Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 15

A desatenção à matança do Falun Gong por seus órgãos

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 15: A desatenção à matança do Falun Gong por seus órgãos

Por David Matas

A reação à evidência da morte de praticantes do Falun Gong por seus órgãos não foi proporcional à gravidade da ofensa, nem à qualidade da evidência.

Por que isso ocorre?

Acumulação de evidências

Uma razão é que verificar todas as evidências relevantes – e há muitas delas, para chegar a uma conclusão informada de que o Falun Gong está ou não sendo morto por seus órgãos – é uma tarefa demorada. Muitas pessoas não têm tempo.

No entanto, não existe um atalho fácil. As pessoas presentes na cena da extração de órgãos de praticantes do Falun Gong são agressores ou vítimas. Não há espectadores.

Como as vítimas são assassinadas e cremadas, não há ninguém a ser encontrado, nenhuma autópsia a ser conduzida. Exceto em raríssimos casos, não há vítimas sobreviventes para contar o que aconteceu com elas. Os autores não tendem a confessar pública e repetidamente, e em detalhes o que equivale a crimes contra a humanidade.

As cenas dos crimes não deixam vestígios. Quando a extração de órgãos é concluída, a sala de operações onde isso ocorre se parece com qualquer outra sala de operações vazia.

Se a história do assassinato do Falun Gong por seus órgãos pudesse ser contada em dez segundos, seria uma história fácil de contar. O problema levantado pela questão do assassinato do Falun Gong por seus órgãos não é por causa de pouca evidência, mas sim de muita. Como a história é do tamanho de um livro, contá-la não é tão fácil.

Encobrimento

Quanto mais o tempo passa, menos informações estão disponíveis sobre o transplante de órgãos na China e mais sofisticado o encobrimento se torna. A experiência da minha pesquisa é que, assim que eu cito uma fonte oficial chinesa, ela desaparece. Anúncios em sites de hospitais sobre curtos tempos de espera para transplantes desapareceram, assim como a vanglória pública da quantidade de dinheiro que é feita com os transplantes.

As listas de preços oficiais chinesas para transplantes desapareceram. Os hospitais não dizem mais àqueles que telefonam ou entram em contato que eles têm órgãos do Falun Gong para venda dentro de 2 a 3 semanas.

O registro de transplante de fígado de Hong Kong, que costumava publicar os volumes agregados de transplante de fígado, não o faz mais. Os médicos chineses de transplante que costumavam enviar cartas de referência a médicos estrangeiros após o atendimento sobre as operações de seus pacientes, com dados sobre as fontes de órgãos e medicamentos antirrejeição, não o fazem mais.

O governo chinês alega que os prisioneiros de quem os órgãos são originários são todos condenados à morte. No entanto, o governo se recusa a divulgar estatísticas de pena de morte.

Eu e outros arquivamos todas as informações que referenciamos para que pesquisadores independentes possam ver o que vimos. No entanto, ao longo do tempo, houve uma degradação progressiva dos dados disponíveis de fontes oficiais chinesas. Parece haver um encobrimento sistemático da origem de órgãos.

Novidade da violação

Os inovadores da tecnologia de transplantes, podemos ter certeza, nunca imaginaram que o que eles desenvolveram seria usado para matar prisioneiros de consciência e vender seus órgãos por enormes quantias.

Felix Frankfurter, juiz da Suprema Corte dos EUA, em 1943, reagindo ao ser informado por Jan Karski sobre o Holocausto, disse a um diplomata polonês: “Eu não disse que esse jovem estava mentindo. Eu disse que não conseguia acreditar no que ele me contou. Há uma diferença.”

A morte de prisioneiros de consciência por seus órgãos representa uma forma repugnante de mal que, apesar de todas as depravações que a humanidade já viu, é nova neste planeta. O próprio horror faz os observadores recuarem incrédulos.

