Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 14

Extração forçada de órgãos: o abuso de transplantes pelo Partido Comunista Chinês

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 14: Extração forçada de órgãos: o abuso de transplantes pelo Partido Comunista Chinês

Por Huang Shiwei

O caso

Em setembro de 2003, um paciente de hemodiálise de 35 anos foi à China para um transplante de rim. Ele já havia completado a compatibilização de tecidos e outras avaliações pré-operatórias em Taiwan e foi informado de que havia um rim correspondente ao HLA 3 disponível. Ele estava a caminho do Primeiro Hospital do Povo, afiliado à Universidade de Xangai Jiaotong, na China. No entanto, após um teste final de prova cruzada, descobriu-se que a reação era positiva e o rim inadequado. Para evitar rejeição hiperaguda (um evento que ocorre minutos após o transplante e pode resultar em falência de órgãos em poucas horas), ele foi convidado a esperar por um novo órgão. Nas duas semanas seguintes, três rins correspondentes foram encontrados e levados ao hospital acompanhados de um tubo para o teste de prova cruzada, mas todos deram positivo. Os três rins foram descartados. Naquele momento, o paciente teve que retornar a Taiwan, pois só tinha três semanas de licença médica do trabalho.

Em março de 2004, o paciente teve férias longas e decidiu voltar ao Primeiro Hospital do Povo em Xangai para um transplante de rim. Seu médico em Taiwan disse que outro rim correspondente ao HLA 5 estava disponível. No entanto, a reação de cruzamento ainda foi positiva. O médico na China o aconselhou a se submeter à plasmaférese (um processo usado para filtrar o sangue e remover anticorpos nocivos), enquanto o médico em Taiwan o aconselhou a continuar esperando. Ele esperou mais três semanas. Um quarto rim finalmente apresentou correspondência cruzada negativa. Ele foi submetido com sucesso à cirurgia de transplante. Uma semana depois, ele iniciou sua reabilitação na ala de chineses estrangeiros no Hospital 85 do Exército da Libertação Popular. Todas as despesas médicas e de viagem que ele gastou foram de cerca de 28 mil dólares. O paciente relatou que o médico na China disse que o rim foi retirado secretamente de um criminoso executado. Ele também disse que, quando ficou nervoso durante a espera, o mesmo médico o confortou, mostrando-lhe várias páginas (mais de 20) com informações consolidadas sobre doadores e dizendo que havia muitos doadores altamente adequados na lista, de modo que tudo o que ele precisava fazer era continuar esperando. O médico indicou ainda que pacientes da Coreia, Japão e Malásia, bem como da China continental, costumavam ir lá para transplante de órgãos.

O mediador que apresentou o paciente a um hospital na província de Guangdong para transplante de rim

Entre 2000 e 2006, o mercado chinês de órgãos testemunhou um excesso de oferta em relação à demanda. Raramente levava mais de uma semana para encontrar uma correspondência. O médico naquele hospital é responsável apenas pela realização de cirurgias de transplante. O cirurgião de transplante só precisa “fazer o pedido” e alguém entrega o órgão solicitado, ou um funcionário do hospital leva um balde de gelo para obter o órgão. Antes de 2006, um médico só precisava pagar a uma “autoridade superior” US$ 600 dólares (sem incluir o dinheiro de suborno) para obter um órgão. O mediador para esses procedimentos de transplante foi levado a acreditar que essa autoridade superior era o tribunal. Um mediador contou a seguinte história: Uma vez, um funcionário de hospital transportou oito rins por via aérea. Por causa de uma tempestade de neve e posteriores atrasos nos voos, ele chegou tarde ao hospital. Após o exame, os médicos determinaram que os rins não estavam qualificados para transplante. Eles pediram substituições e informaram aos oito pacientes que teriam que adiar por mais alguns dias os procedimentos para receberem um novo lote de rins. O mediador sabia que a correspondência do HLA 3 é um requisito mínimo. Ele viu informações detalhadas sobre os doadores no computador de um médico. Ele achava que a China tinha um repositório de órgãos de prisioneiros executados e que o tempo de execução estava de acordo com a necessidade de transplantes de órgãos. Todos os mediadores sabem que apenas médicos militares têm acesso aos órgãos. Os pacientes iam a hospitais militares ou departamentos de transplantes em hospitais domésticos administrados por médicos militares para se submeterem a cirurgias de transplante. Embora muitos estrangeiros viajem para a China para transplantes de órgãos, os receptores de transplante são principalmente chineses. O custo de um transplante de rim é de apenas US$ 8 mil. Além do baixo custo para órgãos de alta qualidade, o hospital, como confirmamos, possui curtos períodos de espera, com transplantes com alta taxa de sucesso. A China é um país que carece de seguro médico abrangente. Quando o transplante de órgãos é mais barato que a diálise, os chineses preferem o transplante de órgãos do que a diálise, devido ao menor custo. No que diz respeito aos fígados: na China, os transplantes de fígado são muito procurados devido à alta incidência de hepatite B.

