Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 16

Jiang Zemin: o mal supremo na destruição da natureza humana

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 16: Jiang Zemin: o mal supremo na destruição da natureza humana

Por Theresa Chu

Os campos de extermínio da extração forçada de órgãos do Partido Comunista Chinês

Na manhã de 9 de dezembro de 2013, representantes legais e médicos especialistas de seis países, incluindo o advogado canadense de direitos humanos David Matas, o diretor-executivo dos Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH), Dr. Torsten Trey, o advogado espanhol de direitos humanos Carlos Jimenez Iglesias, o especialista britânico em rim, Dr. Adnan Sharif, o cirurgião francês de transplante, Dr. Francis Navarro, e eu, uma advogada de direitos humanos de Taiwan, fomos a Genebra para nos encontrar com um advogado das Nações Unidas (ONU) e um especialista em China representando o alto comissariado das ONU para os direitos humanos, Navi Pillay. Apresentamos às autoridades da ONU discos de petições digitalizadas dos DAFOH, que receberam aproximadamente 1,5 milhão de assinaturas, pedindo o fim da extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong coordenada pelo Partido Comunista Chinês (PCC). As assinaturas foram coletadas de 53 países e regiões em cinco continentes durante cinco meses. [1] Entre os 1,5 milhão, o maior número, cerca de 600 mil, era da Ásia. Quase cinco mil médicos de Taiwan assinaram a petição apelando ao alto comissariado da ONU para os direitos humanos com as seguintes solicitações:

1. Clamar a China que encerre imediatamente a extração forçada de órgãos dos praticantes do Falun Gong na China.
2. Iniciar investigações adicionais que levem à acusação dos autores envolvidos neste crime contra a humanidade.
3. Requerer que o governo chinês acabe imediatamente com a brutal perseguição ao Falun Gong, que é a principal causa da extração forçada de órgãos dos seus praticantes.

Explicamos a questão do programa de extração de órgãos da China, compartilhando com eles nossas investigações e análises profissionais. Instamos a ONU a prestar atenção aos 1,5 milhão de apelos públicos de todo o mundo. Também informei diretamente a essas autoridades que temos conhecimento, de fontes confiáveis, da existência de campos de extermínio ou campos de concentração secretos onde praticantes do Falun Gong são detidos e assassinados por meio da extração forçada de órgãos. Esses campos da morte estão em quase todas as cidades da China. Lembrei às autoridades da ONU que é sua responsabilidade investigar e localizar esses campos e impedir a tragédia dessa violação sem precedente dos direitos humanos.

Os funcionários não questionaram a fonte das alegações dos “campos de morte”. Eles ouviram com atenção sombria, tomaram notas, mas não responderam. Diante de 1,5 milhão de vozes e das alegações da existência de campos de extermínio, o silêncio das autoridades foi decepcionante, mas não surpreendente. A atitude da ONU em lidar com as violações dos direitos humanos do Partido Comunista Chinês ao longo dos anos tem sido taciturna. No entanto, não desistimos de nossos esforços para obter justiça. No Ocidente, diz-se que “manter o silêncio diante do mal é ser cruel com as pessoas boas”.

Em março e maio de 2014, visitamos as instituições da União Europeia, o Parlamento Europeu, o Departamento de Estado dos EUA e o Congresso dos EUA para expor ainda mais as atrocidades em curso da extração forçada de órgãos na China desde o início da perseguição ao Falun Gong. Em todas as reuniões, eu expliquei, da melhor maneira que pude, a existência dos campos de extermínio na China e pedi uma investigação urgente e o fim dos crimes do Partido Comunista Chinês contra a humanidade. Infelizmente, mais uma vez, as autoridades não solicitaram a fonte dessas alegações, nem houve nenhuma ação para maior investigação ou exigir que o PCC acabe imediatamente com as atrocidades da extração forçada de órgãos. Embora seja realmente difícil para a comunidade internacional lidar com esse problema, a humanidade deve enfrentá-lo com coragem e não deve ignorar esse desastre internacional em curso dos direitos humanos.

Durante seu mandato como relator-especial da ONU sobre tortura, o professor Manfred Nowak incluiu as alegações de extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong sancionadas pelo Partido Comunista Chinês em seus relatórios de 2007 e 2008 ao Conselho de Direitos Humanos da ONU. Em 8 de novembro de 2011, em discurso público na Universidade Nacional de Taiwan, ele deixou bem claro que o relatório de investigação sobre a extração de órgãos dos praticantes do Falun Gong pelo PCC era “credível”. [2] Ele disse que as evidências e os dados indicam que a fonte de órgãos na China tem permanecido não transparente e, desde o início da perseguição ao Falun Gong, o número de transplantes de órgãos na China aumentou dramaticamente. Como relator-especial da ONU sobre tortura, o professor Nowak também enviou uma carta para solicitar especificamente que o governo chinês investigasse as alegações sobre a questão da extração forçada de órgãos, tornasse o seu sistema de transplante de órgãos transparente e intensificasse as penas contra o crime. No entanto, o governo chinês ainda não respondeu. [3]

Até o momento, o Partido Comunista Chinês ainda não está disposto a enfrentar as alegações da extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong e fechou os olhos à resolução de 2013 aprovada pelo Parlamento Europeu e à resolução de 2013-2014 do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes dos EUA, as quais condenaram a extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong sob o PCC, solicitaram uma investigação internacional e pediram que os autores fossem levados à justiça. Durante 2015, médicos militares chineses gradualmente se apresentaram para testemunhar contra os militares da China por conspirarem com as autoridades de segurança pública e órgãos judiciais chineses nos atos assassinos da extração de órgãos. O Grupo de Advogados de Direitos Humanos do Falun Gong, os DAFOH, a Associação de Taiwan do Resguardo Internacional do Transplante de Órgãos (TAICOT) e a Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG) coletaram evidências incriminatórias de quadros do PCC, funcionários judiciais e pessoal médico, além de instar organizações internacionais a expor o segredo sombrio do regime chinês sobre a extração de órgãos, em um esforço para impedir essas atrocidades.