Novidade do Falun Gong

Ativistas da democracia reprimidos, assim como jornalistas, defensores dos direitos humanos, ativistas tibetanos e cristãos, geram mais simpatia do que o Falun Gong, porque são mais familiares ao Ocidente. O surgimento público do Falun Gong é recente, iniciado em 1992, e estrangeiro, sem uma ligação óbvia às tradições arraigadas globalmente.

Para quem está de fora, causa estranheza imediata, embora superficial, o nome “Falun Gong”. As palavras “Falun” e “Gong” nos idiomas ocidentais não significam nada.

Para os comunistas, vitimizar o Falun Gong é um crime, embora mais fácil de esquivar-se do que vitimizar outros grupos mais conhecidos. As vítimas do Falun Gong geralmente são pessoas sem conexões ocidentais ou fluência nos idiomas ocidentais. É muito mais fácil para os estrangeiros se relacionarem com vítimas que possuem rótulos universais, como jornalistas, defensores dos direitos humanos e ativistas da democracia, do que com um grupo cujo nome não significa nada para a maioria dos ouvintes.

É muito mais fácil deturpar o desconhecido do que o conhecido. Quando os comunistas criticam os budistas tibetanos ou as igrejas domésticas cristãs, sabemos que eles estão falando bobagem. Quando os comunistas criticam o Falun Gong, muitas pessoas não sabem ao certo se há alguma base para as acusações.

Propaganda comunista

Depois que o regime do Partido Comunista Chinês decidiu proibir o Falun Gong, a campanha de propaganda começou contra a prática do Falun Gong. Essa propaganda tem sido sistemática e implacável em todo o mundo. Ela consiste inteiramente em estereótipos infundados para justificar a repressão, que existe por razões inteiramente diferentes.

O incitamento ao ódio contra o Falun Gong, como todo incitamento à intolerância, tem um impacto. O lugar afetado mais intensamente é a China, onde a propaganda não é contradita. Mas o incitamento tem um efeito insidioso em toda parte.

O barulho chinês sobre a prática do Falun Gong confunde e obscurece. Muitos daqueles que não aceitam na íntegra a propaganda chinesa contra o Falun Gong, no entanto, consideram que deve haver algo impróprio no Falun Gong por trás de todas essas acusações do regime.

O ceticismo sobre o Falun Gong não se baseia em nada que caracterize a prática do Falun Gong, mas sim no impacto residual da incitação do regime do Partido Comunista Chinês contra a prática. Dito de forma direta e simples, é puro preconceito.

Interesses contrários

A China é uma potência global com alcance político e econômico em todo o planeta. O peso econômico da China supera de longe o de outros grandes violadores dos direitos humanos.

Algumas pessoas, por razões de conveniência política, diplomática ou econômica, engolem qualquer coisa dita pelo Partido Comunista Chinês, verdadeira ou não. Para esses companheiros de viagem, o que é relevante é apenas o que foi dito pelo Partido Comunista Chinês. Verdade ou falsidade é uma questão de indiferença.

Para outros, o que quer que acreditem, seu senso de prudência determina o silêncio. Eles não querem minar seus interesses pessoais dizendo algo sobre um assunto que não os afeta pessoalmente.

Por exemplo, o consulado chinês em Toronto escreveu aos conselheiros municipais em 2004, pedindo-lhes que se opusessem a uma moção pela proclamação de uma semana do Falun Gong. As cartas diziam: “Se aprovada, a moção terá um efeito muito negativo em nossas futuras trocas e cooperação benéficas.” Entre as “trocas e cooperação benéficas”, que o conselheiro da cidade de Toronto, Michael Walker, ouviu serem mencionadas, estava a ameaçada sobre a venda de um reator nuclear fabricado no Canadá, o CANDU, para a China, a construção pela empresa canadense Bombardier de uma linha ferroviária para o Tibete e um empréstimo de dois pandas para o Zoológico Metropolitano de Toronto. [1] As ameaças tão desproporcionais ao evento mostraram a importância para o regime comunista chinês de silenciar o conteúdo.