Hospitais na China continental

O Centro de Assistência Internacional à Rede de Transplantes da China na cidade de Shenyang [1] foi estabelecido no Primeiro Hospital Afiliado da Universidade Médica da China em 2003 como um site de transplante de órgãos para atrair estrangeiros. O site do hospital diz que o governo chinês tornou possível realizar um grande número de cirurgias de transplante. A lei declarada conjuntamente pelo Supremo Tribunal Popular, pela Suprema Procuradoria Popular, pelo Ministério de Segurança Pública, Ministério da Justiça, Ministério da Saúde e Ministério Público da República Popular da China [2] declara que o suprimento de órgãos é apoiado pelo governo chinês. Isso é inédito mundialmente. A seção de perguntas e respostas do site promete que a qualidade dos órgãos é garantida pelo uso de “órgãos vivos”, em vez de órgãos adquiridos de pacientes com morte cerebral ou de pacientes cujo coração parou de bater:

Pergunta: Os órgãos de transplante de pâncreas são de pacientes com morte cerebral?”

Resposta: Nossos órgãos não provêm de pacientes com morte cerebral, porque a condição desses órgãos pode não ser boa.”

Pergunta: Mesmo que o transplante seja bem-sucedido, o tempo de sobrevida pós-operatório não passa de dois a três anos, certo?”

Resposta: Esse tipo de pergunta tem sido feita frequentemente. O curto tempo de sobrevida refere-se ao Japão, onde se utilizam rins de doadores com morte cerebral. Na China, temos rins de doadores vivos. É completamente diferente dos hospitais e centros de diálise japoneses, porque eles realizam transplantes de rim de doadores mortos.”

Além disso, o site do hospital descreveu claramente o preço de cada órgão:

• US$ 62 mil dólares para transplante de rim
• US$ 98 mil a 130 mil dólares para transplante de fígado
• US$ 130 mil a 160 mil dólares para transplante de coração
• US$ 150 mil a 170 mil dólares para transplante de pulmão

Origem questionável dos órgãos

Com sua capacidade de fornecer um suprimento infinito de órgãos vivos, a China atrai pacientes de todo o mundo desde 2000. Os centros de transplantes chineses cresceram de 160 em 1999 para 600 em 2005. O número de transplantes aumentou de três mil por ano em 1998 para quase 20 mil por ano em 2005. [3] Pacientes da Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong, Japão, Sudeste Asiático, Oriente Médio, Europa e Estados Unidos foram à China para transplante de órgãos. No entanto, os estrangeiros representam apenas uma pequena porção dos receptores de órgãos, enquanto a grande maioria é da China. Além disso, a China carece de um sistema significante de doação e distribuição de órgãos. Assim, a pergunta é: de onde vêm esses órgãos?

Antes de 2006, a principal disputa de Taiwan sobre o transplante de órgãos na China não era a fonte dos órgãos, mas o método de coleta dos órgãos. Embora muitos médicos de Taiwan tenham conseguido estabelecer um bom relacionamento com seus colegas no continente, os médicos da China nunca estiveram dispostos a compartilhar informações sobre o processo de obtenção de órgãos do seu país com os médicos de Taiwan. Os médicos chineses indicam que o processo de aquisição dos órgãos é um domínio proibido para os médicos de Taiwan, mas reconhecem que o processo de remoção de órgãos é muito cruel. Eles divulgam abertamente que os órgãos que extraem não são de doadores com morte cerebral ou sem batimento cardíaco, mas de doadores vivos. Eles relatam que a maioria desses órgãos é removida após os doadores receberem uma injeção. Que tipo de injeção eles dão a esses doadores vivos? No site, o hospital se vangloria da melhor qualidade dos seus órgãos vivos do que os provenientes de morte cerebral. Obviamente, isso não é apenas uma violação da “regra dos doadores mortos”, mas também desumano. Coincidindo com sua alegação, observamos que a função tardia do enxerto (uma forma de insuficiência renal) se torna muito rara clinicamente, refletindo uma melhor aceitação quando órgãos de doadores vivos são usados.