Enquanto isso, as pessoas perguntam como o Partido Comunista Chinês poderia empregar medidas tão brutais, como a extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong e a criação de campos de extermínio contra o Falun Gong. Se investigarmos mais profundamente a causa originária, descobriremos que o principal fator ocorreu em 1999, quando o então líder chinês Jiang Zemin decidiu “erradicar o Falun Gong” e estabeleceu as diretrizes para a campanha de repressão. Todos os cúmplices de Jiang foram incentivados a usar todos os meios para efetivar a erradicação. A “extração de órgãos” e os “campos de morte” foram desenvolvidos de forma inconsequente a partir dessa “política de extermínio” destrutiva da natureza humana liderada por Jiang.

A história do genocídio mostra que deve haver um egomaníaco ambicioso com controle sobre uma nação que, com paranoia pertinaz, usará todos os mecanismos para exterminar quaisquer grupos que ele odeie ou identifique como uma ameaça. O exemplo mais trágico disso foram as atrocidades de Hitler contra o povo judeu, enquanto a campanha de extermínio mais chocante do século 21 é a supressão sangrenta de Jiang contra o Falun Gong, que conta com mais de cem milhões de praticantes na China.

Nos primeiros dias em que Jiang Zemin começou a reprimir o Falun Gong e seus aderentes, que na época somavam cerca de 100 milhões de acordo com as estimativas do próprio governo chinês, ele declarou publicamente que iria “erradicar o Falun Gong em três meses” [4] e ordenou que essa “luta implacável” contra o Falun Gong deveria “destruir suas reputações, arruiná-los financeiramente e eliminá-los fisicamente”. [5] Todo chinês que estava de alguma forma associado aos princípios do Falun Gong de “verdade, compaixão, perseverança”, independentemente de sexo, idade ou classe social, era e ainda continua sendo alvo da campanha de erradicação. Esta campanha foi lançada apenas por Jiang Zemin. Para atingir esse objetivo, ele estabeleceu um “mecanismo de erradicação” usando todos os recursos disponíveis.

De acordo com “A Convenção sobre Prevenção e Punição do Crime de Genocídio”, adotada pela Assembleia Geral da ONU em 9 de dezembro de 1948, na Resolução 260A (III), o crime de genocídio no Artigo 2 é definido como “qualquer um dos seguintes atos cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, como tal:

a. Matar membros do grupo;
b. Causar danos corporais ou mentais graves aos membros do grupo;
c. Influenciar deliberadamente as condições de vida do grupo, calculadamente para provocar sua destruição física, no todo ou em parte;
d. Impor medidas destinadas a impedir nascimentos dentro do grupo;
e. Transferência forçada de crianças do grupo para outro grupo. [6]

A declaração aberta de Jiang Zemin para exterminar o Falun Gong e a subsequente “implementação da sua extinção” em todo o país levou dezenas de milhões de praticantes inocentes do Falun Gong a serem submetidos a detenções ilegais, prisões, lavagem cerebral e tortura para forçá-los a desistir de suas crenças, assassinatos e até mesmo ter seus órgãos pilhados. A partir das palavras e ações de Jiang, é evidente que ele essencialmente admitiu e confessou ao mundo que era culpado por crimes contra a humanidade, tortura e genocídio na perseguição ao Falun Gong.

Jiang Zemin não é apenas o violador dos três crimes mais graves sob as leis criminais internacionais, mas também está acima e além do mal supremo na destruição da humanidade e da natureza humana.

Jiang Zemin planejava erradicar o Falun Gong em três meses. Sua abordagem foi primeiramente gerar “ódio generalizado” ao Falun Gong entre a população e, em seguida, conduzir a nação inteira por um caminho de ódio contra os praticantes, a fim de promover a ideia em todo o país de que a “campanha de extermínio contra o Falun Gong está lidando com um inimigo público”. A China sempre teve uma forte tradição de respeito e reverência em relação aos deuses e ao divino. O público em geral não estava familiarizado com as crenças espirituais do Falun Dafa. Entre os 100 milhões que se beneficiaram dessa prática de cultivo, antes da repressão, havia membros do Partido Comunista Chinês e funcionários do governo que elogiaram abertamente o Falun Gong. Além disso, o PCC sempre foi muito claro que os praticantes do Falun Gong não tinham ambição política nem interesse nos assuntos do regime comunista. Portanto, a única maneira de Jiang Zemin destruir a bondade reconhecida do Falun Gong era aproveitar ao máximo todos os meios e táticas de luta que o PCC acumulou desde o início do seu regime, criando mentiras crescentes e ódio profundo, além de usar violência brutal para transformar o ambiente social positivo original em relação ao Falun Gong.

Vale a pena observar também que, embora o povo chinês tenha experimentado repetidamente várias campanhas políticas do Partido Comunista Chinês e esteja bem ciente da crueldade empregada pelo regime comunista na eliminação de dissidentes políticos, a maioria das pessoas não percebeu que o pré-requisito essencial da agenda de Jiang Zemin para erradicar o Falun Gong era “primeiro despertar o instinto de crueldade nas pessoas e fazerem-nas abandonar a natureza mais elevada da humanidade, sua bondade inata”.