A alavanca de poder do governo da China é particularmente evidente nas universidades ocidentais. Se há uma coisa que você precisa saber para entender o governo da China, é o seu tratamento do Falun Gong. O governo da China trata o Falun Gong como seu inimigo público número um. A China, ao que parece, gasta mais tempo, dinheiro e esforço com o Falun Gong em suas embaixadas e consulados em todo o mundo do que em qualquer outra coisa. Quando a China enche suas prisões e campos de trabalho com praticantes do Falun Gong, essa obsessão não nos diz nada sobre o Falun Gong. Mas nos diz muito sobre o governo da China. Um foco na preocupação chinesa com o Falun Gong nos dá uma visão mais clara da mentalidade e dinâmica do governo da China do que qualquer outro foco.

No entanto, nos departamentos de estudos chineses nas universidades de todo o mundo, quase sem exceção, não há cursos, projetos de pesquisa, publicações ou palestras sobre o Falun Gong. Os departamentos de estudos da China em todo o mundo estão em silêncio sobre a perseguição ao Falun Gong, apesar do fato de que essa perseguição nos diz mais sobre a China do que praticamente qualquer outra coisa. Nos departamentos de estudos da China, o Falun Gong é cuidadosamente ignorado.

É como se os departamentos de física da universidade ignorassem a teoria da relatividade de Einstein, como se os departamentos de literatura inglesa da universidade ignorassem Shakespeare. Quando as universidades ignoram algo tão central na China, tão óbvio, isso não é ignorância. É um desejo de não antagonizar a China. Os estudiosos sobre a China sentem que precisam da cooperação do governo da China, pelo menos para obter vistos para entrar na China, para prosseguir com seu trabalho. Para garantir essa cooperação, eles se afastam de um assunto que o governo da China não gostaria que considerassem. Os estudiosos têm integridade suficiente para não seguir a linha do governo chinês a respeito do Falun Gong. Mas se eles dizem mais alguma coisa, as autoridades chinesas perdem as estribeiras. Para evitar essa reação, eles não dizem nada.

Falta de estrutura

O Falun Gong não é uma organização; nem depende de indivíduos específicos. É antes um conjunto de exercícios com uma base espiritual.

Os exercícios podem ser feitos por qualquer pessoa, em qualquer lugar, a qualquer momento, embora geralmente sejam feitos uma vez por dia, geralmente juntos em grupos, como as muitas outras práticas de Taiji Quan e qigong nos parques chineses. Quem estiver interessado pode começar os exercícios quando quiser e parar quando quiser. Enquanto praticam, eles são livres para praticar os exercícios o mínimo ou o máximo que acharem conveniente.

Uma pessoa não precisa se registrar com ninguém, participar de qualquer coisa ou pagar qualquer quantia para praticar os exercícios. Todas as informações sobre como fazer os exercícios estão disponíveis pública e gratuitamente.

Quem pratica o Falun Gong não tem liderança organizacional. O fundador Li Hongzhi não é venerado pelos praticantes. Ele também não recebe fundos dos praticantes. Ele é uma pessoa particular que raramente se encontra com os praticantes. A maioria dos praticantes nunca o conheceu.

A falta de estrutura na comunidade do Falun Gong dificulta as verificações de direitos humanos. Existe um site, o Minghui.org, que reúne relatos de vitimização. Há também uma ONG, a Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG), que faz algumas pesquisas e análises. O site e a ONG são muito parecidos com a comunidade de praticantes do Falun Gong em geral, ou seja, não há dinheiro, liderança, escritórios, funcionários e uma grande dependência de voluntários.

Simpatia pelo comunismo

Os comunistas chineses se tornaram tão capitalistas que é surpreendente ver os socialistas se unindo à causa comunista chinesa. No entanto, esse fenômeno ainda existe. O regime do Partido Comunista Chinês conseguiu conquistar para o seu campo muitos elementos da comunidade global de esquerda que sentem nostalgia do antigo comunismo chinês.