Em janeiro de 2013, um cirurgião da província de Xinjiang, na China, testemunhou perante o Parlamento Europeu. [4] Ele falou sobre sua experiência pessoal com o processo da extração de órgãos e da execução de prisioneiros. Ele disse que o carrasco apontaria a arma para balear o peito direito do preso, ferindo mas não matando o indivíduo. Assim que o preso caía no chão, o cirurgião extraía seus órgãos vitais sem anestesia.

Em 2005, o ex-vice-ministro da saúde chinês, Huang Jiefu, declarou que 95% dos órgãos eram de prisioneiros executados. [5] Mas aqueles que entendem o sistema judicial chinês e as disposições de alocação de órgãos [6] sabem que a pena de morte fornece dois tipos de execução na China; uma é imediata, a outra permite que uma sentença de morte seja suspensa por dois anos. Na primeira, a execução deve ocorrer dentro de uma semana após o recebimento da ordem, o que torna impossível que os presos condenados à morte possam contribuir para uma reserva estável do suprimento de órgãos disponíveis. Também descobrimos que a cirurgia programada para a maioria dos pacientes geralmente ocorre uma a três semanas após a localização do doador e a data pode até ser ajustada.

Além disso, do ponto de vista médico, os reclusos no corredor da morte têm uma alta incidência de abuso de drogas, tabagismo, alcoolismo e alta prevalência de hepatite, por isso fica difícil imaginar que muitos órgãos de boa qualidade possam ser coletados apenas de reclusos executados. Se os presos no corredor da morte não são a principal fonte de órgãos, de onde se originam a maioria dos órgãos da China? Em 1999, o secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Jiang Zemin, anunciou a proibição do Falun Gong e implementou sua política tríplice contra os praticantes do Falun Gong para “destruir suas reputações, arruiná-los financeiramente e eliminá-los fisicamente”. A perseguição foi totalmente brutal. Muitos foram detidos ilegalmente sem procedimento judicial formal, sofrendo tortura, estupro e outras formas de maus-tratos enquanto encarcerados. Milhões de praticantes do Falun Gong desapareceram, sem que ninguém soubesse o seu paradeiro.

Praticantes do Falun Gong tornam-se a fonte dos órgãos

Não foi até 2006, quando duas testemunhas, Peter, um repórter, e Annie, a ex-esposa de um médico chinês, se apresentaram para alegar que o Partido Comunista Chinês estabeleceu campos de concentração para aprisionar secretamente os praticantes do Falun Gong e pilhar seus órgãos para lucro. [7] Temos que perguntar como a China é capaz de fornecer órgãos de boa qualidade em quantidades tão grandes? A resposta se torna bastante óbvia e certa: órgãos de boa qualidade vêm de praticantes do Falun Gong. David Matas, um advogado internacional de direitos humanos do Canadá, e David Kilgour, um ex-membro do Parlamento canadense e secretário de Estado (Ásia-Pacífico), apresentam depoimentos mais explícitos sobre esse fato em suas descobertas investigativas no “Relatório sobre as alegações da extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong na China”. [8]

Até hoje, diante dos questionamentos e do ceticismo da comunidade internacional, o Partido Comunista Chinês ainda recusa qualquer investigação independente e imparcial. Embora o PCC tenha prometido à comunidade internacional reformar seu sistema de transplante de órgãos, incluindo o término da prática de usar órgãos de prisioneiros no corredor da morte, o ambiente de transplantes da China continua violando as normas internacionais básicas. Os procedimentos pelos quais o regime chinês realiza suas operações de transplante não são transparentes e a fonte dos órgãos não pode ser rastreada. O PCC usa linguagem evasiva e enganosa para ocultar seus crimes. Mais recentemente, eles revisaram seus critérios de transplante e incluíram presos no corredor da morte no seu sistema de alocação de órgãos. Como resultado, os presos executados agora são considerados cidadãos que têm o direito de doar voluntariamente seus órgãos. [9] O PCC chegou a planejar transportar órgãos para o exterior, na tentativa de obter apoio de países asiáticos. [10] Se o PCC realmente pretende realizar reforma, o governo deve interromper a extração de órgãos de praticantes do Falun Gong e permitir investigações independentes sobre a fonte dos órgãos nos últimos 15 anos. E todos os autores envolvidos na extração de órgãos vivos devem ser levados à justiça.

Conclusão

O programa do governo chinês de extrair órgãos sem consentimento voluntário e livre é um mal sem precedente neste planeta. Infelizmente, isso acontece durante um período em que várias nações ao redor do mundo têm considerado os direitos humanos como prioridade. Testemunhamos períodos de terrível perseguição ao longo da história e, embora esses eventos infelizes continuem em todo o mundo, nunca vimos médicos sistematicamente envolvidos no assassinato de milhares de vidas inocentes.