As táticas brutais de Jiang Zemin de proibir o povo chinês de praticar e promover o Falun Gong, não só violaram as liberdades dos praticantes do Falun Gong de opinião, expressão, crença e consciência, como também obliteraram completamente a disseminação da cultura chinesa e os valores morais. Envenenado pelas mentiras do regime comunista e sob ameaças e incentivos do Partido Comunista Chinês, o povo chinês participou da repressão de pessoas boas e inocentes. É razoável entender que, uma vez que uma pessoa exercita sua consciência, é muito difícil convencê-la a torturar e pilhar os órgãos de pessoas vivas inocentes. Somente quando o PCC confunde o certo e o errado, a bondade e o mal, e incita a natureza cruel do ser humano, essas atrocidades, como o genocídio, podem ocorrer e prosseguir em todo o país. De fato, para ser possível instigar o ódio, o mal-entendido, a discriminação e a violência no povo chinês contra o grupo de cultivadores do Falun Gong, Jiang Zemin precisava não apenas erradicar o Falun Gong, mas também destruir a mais preciosa bondade e consciência do povo chinês.

Jiang estabelece um mecanismo extralegal e perverso de extermínio

Como chefe de Estado em 1999, Jiang Zemin estabeleceu a meta de exterminar o Falun Gong em três meses. Ele utilizou todo o aparato estatal e do Partido Comunista para atingir essa meta. Mas essa “erradicação” não é legalmente permitida no Ocidente ou no Oriente. Ignorando a lei constitucional e outras leis domésticas, ele estabeleceu um mecanismo extrajudicial para executar seu plano de genocídio, que penetraria desde o governo central até todas as jurisdições locais. Em 10 de junho de 1999, cerca de um mês antes da supressão nacional do Falun Gong, Jiang Zemin criou pessoalmente um órgão especializado dedicado exclusivamente à perseguição ao Falun Gong, semelhante à Gestapo nazista e ao grupo da Revolução Cultural comunista: o “Grupo de Liderança do Comitê Central do PCC para Lidar com as Questões do Falun Gong”, seu escritório executivo é conhecido como “Agência 610”, uma referência à sua data de origem. De acordo com a Organização Mundial para Investigação da Perseguição ao Falun Gong, a criação ou operação do Grupo de Liderança e sua Agência 610 são informações secretas que o PCC nunca tornou públicas. [7]

Embora Jiang Zemin não tenha conseguido erradicar o Falun Gong no tempo planejado, ele foi eficaz em estabelecer um mecanismo completo de genocídio cujos tentáculos se estenderam aos distritos locais e se enraizaram em todo o país. Não há registro público de quando todos os vários níveis de grupos de liderança, desde o governo central do PCC até todas as províncias, cidades, condados, distritos e municípios foram estabelecidos. Após o início da repressão, todos os escritórios da Agência 610, começaram, sem autorização legal, a dirigir e coordenar o aparato administrativo e judicial do país, incluindo os departamentos de segurança pública, a Procuradoria, o sistema da Justiça, as forças de aplicação da lei e outros, para investigar, prender, processar e condenar todos os participantes das atividades do Falun Gong. De acordo com estatísticas incompletas, há pelo menos um milhão de funcionários em período integral ou meio expediente trabalhando em diferentes níveis numa infinidade de escritórios da Agência 610 em toda a China, desfrutando de amplo financiamento, sujeitos apenas ao Comitê do Partido Comunista e à central da Agência 610.

Desde a Revolução Cultural, Jiang Zemin foi o único líder do Partido Comunista Chinês a capitalizar sua posição, maximizando todos os recursos do governo em um esforço altamente organizado e coordenado, recorrendo inclusive a mecanismos extrajudiciais, para perseguir o povo chinês. Desde o início da perseguição em 1999, a máquina da Agência 610 do PCC trabalha de dia e de noite, dos núcleos urbanos às regiões rurais, perseguindo e torturando severamente os praticantes do Falun Gong no esforço frenético de transformar suas crenças espirituais.

Jiang Zemin não apenas usou o Grupo de Liderança e a Agência 610 para perseguir os praticantes do Falun Gong na China continental, mas também estendeu a função perseguidora da Agência 610 ao estrangeiro. Sob a direção da Agência 610, embaixadas e consulados chineses em todo o mundo coletaram informações e interromperam as atividades do Falun Gong no exterior. Em 2005, Chen Yonglin, o ex-primeiro-secretário do consulado-geral chinês em Sydney, Austrália, revelou numa entrevista à ABC Australian Television que o sistema da Agência 610 não apenas existe, mas altos funcionários da central da Agência 610 também visitaram Sydney para verificar seu desempenho no trabalho e exigir que ele fortalecesse seus esforços na perseguição ao Falun Gong. [8] No mesmo ano, Hao Fengjun, ex-funcionário da Agência 610 em Tianjin, que buscou o asilo político do governo australiano, divulgou numa entrevista à imprensa durante uma visita a Taiwan uma história interna que o Comitê Central do Partido Comunista Chinês emitiu documentos para criminalizar o Falun Gong. [9]

Jiang Zemin, com inveja e ódio contra o Falun Gong, criou uma atmosfera de terror na sociedade chinesa com seus asseclas escolhidos a dedo, promovidos de acordo com seu servilismo e desempenho na perseguição, incluindo o ex-diretor do Comitê de Assuntos Político-Legislativos (PLAC), Luo Gan, o chefe da segurança pública, Zhou Yongkang, o infame Bo Xilai, Xu Caihou e outros, transformando “toda a sociedade chinesa numa grande prisão”, tratando os gentis e bondosos praticantes do Falun Gong como inimigos e dividindo e destruindo suas famílias. Na noite de 8 de fevereiro de 2002, Yang Lirong, de 34 anos, praticante do Falun Gong da cidade de Dingzhou, distrito de Baoding, província de Hebei, foi estrangulada até a morte por seu esposo. O esposo, um motorista do Departamento de Padrões e Medidas, não conseguiu suportar a pressão implacável do assédio e intimidação da polícia. Aterrorizado por perder o emprego ou pior, ele agarrou a garganta da esposa na manhã seguinte à visita da polícia, deixando-a inconsciente por asfixia. Imediatamente, ele denunciou o incidente à polícia, que chegou ao local em questão de minutos e prontamente abriu a esposa e removeu os órgãos do corpo ainda quente. Um funcionário do Departamento de Segurança Pública de Dingzhou exclamou: “Isso não foi uma autópsia! Foi uma operação [de extração de órgão] com uma pessoa ainda viva!” [Minghui.org, 22 de setembro de 2004] Seu filho de 10 anos perdeu a mãe brutalmente, destruindo a família.