Essa falsa solidariedade esquerdista se manifesta em parte ao rejeitar qualquer crítica à China comunista, incluindo críticas à sua perseguição ao Falun Gong. Os esquerdistas dos velhos tempos engolem as fantasias do Partido Comunista de que a CIA está por trás do Falun Gong e protestam a respeito. [2] Embora esse tipo de suspeita seja exagerada demais para conseguir muitos seguidores, ela previne a unanimidade em todo o espectro político ao enfrentar a perseguição chinesa ao Falun Gong em geral e o assassinato do Falun Gong por seus órgãos em particular.

Onus reverso

Em alguns lugares, existe uma atitude de que o assassinato do Falun Gong por seus órgãos deve ser estabelecido com certeza e, na ausência dessa certeza, nada precisa ser feito. Essa expectativa desloca o ônus de onde ele recai propriamente.

O ônus não recai sobre os pesquisadores para mostrar que os praticantes do Falun Gong estão sendo mortos por seus órgãos. Os pesquisadores não têm de explicar de onde a China obtém seus órgãos para transplantes, a China deve fazer isso. Cabe ao governo da China explicar o fornecimento dos seus órgãos.

A Organização Mundial da Saúde, em uma Assembleia em maio de 2010, endossou os Princípios Orientadores sobre Transplante de Células, Tecidos e Órgãos Humanos. Dois desses princípios orientadores são rastreabilidade e transparência.

No Grupo de Trabalho de Revisão Periódica Universal das Nações Unidas, em fevereiro de 2009, Canadá, Suíça, Reino Unido, França, Áustria e Itália recomendaram que a China publicasse estatísticas de pena de morte. O governo da China disse não a essa recomendação. A mesma recomendação foi repetida pela Bélgica, França, Nova Zelândia, Noruega, Suíça, Reino Unido e Itália no Grupo de Trabalho de Revisão Periódica Universal das Nações Unidas em outubro de 2013. Desta vez, a China disse, vamos considerar.

A conexão entre estatísticas de pena de morte e abuso de transplante de órgãos foi explicitada pelo relator da ONU sobre tortura, pelo relator da ONU sobre intolerância religiosa e pelo Comitê da ONU contra a Tortura. Todos pediram à China que explicasse a discrepância entre o número de transplantes e o volume de fontes de órgãos.

O Comitê da ONU contra a Tortura, em suas observações finais de novembro de 2008 do relatório estatal da China, escreveu que a China deveria: “conduzir imediatamente ou comissionar uma investigação independente sobre as alegações de que alguns praticantes do Falun Gong foram submetidos à tortura e usados para transplante de órgãos, e tomar medidas, conforme apropriado, para garantir que os responsáveis por esses abusos sejam processados e punidos.”

Falta de casos individuais

A conclusão de que os praticantes do Falun Gong têm sido assassinados em grande número por seus órgãos depende da confluência de várias trilhas de evidência. Essa evidência não identifica necessariamente vítimas individuais. Uma resposta à evidência de que dezenas de milhares de praticantes do Falun Gong foram assassinados por seus órgãos é: “nomeie-os”.

Este pedido para nomear casos individuais pode ser feito por ceticismo. Alternativamente, a solicitação para identificar casos individuais é feita porque o ativismo em torno de um caso individual pode ser mais fácil do que a defesa de um fenômeno geral. É mais difícil para o governo da China contornar uma investigação quando ela é pontual, quando dizemos o nome da vítima, a data da vitimização e o local em que ocorreu.

Identificar casos individuais é inerentemente difícil por várias razões. Uma é que tipicamente vitimizações individuais nesses casos não deixam vestígios para trás.

Além disso, as principais vítimas do Falun Gong da extração de órgãos são os que não se identificam. O Falun Gong se recusa a se identificar para seus carcereiros para proteger seus amigos, locais de trabalho e famílias que, de outra forma, são vitimados por não os terem denunciado. Seus carcereiros não sabem quem eles são e suas famílias não sabem onde eles estão. Aqueles que vitimam os praticantes do Falun Gong podem não saber nada sobre eles além de que são praticantes.