A primeira vez que médicos foram usados em larga escala para participar de um massacre foi durante a Segunda Guerra Mundial, quando o regime nazista recrutou milhares de médicos para participarem da perseguição a judeus e outras pessoas vulneráveis. Eles conduziram experimentos desprezíveis, que resultaram em desfiguração, incapacitação permanente ou até morte. [11] Esses crimes causaram vergonha a toda a profissão médica e corroeram a confiança do público nos médicos. Durante os Julgamentos de Nuremberg, o julgamento dos médicos nazistas foi o primeiro dos doze julgamentos para criminosos de guerra da classe B, indicando o enorme impacto que o envolvimento dos médicos teve nesses crimes atrozes e o efeito que suas ações tiveram na consciência global.

Hoje, a extração de órgãos humanos vivos na China é uma tremenda desgraça para a profissão médica e para toda a raça humana. O transplante de órgãos é um grande avanço médico que salvou inúmeras vidas ao longo do século passado. O Partido Comunista Chinês, ao cometer assassinato para fins lucrativos servindo-se da medicina, no entanto, desonrou as realizações deste tratamento médico vital.

A extração de órgãos humanos vivos é um mal inimaginável na história da humanidade. Muitos simplesmente esperam que isso não seja verdade ou que sejam apenas as ações de um punhado de médicos. Diante de fatos tão brutais, muitos optam por permanecer calados, porque acham difícil de acreditar ou são influenciados por interesses financeiros ou reputação. Quando as evidências estiverem totalmente expostas, como vamos reescrever a história da medicina? Como vamos justificar nosso silêncio e dar uma explicação à próxima geração? O povo chinês está sofrendo a maior perseguição. Se a comunidade internacional decide ficar calada, é o mesmo que se posicionar do lado do mal.

Retornar à Introdução e ao Índice

—————————

[1] “Por que o site do Centro de Transplante de Shenyang foi excluído”, The Epoch Times, 8 de abril de 2006. http://www.epochtimes.com/gb/6/4/6/n1279107.htm

[2] Suprema Procuradoria Popular, Ministério da Segurança Pública, Ministério da Justiça e Ministério da Saúde, a respeito das medidas provisórias sobre o uso dos corpos e órgãos dos cadáveres de presos no corredor da morte, 9 de outubro de 1984 (84), Divisão IDRC, No. 447.

[3] David Matas & David Kilgour, relatório investigativo sobre as alegações da extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong em 2007, edição revisada (em inglês), 31 de janeiro 2007, pp. 40-45.

[4] “Audiência do Parlamento Europeu sobre a extração de órgãos coordenada pelo Partido Comunista Chinês”, Xinsheng.net, 5 de fevereiro de 2013. http://www.xinsheng.net/xs/articles/big5/2013/2/5/49177p.html

[5] Shen Zhengyan, “Alto funcionário confessa venda de órgãos de prisioneiros no corredor da morte” (citado do British “Times”), Apple Daily (Taiwan), 4 de dezembro de 2005.

[6] “História evolutiva do transplante de órgãos de presos no corredor da morte na China continental”, Phoenix Weekly [matéria de primeira página], Zhong Jian, 24 de setembro de 2013. http://www.51fenghuang.com/fengmiangushi/2411.html

[7] “Testemunha de Sujiatun expõe crimes do PCC na extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong”, The Epoch Times, 20 de abril de 2014. http://www.epochtimes.com/gb/14/4/20/n4135912.htm

[8] David Kilgour & David Matas, “O primeiro relatório sobre as alegações da extração de órgãos de praticantes do Falun Gong na China”, 27 de abril de 2010. http://organharvestinvestigation.net/report20060706.htm

[9] “China pretende parar de usar órgãos de presos no corredor da morte”, Xinhua.net, 1º de janeiro de 2015. http://news.xinhuanet.com/politics/2014-12/04/c_127278077.htm

[10] “Plataforma de órgãos é construída entre Taiwan e China continental. Huang Jiefu: ‘Prazo mais breve para órgãos chineses chegarem a Taiwan pode ser no início do próximo ano’”, Apple Daily, 19 de dezembro de 2014. http://www.appledaily.com.tw/realtimenews/article/new/20141219/527018/

[11] “O julgamento do ‘médicos’ em Nuremberg”, The Epoch Weekly, 19 de abril de 2012. http://www.epochweekly.com/b5/273/10687.htm

 
Matérias Relacionadas