No Campo de Trabalho Forçado de Wanjia, na província de Heilongjiang, uma praticante com cerca de seis a sete meses de gravidez foi colocada em um banquinho com os pulsos amarrados com cordas grossas a uma viga três metros do chão. Uma extremidade da corda estava presa a uma polia na viga, a outra extremidade estava nas mãos de um guarda da prisão. O banquinho embaixo dela foi chutado para que ela ficasse pendurada. O guarda periodicamente relaxava e puxava a corda e ela caía rapidamente no chão para logo em seguida ser dependurada de novo. A mulher grávida foi torturada dessa maneira sucessivamente até que um aborto involuntário ocorresse. A crueldade deste ato foi agravada pelo fato de que seu esposo foi forçado a estar presente para testemunhar a tortura. [10]

Sob o desejo louco de Jiang Zemin de erradicar o Falun Gong em carne e espírito, os vitimados não foram apenas os praticantes do Falun Gong, mas também suas famílias e amigos. Advogados que se apresentaram para defender os praticantes do Falun Gong acabaram sendo perseguidos e torturados também. Esses advogados incluem Gao Zhisheng, que ficou amplamente conhecido como “a consciência da China”, Tang Jitian, Wang Yonghang e outros. Além disso, numerosos cidadãos foram implicados na perseguição por assinarem petições com suas impressões digitais em tinta vermelha para solicitar aos tribunais que libertassem os praticantes inocentes do Falun Gong de suas vizinhanças. Uma estimativa conservadora indica que, além dos 100 milhões de praticantes do Falun Gong que sofrem a perseguição de Jiang Zemin desde 1999, há várias vezes esse número de chineses que têm sofrido física e mentalmente devido à perseguição do Partido Comunista Chinês ao Falun Gong.

Pior ainda, os quadros do PCC que foram levados a participar da perseguição, com medo de serem levados à justiça depois que Jiang Zemin deixasse o cargo, estão tentando ao máximo induzir mais pessoas a se unirem à perseguição, formando alianças de cúmplices para que todos tenham sangue nas mãos e, sob o véu do silêncio, ninguém seja responsabilizado e a repressão possa continuar inabalável. O próprio Jiang Zemin, depois de deixar o poder, com medo de ser responsabilizado por seus atos perversos, foi ao extremo para garantir que seus aliados e parceiros no crime nas forças armadas e no Politburo, incluindo Zhou Yongkang, o secretário do Comitê Permanente do Gabinete Político Central, assim como a liderança do Comitê Central do Exército da Libertação Popular, no comando da segurança pública, e em outros sistemas centrais do Partido Comunista Chinês, prosseguissem com a perseguição brutal ao Falun Gong.

A perseguição de Jiang Zemin ao Falun Gong pode realmente ser chamada de “o maior desastre de direitos humanos do século 21”

1. Extensão da perseguição: Além da China continental, a perseguição se estendeu a Taiwan, Hong Kong e outros países e regiões onde existem praticantes do Falun Gong e consulados do Partido Comunista Chinês.

2. Mecanismos e meios de perseguição: Os mecanismos envolvem o uso abrangente de todos os sistemas diplomático, militar, de segurança nacional, educação, propaganda, administração, judicial e financeiro. Os meios incluem lavagem cerebral, espancamentos brutais e prolongados, choques com bastões elétricos, estupro coletivo e agressão sexual, administração de drogas psicotrópicas e experimentais lesivas, trabalho forçado, privação do sono, difamação, forçar os praticantes a desistirem das suas crenças, declararem-se culpados, e coagirem outros praticantes a se retratarem, julgamentos fraudulentos, negação de justiça, alimentação forçada e assim por diante.

O mais notório é o Campo de Trabalho Feminino de Masanjia, onde praticantes do Falun Gong são submetidos a até 20 tipos diferentes de métodos de tortura. [11] Yi Liping, praticante do Falun Gong da cidade de Tieling, província de Liaoning, foi enviada ao Campo de Masanjia três vezes por um total de 18 meses. Em 19 de abril de 2001, ela e oito outras praticantes foram colocadas em celas masculinas no Campo de Trabalho Masculino de Zhangshi, na província de Liaoning. Várias praticantes foram torturadas até a morte, algumas sofreram de distúrbios mentais durante a detenção e outras optaram por permanecer em silêncio devido à repressão. A moradora de Pequim, Liu Hua, foi enviada ao Campo de Masanjia por apelar ao governo. Ele comentou: “Minha colega de cela Xin Shuhua, da cidade de Benxi, província de Liaoning, me disse que ela foi uma das 18 praticantes do Falun Gong que foram trancadas em celas masculinas onde todas foram estupradas coletivamente em várias ocasiões.” [12]

No exterior, o Partido Comunista Chinês usa suas embaixadas e consulados não apenas para coletar informações pessoais dos praticantes do Falun Gong e seus parentes e amigos, mas também para conspirar com a mídia pró-PCC para difamar o Falun Gong no exterior, pagar bandidos locais para atacar o Falun Gong e perturbar suas atividades antiperseguição. Particularmente nos Estados Unidos, Canadá, América do Sul, Austrália, Taiwan e Hong Kong, os bandidos pró-PCC assediam e agridem os praticantes do Falun Gong que esclarecem a verdade e expõem as atrocidades da perseguição a turistas chineses e outros em locais de concentração turística. Suas táticas incluem incitação ao ódio, violência e danos à propriedade.