Em princípio, a necessidade de identificar vítimas individuais não deveria importar. A evidência geral do abuso é esmagadora, mesmo sem a identificação das vítimas individuais.

No entanto, alguns casos nomeados individuais surgiram. Sete deles são mencionados no livro Bloody Harvest. Um oitavo foi mencionado em um discurso que proferi num fórum na União William Pitt, na Universidade de Pittsburgh, em 28 de março de 2013. [3]

Cinco dos oito casos mencionados no livro Bloody Harvest são de familiares de vítimas. Esses familiares de praticantes do Falun Gong que morreram em detenção relataram ter visto os cadáveres de seus entes queridos com incisões cirúrgicas e partes do corpo ausentes. As autoridades não deram uma explicação coerente para esses cadáveres mutilados. Não há explicação oficial para o motivo dos corpos terem sido mutilados. Sua mutilação é consistente com a extração de órgãos.

Simetria falsa

O governo da China difama o Falun Gong. Os praticantes do Falun Gong condenam as violações dos direitos humanos infligidas pelo Partido Comunista Chinês. Para pessoas de fora que não prestam muita atenção e não estão familiarizadas com o Falun Gong, essa disputa parece superficialmente uma disputa política estrangeira. A tendência é não se envolver.

Para a mídia que relata uma história em que a disputa é relevante, há uma tendência de relatar o que cada lado diz, os praticantes do Falun Gong e o Partido Comunista da China, como fariam em qualquer disputa, tentando ser neutros. Os artigos tratam as violações reais infligidas pelo governo da China e a propaganda do governo chinês sobre essas violações em pé de igualdade.

A mídia, quando se refere ao Falun Gong, dirá, por exemplo, que os praticantes descrevem o Falun Gong de uma maneira, enquanto o governo da China considera a prática de outra forma. As duas afirmações são justapostas sem comentários, como se cada uma devesse ser tratada com igual seriedade.

As pesquisas feitas sobre o assassinato do Falun Gong por seus órgãos são tratadas da mesma forma. A mídia, quando relata a pesquisa, geralmente a justapõe com as negações mais flagrantemente falsas e exageradas do regime do Partido Comunista, sem qualquer indicação de que a pesquisa esteja fundamentada na realidade e que as negações sejam uma fabricação facilmente observável.

Às vezes, a mídia informa que a pesquisa sobre o assassinato do Falun Gong por seus órgãos é contestada ou controversa, sem nenhuma indicação de que praticamente a única fonte de contestação ou controvérsia venha do Partido Comunista. Há, é claro, algumas pessoas que repetirão o que o Partido Comunista diz sem se envolver em nenhuma pesquisa séria. O fato de todas as pesquisas independentes terem corroborado a pesquisa inicial que David Kilgour e eu fizemos sobre o assassinato do Falun Gong por seus órgãos é posto de lado. Para algumas mídias, a qualidade diferente das evidências de ambos os lados tem menos interesse do que o fato de controvérsia.

Além disso, a mídia, como o Partido Comunista, geralmente atribui as pesquisas a uma organização mítica do Falun Gong ou aos praticantes do Falun Gong, com a implicação de que o Falun Gong é uma parte interessada. O fato de a pesquisa e a evidência virem quase inteiramente de pessoas que não são praticantes do Falun Gong é ignorado.

As acusações de violação dos direitos humanos nem sempre são verdadeiras e nem sempre são bem-intencionadas. Os que se opõem politicamente a qualquer regime recorrerão facilmente a falsas acusações de violação dos direitos humanos como meio de deslegitimar esse regime.

A diferença entre as violações imaginadas dos direitos humanos, inventadas para fins de deslegitimação, e as violações reais dos direitos humanos negadas pelos autores é realidade. Não podemos ignorar a realidade e apenas considerar acusações e negações de violações dos direitos humanos como um monte de palavras com o mesmo peso.

