança. Nos últimos anos, o PCC investiu um vasto orçamento estabelecendo “Institutos Confúcio” em universidades estrangeiras, na tentativa de competir pela interpretação cultural, mas esses “institutos” acabam sendo fechados quando é exposto que o PCC está usando os recursos culturais apenas superficialmente. De fato, esses chamados “institutos” operam com agentes do Partido para viabilizar suas atividades de espionagem e infiltração na educação ocidental. Até o nome Confúcio, nosso ícone nacional, o mais reverenciado “professor sábio”, está sendo explorado como um agente especial pelo PCC. Para um regime que representa a destruição da civilização e da cultura, é obviamente impossível obter o respeito do mundo.

A orquestra do Shen Yun Performing Arts exibe instrumentos orquestrais ocidentais, esta parte do conjunto é a base, enquanto os componentes melódicos são formados pelo erhu, pipa, flauta e outros instrumentos tradicionais chineses. O resultado musical produzido é harmonioso e emocionante. Não apenas o momento amplo e brilhante da sinfonia ocidental é destacado, mas a herança étnica e o estilo único das artes cênicas na civilização chinesa são ressonados. A dança chinesa inclui as danças clássica, étnica e folclórica. O estilo de dança do Shen Yun está principalmente enraizado no treinamento de habilidades básicas da dança clássica chinesa. Também realiza certo número de danças étnicas e folclóricas, cada uma das quais incorpora as diferentes mentalidades e características estéticas de vastos grupos étnicos na China. A dança clássica chinesa tem uma história de milhares de anos. Ela abrange a sabedoria de cada dinastia, formando a consciência estética passada de geração em geração. A dança clássica chinesa antiga foi realizada principalmente no palácio do imperador, mas também foi preservada e difundida nos antigos teatros de ópera. Ela consistia em movimentos muito difíceis, habilidades abundantes e uma miríade de expressões. As danças étnicas e folclóricas chinesas, transmitidas em diversas regiões de mais de 50 grupos minoritários, são um rico conglomerado de tradições com características e estilos muito distintos. As performances do Shen Yun exibem excelentes habilidades de dança, uma mistura única de composição chinesa e ocidental, figurinos impressionantes e designs dinâmicos de pano de fundo animado. Elas também enfatizam o conceito tradicional que inclui o vínculo entre o divino e a humanidade – honra do divino; aceitação do próprio destino; retribuição do bem e do mal; prática das cinco virtudes, “benevolência, retidão, propriedade, sabedoria, fidelidade”; e outras características. As virtudes no centro desse conceito inato mesclado não são apenas incompatíveis com a filosofia do Partido Comunista Chinês, mas também algo que o PCC tem tentado se livrar por anos, desde o início.

Ao longo dos anos, o Partido Comunista Chinês considerou o Shen Yun um inimigo obstinado. No primeiro ano, quando o Shen Yun tinha apenas uma companhia, o PCC enviou cerca de 60 grupos para se apresentarem para o público estrangeiro, a fim de competir com o Shen Yun. Essa tática do PCC também foi uma tentativa de garantir que o Shen Yun não sobrevivesse financeiramente sob o ataque. O que realmente aconteceu foi que o PCC não apenas esgotou muita mão-de-obra e desperdiçou muitos recursos, mas seus próprios grupos também sofreram derrotas devastadoras e voltaram para casa em desgraça. A ópera “O Primeiro Imperador”, dirigida pelo famoso diretor Zhang Yimou, foi denunciada pelos críticos americanos. Nos anos seguintes, o PCC contratou todas as suas trupes domésticas para participarem na morte do Shen Yun. O esquema do PCC era instar todos esses grupos a irem ao exterior para organizar shows nas proximidades, com a intenção principal de usar táticas clandestinas para competir pelo mercado e criar distúrbios. Ao mesmo tempo, todos os consulados e embaixadas do PCC foram orientados a entrar em contato com os teatros onde o Shen Yun foi contratado para atuar, difamando e aviltando a companhia de artes cênicas. Houve exigências ridículas feitas aos gerentes de teatro para cancelar seus acordos legais com o Shen Yun e ameaças feitas sobre as relações políticas e econômicas entre os dois países como uma forma de chantagem e intimidação. O PCC não reconhece que sua abordagem contrasta com a das democracias ocidentais. O PCC costuma usar a metodologia empregada por gângsteres e mafiosos para forçar os teatros das sociedades ocidentais a obedecer. Ironicamente, isso resulta em mais rejeição e os representantes do PCC são motivo de chacota no Ocidente. Após anos de cooperação com o Shen Yun, os gerentes de teatro de todo o mundo passaram a respeitar e entender o Shen Yun e o Falun Gong, e se sentem ofendidos pela interferência intrusiva do PCC. No final das contas, o PCC, como um burro esgotando seus truques, na verdade se rebaixou a ponto de recorrer à sabotagem dos ônibus do Shen Yun. Houve um caso em que o ônibus de turnê do Shen Yun teve seus pneus cortados e um fluido desconhecido foi injetado no tanque de gasolina para causar danos. Esses atos são um exemplo dos métodos usados para interromper as turnês do Shen Yun.

As más ações do Partido Comunista Chinês serviram apenas para validar a inevitabilidade do papel histórico do Shen Yun. O PCC está lutando para sobreviver e o sucesso incontestável do Shen Yun o ofusca. A legitimidade do regime comunista de governar a China não é apenas questionável, sua própria existência também está em questão. As pessoas do mundo perceberão que a “China comunista” não é o centro ou o coração da “China cultural”, mas o “paraíso perdido”, um terreno baldio à beira da destruição e da ruína. O Shen Yun se assemelha ao Sol ao meio dia. Sob a marca do Shen Yun, a “China comunista” não tem escapatória e será reduzida a uma mera “analfabeta cultural”. As mentiras, já no fim dos seus recursos e reduzidas a revirar ruínas, serão o destino da China comunista.

Retornar à Introdução e ao Índice

 
Matérias Relacionadas