De todas as formas de perseguição do Partido Comunista Chinês, a mais hedionda deve ser a extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong. Em 2006, em Washington, D.C., uma enfermeira com o pseudônimo de Annie, cujo ex-esposo era neurocirurgião no Hospital Provincial de Trombose de Liaoning, e um repórter chinês com o pseudônimo de Peter se apresentaram para compartilhar seus conhecimentos sobre os crimes do PCC. Após seus relatos, o advogado canadense de direitos humanos David Matas e o ex-parlamentar canadense David Kilgour conduziram uma investigação independente sobre as alegações da extração forçada de órgãos na China. Com 52 evidências, eles confirmaram que as alegações da extração de órgãos vivos eram verdadeiras e chamaram o crime do PCC de “um mal sem precedente neste planeta”. [13]

3. Número de vítimas perseguidas: Jiang Zemin iniciou a perseguição ao Falun Gong em 20 de julho de 1999, privando 100 milhões de praticantes do Falun Gong na China dos seus direitos fundamentais, liberdade de expressão, crença e assembleia. Desde então, tem sido difícil estimar quantos praticantes do Falun Gong foram torturados, assassinados ou mortos por seus órgãos. Inúmeros praticantes estrangeiros do Falun Gong foram atacados por bandidos patrocinados pelo PCC. Além disso, inúmeros familiares de praticantes também sofreram com a perseguição.

4. Despesas da perseguição: Em uma conferência de imprensa de 2003 no Parlamento canadense, intitulada “O regime de Jiang Zemin utiliza enormes recursos financeiros nacionais em sua perseguição ao Falun Gong”, a Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong, a convite dos membros do Parlamento do Canadá, apresentaram uma lista de gastos parciais, que incluía um investimento de 4,2 bilhões de yuanes para a construção de centros de lavagem cerebral em dezembro de 2001. Em 4 de julho de 2001, a ABC informou que quase metade dos detidos nos campos de trabalho eram praticantes do Falun Gong.

Para encarcerar um número crescente de praticantes do Falun Gong, muitas províncias e cidades gastaram grandes quantias para construir ou expandir campos de trabalho. O investimento total do projeto de realocação do campo de trabalho da província de Shanxi foi de 19,37 milhões de yuanes. Para estimular e incentivar os perpetradores a fortalecerem sua perseguição ao Falun Gong, o diretor Su e o vice-diretor Shao do Campo de Trabalho de Masanjia foram recompensados com 50 mil e 30 mil yuanes, respectivamente. Em muitas áreas, a recompensa pela captura de um praticante do Falun Gong atingiu vários milhares de yuanes ou até mais de 10 mil yuanes.

Em 2001, informações internas do Ministério da Segurança Pública do PCC revelaram que o custo de prender praticantes do Falun Gong na Praça da Paz Celestial estava entre 1,7 e 2,5 milhões de yuanes por dia, ou 620 a 910 milhões de yuanes por ano. Das cidades às áreas rurais remotas, as forças policiais locais, os departamentos de segurança e os funcionários da Agência 610 caçam praticantes do Falun Gong em todos os lugares. Relatórios estimam que Jiang Zemin contratou pelo menos alguns milhões de pessoas para fazer seu trabalho sujo. Seus salários totais, bônus, horas extras e subsídios para perseguir pessoas inocentes representavam centenas de bilhões de yuanes por ano.

De acordo com uma reportagem da Agência Central de Notícias de Taiwan de março de 2003, em 27 de fevereiro de 2001, Jiang Zemin despendeu 4 bilhões de yuanes para instalar câmeras de vigilância destinadas a monitorar os praticantes do Falun Gong. Um grande número de materiais difamatórios e de propaganda foi publicado em vários formatos, incluindo livros, brochuras, VCDs e pôsteres. Pelo menos dois filmes e uma série de TV anti-Falun Gong de 20 episódios foram produzidos para difamar a prática. Um quarto dos recursos econômicos da China é usado para perseguir o Falun Gong, e é uma das razões por que a perseguição pode continuar.

A fonte dos fundos é desviada de investimentos, do dinheiro suado dos cidadãos comuns, além de pesadas multas ilegais impostas aos praticantes do Falun Gong, suas famílias e suas unidades de trabalho. Vastas somas de dinheiro são gastas em segurança pública, pela Agência 610 e em intervenções no estrangeiro para fins de perseguição. [14]

5. Continuidade da perseguição: Tendo começado em 20 de julho de 1999, o dia em que Jiang Zemin anunciou oficialmente a supressão do Falun Gong, até hoje, a perseguição prossegue diariamente e sem interrupção.

Apesar da crueldade sem precedente desse desastre de direitos humanos, a intenção de Jiang Zemin de “eliminar o Falun Gong” está fadada ao fracasso desde o início. Embora as táticas de repressão do Partido Comunista Chinês para “combater”, “atacar implacavelmente” e “destruir” tenham sido eficazes no passado, para os praticantes do Falun Dafa, com sua firme adesão aos princípios de “verdade, compaixão, perseverança”, não há agressão física ou sexual, choque elétrico ou tortura extrema que possa privá-los de suas crenças espirituais. Existem inúmeros casos de praticantes do Falun Gong que foram coagidos e forçados pelo PCC a escrever “confissões” e “garantias de desistência”, mas que retornaram às suas crenças. [15]