A diferença entre os negadores do Holocausto e as trágicas histórias das vítimas do Holocausto é a história real, o que de fato aconteceu. Seria irresponsável fingir neutralidade entre os negadores do Holocausto e as vítimas do Holocausto. Qualquer pessoa preocupada com a verdade, a liberdade e o respeito pelos direitos humanos desaprovaria fortemente aqueles que tratavam a negação do Holocausto como uma opinião respeitável, merecendo o mesmo peso e consideração dos relatos de horror das vítimas do Holocausto.

Mas a negação do Holocausto, como o próprio Holocausto, não é uma experiência isolada. É a forma mais extrema de todo um espectro de abusos de discurso. Toda grave violação dos direitos humanos tem seus negadores. Em todos os lugares, os perpetradores têm toda uma ladainha de desculpas; mas a primeira linha de defesa para todos eles é “isso não aconteceu”.

O Partido Comunista Chinês cometeu violações maciças dos direitos humanos contra o Falun Gong. O Falun Gong é um grupo inocente, uma comunidade não política e não violenta.

O Partido Comunista Chinês, para justificar seu controle brutal do poder, faz o que os partidos comunistas fizeram em todo lugar, não admite nada e nega tudo. Ele fabrica acusações falsas, forja evidências e imagina citações. Colocar a propaganda chinesa sobre o Falun Gong no mesmo nível que as evidências de violações dos direitos humanos perpetradas pelo Partido Comunista Chinês, e criar uma falsa simetria entre elas, é ignorar a realidade e fechar os olhos para os monstros que estão claramente diante de nós.

Indiferença

A indiferença é um problema geral quando tentamos mobilizar o público para se opor às violações dos direitos humanos. Embora a indiferença seja geral, ela não é uniforme. Algumas violações dos direitos humanos provocam mais reação pública do que outras.

A inatividade em resposta às evidências sobre o assassinato do Falun Gong por seus órgãos é particularmente aguda e explicada pelo acúmulo de todos os outros fatores. A novidade e a aparente estranheza do Falun Gong, a riqueza e o peso da China comunista, a quantidade de evidências necessárias para chegar a qualquer conclusão firme, o encobrimento do Partido Comunista, a novidade da violação, a propaganda maciça do Partido Comunista, a falta de estrutura da própria comunidade do Falun Gong, a simpatia vestigial entre os círculos de esquerda pelo comunismo chinês, a transferência indevida do ônus afastando-o do governo da China, a ausência de um grande número de casos individuais identificados, a falsa simetria que muitas reportagens estabelecem entre vítimas e agressores, tudo isso tem um efeito cumulativo e desmobilizador.

Quando a inclinação natural é não fazer nada, quando todos estão ocupados com suas próprias vidas e necessidades, há desculpas abundantes que esta violação apresenta para o desengajamento. Importar-se com algo começa ao se adquirir conhecimento a respeito. Nesse aspecto, muitas pessoas não se importam, porque muitas pessoas não sabem.

Embora seja uma história difícil de contar, por todos os motivos listados, é uma história que deve ser contada. Somente fazendo isso, podemos esperar superar a desatenção da qual essa violação padece.

Retornar à Introdução e ao Índice

—————————

[1] Jan Wong, “Feeling the Long Arm of China”, The Globe and Mail, 6 de agosto de 2005. https://www.theglobeandmail.com/news/national/feeling-the-long-arm-of-china/article984533/

[2] Confira, por exemplo: http://www.facts.org.cn/Reports/World/201407/09/t20140709_1753443.htm

[3] David Matas, “The Killing of Falun Gong for their Organs: Individual Cases”, International Coalition to End Transplant Abuse in China, 28 de março de 2013. https://endtransplantabuse.org/the-killing-of-falun-gong/

 
Matérias Relacionadas