Maior processo judicial internacional de direitos humanos do século 21

A colaboração de Jiang Zemin e do Partido Comunista Chinês na perseguição ao Falun Gong resultou na negação da justiça para os praticantes do Falun Gong e na perseguição dos seus advogados de defesa na China. Em 25 de agosto de 2000, no segundo ano da repressão, dois praticantes do Falun Gong entraram com queixas criminais junto à Suprema Procuradoria Popular da China e ao Supremo Tribunal Popular da China contra Jiang Zemin, Zeng Qinghong (secretário do Gabinete do Comitê Central do PCC), e Luo Gan (secretário do Comitê de Assuntos Político-Legislativos), por perseguirem o Falun Gong. Como resultado, os dois praticantes foram presos imediata e secretamente pela polícia. Um morreu, o outro ficou ferido. [16]

Após vários fracassos em instar Jiang Zemin a encerrar a perseguição, os praticantes estrangeiros do Falun Gong entraram com queixas criminais, instauraram processos privados e ações civis contra Jiang e seus asseclas em 30 países em todo o mundo desde 2002. O Grupo de Advogados de Direitos Humanos do Falun Gong se refere aos processos judiciais contra Jiang Zemin e outros perpetradores como o “Processo Global contra Jiang”. Os praticantes do Falun Gong apresentaram queixas criminais e processos civis contra Jiang e outros autores em tribunais nacionais no exterior por genocídio, tortura e crimes contra a humanidade, o crime mais grave sob as leis criminais internacionais. Nesses processos judiciais, os praticantes do Falun Gong pediram aos tribunais que exercessem jurisdição universal e emitissem um mandado para prender os acusados Jiang e outros autores. O “Processo Global contra Jiang” visa, da maneira mais nobre e correta, esclarecer a verdade sobre a perseguição e buscar justiça nos países democráticos, uma vez que os esforços dos praticantes do Falun Gong falharam no sistema judicial da China e no Tribunal Penal Internacional.

Considerando o número de tribunais nacionais onde os praticantes do Falun Gong apresentaram queixas criminais e ações civis, a amplitude da liderança do Partido Comunista Chinês e altos funcionários do regime que estão sendo processadas, e a escala transnacional dos advogados de direitos humanos envolvidos, o “Processo Global contra Jiang” pode ser chamado de “o maior processo internacional de direitos humanos do século 21”. Isso é sem precedente. No “Processo Global contra Jiang”, Jiang Zemin, Luo Gan, Liu Jing, Zhou Yongkang, Zeng Qinghong e Bo Xilai são considerados os mais notórios quadros do PCC seriamente envolvidos na perseguição ao Falun Gong. Os praticantes do Falun Gong de Hong Kong e Taiwan perseguidos na China continental também iniciaram uma acusação privada e uma ação civil nos tribunais de Taiwan e Hong Kong, respectivamente contra Jiang Zemin, Li Lanqing e Luo Gan por genocídio e tortura.

Em novembro de 2009, o Tribunal Nacional espanhol processou Jiang Zemin, Luo Gan, Bo Xilai, Jia Qinglin e Wu Guanzheng pela perseguição ao Falun Gong, acusando-os de crimes de genocídio e tortura. No mês seguinte, o tribunal federal argentino emitiu um mandado internacional para prender Jiang Zemin e Luo Gan por sua perseguição ao Falun Gong, acusando-os de crimes contra a humanidade. Na época, a mídia de Hong Kong e Taiwan, o Washington Post, o New York Times, a Voice of America e outras mídias internacionais relataram o incidente. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China se manifestou com uma ameaça, alegando que o mandado de prisão afetava as relações entre a China e a Argentina. [17] Jiang Zemin se tornou o primeiro ex-líder do país e do Partido Comunista Chinês a receber mandados de prisão de um tribunal estrangeiro.

De acordo com estatísticas incompletas do Grupo de Advogados de Direitos Humanos do Falun Gong, [18] a situação geral do “Processo Global contra Jiang” está resumida abaixo:

1. Países ou territórios onde os praticantes do Falun Gong apresentaram queixas criminais, processo privado ou ações civis contra o ex-líder chinês Jiang Zemin por genocídio, tortura e crimes contra a humanidade:

• Europa: Bélgica, Espanha, Alemanha, Grécia, Holanda, Suécia
• Américas: Estados Unidos, Canadá, Bolívia, Chile, Argentina, Peru
• Ásia: Taiwan, Hong Kong, Japão, Coreia do Sul
• Oceania: Austrália, Nova Zelândia

2. Países e territórios onde os praticantes do Falun Gong apresentaram queixas criminais ou ação civil contra funcionários do PCC por genocídio, tortura e crimes contra a humanidade:

• Europa: França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Suécia, Finlândia, Armênia, Moldávia, Islândia, Espanha, Suécia, Irlanda, Dinamarca, Chipre, Rússia, Áustria, Suíça
• Américas: Estados Unidos, Canadá, Bolívia, Chile, Argentina, Peru
• Ásia: Taiwan, Hong Kong, Japão, Coreia do Sul
• Oceana: Austrália, Nova Zelândia
• África: Tanzânia

3. Os funcionários do PCC, antigos ou ainda no cargo, contra os quais os praticantes do Falun Gong apresentaram queixas criminais ou ações civis nos países ou territórios mencionados acima:

• Luo Gan (secretário do Comitê de Assuntos Político-Legislativos)
• Zhou Yongkang (ministro da segurança pública, secretário do Comitê de Assuntos Político-Legislativos)
• Zeng Qinghong (vice-presidente)
• Bo Xilai (ministro do comércio)
• Li Lanqing (vice-primeiro-ministro do Conselho de Estado)
• Liu Jing (vice-ministro da segurança pública)
• Zhao Zhifei (chefe do Departamento de Segurança Pública da província de Hubei)
• Liu Qi (prefeito de Pequim)
• Li Changchu (membro do Comitê Permanente do Politburo do PCC)
• Xia Deren (vice-secretário do Comitê do PCC na província de Liaoning)
• Wu Guanzheng (secretário do Comitê do PCC na província de Shandong)
• Wang Maolin (gerente-central da Agência 610)
• Wang Xudong (ministro do Ministério da Indústria da Informação da China, secretário do Comitê do PCC na província de Hebei)
• Zhao Zhizhen (chefe do Departamento de Rádio e Televisão da cidade de Wuhan)
• Chen Zhili (ministro da educação)
• Jia Qinglin (secretário do Comitê Municipal de Pequim, presidente do Comitê Consultivo Político do Povo)
• Su Rong (secretário do Comitê do PCC na província de Gansu)
• Xu Guangchun (secretário do Comitê do PCC na província de Henan)
• Huang Huahua (governador da província de Guangdong)
• Wang Sanyun (governador da província de Anhui)
• Ji Lin (vice-prefeito da cidade de Pequim)
• Zhao Zhengyong (governador interino da província de Shaanxi)
• Chen Zhenggao (governador da província de Liaoning)
• Wang Zuoan (chefe do Departamento Estatal de Assuntos Religiosos)
• Ye Xiaowen (chefe do Departamento Estatal de Assuntos Religiosos)
• Yang Song (vice-secretário do Comitê do PCC na província de Hubei, chefe local da Agência 610)
• Huang Ju (vice-primeiro-ministro do Conselho de Estado)
• Guo Chuanjie (vice-secretário da Academia Chinesa de Ciências, vice-chefe do Grupo de Liderança da Agência 610)
• Li Yuanwei (chefe do Departamento Administrativo das Prisões em Lingyuan, província de Liaoning, chefe local da Agência 610)
• Jia Chunwang (ex-ministro de segurança pública)
• Lin Yanchi (vice-secretário do Comitê do PCC na província de Jilin, chefe do Grupo de Liderança da Agência 610)
• Sun Jiazheng (vice-presidente do Comitê Consultivo Político do Povo, ex-ministro do Ministério da Cultura)
• Wang Yusheng (vice-presidente da Associação Anticulto da China)
• Wang Taihua (secretário do Comitê do PCC na província de Anhui)
• Zhang Dejiang (secretário do Comitê do PCC na província de Guangdong)
• Chen Shaoji (secretário do Comitê de Assuntos Político-Legislativos na província de Guangdong)
• Shi Honghui (chefe do Departamento de Reeducação pelo Trabalho na província de Guangdong e secretário do Comitê provincial do PCC)
• Guo Jinlong (prefeito da cidade de Pequim)
• Qiang Wei (secretário do Comitê do PCC na província de Jiangxi)

4. Embaixadas chinesas e organizações comunistas estrangeiras contra as quais os praticantes do Falun Gong apresentaram queixas criminais e ações civis por agressão, destruição de propriedades, assédio, calúnia e difamação: EUA, Indonésia, Canadá, Alemanha, Coreia do Sul, Rússia, Malásia, Japão e Filipinas. Além disso, Pan Xinchun, vice-conselheiro-geral da embaixada da China no Canadá; Li Bin, embaixador chinês na Coreia do Sul; Zhang Xin, conselheiro da embaixada chinesa na Coreia do Sul e cinco outros conselheiros; também Sun Xiangyang, oficial de informações da embaixada chinesa na Malásia; e outros foram indiciados.

5. Os praticantes do Falun Gong também apresentaram queixas legais no Tribunal Penal Internacional, no Comitê contra a Tortura da ONU, na Comissão de Direitos Humanos da ONU (antigo Conselho de Direitos Humanos da ONU) e no Tribunal Europeu de Direitos Humanos contra Jiang Zemin, Zeng Qinghong e a Agência 610 por seu papel na perseguição ao Falun Gong.

Conclusão: ‘Julgamento de Pequim’ é um requisito histórico

Os perversos perpetradores de crimes hediondos devem enfrentar avaliação histórica e devem ser julgados em tribunal. A humanidade como um todo, independentemente de raça ou credo, almeja a justiça e acredita que o bem e o mal serão recíprocos em espécie. Sabedoria é adquirida e lições são aprendidas de experiências passadas. O que se pode aprender da história pode servir como a ferramenta mais vital em nossa busca de paz e prosperidade para a humanidade.

Após a Segunda Guerra Mundial, o “Julgamento de Nuremberg” levou a sociedade humana a desenvolver mecanismos para punir crimes hediondos internacionais, impactando significativamente o avanço das leis internacionais de direitos humanos. Após o julgamento, a Convenção Internacional dos Direitos Humanos foi desenvolvida para a prevenção e punição de crimes de genocídio, crimes contra a humanidade e tortura; além de outras normas internacionais para implicar os responsáveis. O Tribunal Penal Internacional surgiu depois disso. O desenvolvimento de todos esses mecanismos internacionais de justiça prova que as atrocidades não devem ser toleradas pela humanidade. Louvar o bem e punir o mal sempre será o padrão para a história humana.

Jiang Zemin e um grande número de autoridades em todos os níveis do governo chinês desempenharam um papel no planejamento e na implementação da perseguição cruel ao Falun Gong. Não há melhor maneira de fechar esta página trágica da história do que levar os vilões comunistas responsáveis pela perseguição ao Falun Gong a julgamento.

Jiang Zemin e seus asseclas devem ser levados à justiça na China, para que o povo chinês, por todas as gerações vindouras, se lembre para sempre dessas lições da história, para que crimes hediondos e desprovidos de humanidade nunca mais aconteçam. A perseguição ao Falun Gong é um teste da consciência humana. Após décadas de tortura, repressão brutal e assassinato em massa, a desintegração do Partido Comunista Chinês é inevitável. Um “julgamento de Pequim” é um requisito necessário. É imperativo!

Retornar à Introdução e ao Índice

—————————

[1] “Theresa Chu clama a ONU que investigue a extração de órgãos vivos nos campos de concentração do PCC,’” The Epoch Times, 23 de julho de 2014. http://www.epochtimes.com/b5/14/7/23/n4207441.htm

[2] “Ex-alto comissário da ONU: Alegações de extração forçada de órgãos pelo PCC é credível”, Minhui.org, 11 de novembro de 2011. http://big5.minghui.org/mh/articles/2011/11/11/%E5%89%8D%E%81%AF%E5%90%88%E5%9C%8B%E5%B0%88%E5%93%A1%E5%B0%8D%E4%B8%AD%E5%85%B1%E6%B4%BB%E6%91%98%E5%99%A8%E5%AE%98%E6%8C%87%E6%8E%A7%E5%8F%AF%E4%BF%A1%EF%BC%88%E5%9C%96%EF%BC%89-249086.html

“Relatório (5) da extração de órgãos vivos do Falun Gong pelo PCC”. http://big5.minghui.org/mh/articles/2012/11/7/%E4%B8%AD%E5%85%B1%E6%B4%BB%E9%AB%94%E6%91%98%E5%8F%96%E6%B3%95%E8%BC%AA%E5%8A%9F%E5%AD%B8%E5%93%A1%E5%99%A8%E5%AE%98%E5%A0%B1%E5%91%8A%EF%BC%88%E4%BA%94%EF%BC%89-265162.html

[3] “Relatório (1) da extração de órgãos vivos do Falun Gong pelo PCC”. http://www.xinsheng.net/xs/articles/big5/2012/11/19/49074p.html

[4] Tang Wen, “O sentido distorcido da inveja de Jiang Zemin contra o fundador e mestre do Falun Gong, Li Hongzhi”, The Epoch Weekly, 28 de agosto de 2014. http://www.epochweekly.com/b5/394/14023p5.htm

“ Photos of CCP’s War on Falun Gong From Failed Eradication Attempts to Protracted Struggles to Final War in Recent Years”, Apollo News, 13 de agosto de 2014. http://tw.aboluowang.com/2014/0813/429444.html#sthash.xO2JE2IQ.dpbs

[5] Qi Xianyu, “Luta interna pelo poder é exacerbada por dívida de sangue”, The Epoch Weekly, 22 de dezembro de 2011. http://www.epochweekly.com/b5/257/10244.htm

[6] Conteúdo detalhado da Convenção das Nações Unidas. http://www.un.org/chinese/hr/issue/docs/85.PDF

[7] Relatório (IX) da Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG): Relatório sobre a Agência 610 do Comitê Central do PCC. http://www.epochtimes.com/b5/4/10/26/n700451.htm; https://www.upholdjustice.org/node/35

“‘History Today,’ Gestapo-Style CCP’s 610 Office Name Change”, The Epoch Times, 15 de outubro de 2014. http://www.epochtimes.com/b5/14/10/14/n4271937.htm

[8] “Chen Yonglin: liderança da Agência 610 visitou consulado para inspecionar progresso dos trabalhos”, The Epoch Times, 21 de junho de 2005. http://www.epochtimes.com/b5/5/6/21/n960607.html

[9] “Estação Central de Rádio de Taiwan entrevista Hao Fengjun”, The Epoch Times, 27 de dezembro de 2005. http://www.epochtimes.com/b5/5/12/27/n1168126.htm

“Hao Fengjun, ex-funcionário da Agência 610, testemunha que PCC persegue Falun Gong com acusações falsas”, Minghui.org, 12 de junho de 2005. http://big5.minghui.org/mh/articles/2005/6/12/103923.htm

[10] “Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês – Capítulo 5: O conluio de Jiang Zemin e do Partido Comunista Chinês na Perseguição ao Falun Gong”. https://www.epochtimes.com.br/nove-comentarios-partido-comunista-chines-capitulo-5/

[11] “Lista parcial das torturas extremas conduzidas no Campo de Trabalho Forçado de Masanjia”, Minghui.org. http://huiyuan.minghui.org/big5/html/articles/2006/3/6302.html

[12] “Novo livro de Du Bin, publicado em Hong Kong, expõe tortura sexual em Masanjia”, The Epoch Times, 23 de julho de 2014. http://www.epochtimes.com/b5/14/7/23/n4207573.htm

[13] Para mais detalhes, por favor, consulte o livro Bloody Harvest, publicado pela Broad Press. https://www.books.com.tw/products/0010508143

[14] “Agência Central de Notícias (CAN): governo do PCC gasta vastas somas dos recursos financeiros nacionais na perseguição ao Falun Gong”, Minghui.org, 23 de março de 2003. http://big5.minghui.org/mh/articles/2003/3/23/46962.html; http://www.zhuichaguoji.org/sites/default/files/record/2004/05/132-jiang_ze_min_ji_tuan_2.pdf

[15] Coleção do site Minghui.org de declarações solenes para continuar a prática do Falun Gong por praticantes que foram coagidos a renunciar a prática e escrever declarações de arrependimento. http://big5.minghui.org/mh/fenlei/85/

[16] “Multimilionário processa principal responsável pela perseguição ao Falun Gong”, Minghui.org. http://weekend.minghui.org/big5/343/343_05.htm

[17] “Prestação de contas está prestes a começar, Jiang Zemin se torna o primeiro secretário-geral a receber mandados de prisão emitidos por países estrangeiros”, The Epoch Times, 11 de fevereiro de 2014. http://www.epochtimes.com/b5/14/2/11/n4080335.htm

[18] O “Grupo de Advogados de Direitos Humanos do Falun Gong” é composto por advogados estrangeiros do Falun Gong e outros advogados qualificados que foram nomeados por praticantes do Falun Gong em todo o mundo para entrar com ações contra Jiang Zemin, o principal culpado da perseguição ao Falun Gong. A lista do “Processo Global contra Jiang” mencionada aqui é parte das informações fornecidas por membros desse grupo global de advogados.

 
Matérias Relacionadas