Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 12

O mal sem precedente por trás da extração forçada de órgãos: a escolha entre morrer espiritual ou fisicamente

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 12: O mal sem precedente por trás da extração forçada de órgãos: a escolha entre morrer espiritual ou fisicamente

Por Torsten Trey

Mal sem precedente e uma prática médica absurda

Pessoas de todos os lugares abraçam a dignidade humana, liberdades básicas e o direito de viver em paz. A profissão médica dedica-se a servir os seres humanos na recuperação de doenças e, se for bem-sucedida, em ajudar a prolongar a vida. Esta é a missão da profissão médica. O juramento médico fala de não causar dano ou fazer mal. Assim, é espantoso que a profissão médica na China esteja participando da execução de prisioneiros de consciência com o objetivo de extrair seus órgãos para transplante. Isso é simultaneamente um transplante para fins lucrativos e um método de perseguição.

Uma lei chinesa, aprovada em 1984, autorizou a extração de órgãos de prisioneiros, mas foi somente depois de 1999 que o transplante na China aumentou significativamente. De onde vieram os órgãos para transplante? Depois que milhões de crentes espirituais e membros de vários grupos étnicos foram sujeitos à desumanização, ostracismo e perseguição, a autorização de 1984 para a extração de órgãos de prisioneiros executados se expandiu para um grupo ainda maior de fontes de órgãos, os prisioneiros de consciência. Em suma, a medicina de transplantes na China tornou-se uma disciplina médica absurda; é incompreensível prestar assistência médica a um grupo de pessoas enquanto se termina à força a vida de outro grupo.

Desde 2006, relatórios de investigação e outras evidências publicadas apontam que prisioneiros de consciência, particularmente os praticantes da disciplina espiritual perseguida do Falun Gong, estavam sujeitos à extração forçada de órgãos. Em cinco anos, foram publicados três livros sobre o assunto, discutindo a questão sob vários ângulos: Bloody Harvest (Colheita Sangrenta, 2009), State Organs (Órgãos do Estado, 2012) e The Slaughter (O Massacre, 2014). Os investigadores compilaram evidências convincentes, embora principalmente circunstanciais. No entanto, desde julho de 2006, após a primeira publicação do relatório de Kilgour e Matas (que resultou no livro Bloody Harvest três anos depois), nenhuma inspeção internacional dos centros de transplante chineses foi realizada. Até o momento, a China não respondeu ao corpo de evidências de maneira adequada.

Em vez disso, o China Medical Tribune [1], em novembro de 2014, cita o professor He Xiaoshun numa conferência de imprensa discutindo a demanda por mais investigações com o professor e ex-vice-ministro da saúde chinês Huang Jiefu: “Vamos abrir as portas e deixar que os investigadores internacionais venham verificar esses rumores [sobre a extração antiética de órgãos].” O professor Huang respondeu: “Ainda não é a hora.” Se ainda não é a hora, quando será? O que eles estão esperando?

Tentativas de enganar

Em 27 de junho de 2001, o cirurgião chinês Wang Guoqi testemunhou perante o Subcomitê de Operações Internacionais e Direitos Humanos da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos que na China os órgãos eram extraídos de prisioneiros após a execução. [2] Em 29 de junho de 2001, o New York Times citou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhang Qiyue, dizendo que o testemunho de Wang era “mentiras sensacionalistas” e “uma difamação cruel” contra a China. “A principal fonte de órgãos humanos vem de doações voluntárias de cidadãos chineses”, disse ela.

Em 2006, The Guardian informou que Huang Jiefu, em dezembro do ano anterior em Manila, “fez a primeira admissão oficial de que o país extraía órgãos de prisioneiros executados”. [3] Em novembro de 2006, Huang reiterou em Guangzhou que a maior parte do transplante de órgãos era de prisioneiros executados, com a exceção de um pequeno número de vítimas de acidentes de trânsito, contradizendo completamente a declaração inicial de Zhang Qiyue.

Em 2007, um ano antes dos Jogos Olímpicos de Pequim, na Assembleia Geral anual da Associação Médica Mundial (WMA) em Copenhague, a WMA anunciou um acordo com a Associação Médica Chinesa (CMA). A CMA declarou que “os órgãos de prisioneiros e outras pessoas sob custódia não devem ser usados para transplante, exceto para membros de sua família imediata”. [4] Em uma carta à WMA, o vice-presidente e secretário-geral da CMA, Dr. Wu Mingjiang, disse:

“Foi alcançado um consenso… de que órgãos de prisioneiros e de outras pessoas sob custódia não devem ser usados para transplante, exceto para membros da sua família imediata.”

No entanto, após 2007, os números de transplantes permaneceram tão altos quanto dez mil por ano. Em 2012, o Washington Post citou o Ministério da Saúde chinês afirmando que “dez mil operações de transplante de órgãos são realizadas anualmente” e que 65% desses transplantes são realizados com órgãos de prisioneiros executados. É improvável que todas as dezenas de milhares de pacientes transplantados após 2007 fossem “membros da família imediata” de prisioneiros executados.

Em 2009, The Telegraph citou Huang Jiefu dizendo que os presos no corredor da morte “definitivamente não eram uma fonte adequada para transplantes de órgãos”. [5] Em 17 de maio de 2013, um artigo da Associated Press cita Huang em uma conferência em Pequim, dizendo que a aquisição de órgãos de prisioneiros executados é “voltada para o lucro, antiética e viola os direitos humanos”. [6] Mas três dias depois, quando perguntado sobre o uso de prisioneiros como fonte de órgão em uma entrevista à TV australiana ABC em 20 de maio, Huang declarou:

“Por que você se opõe? Não tenho objeções a usar a doação de órgãos de prisioneiros executados se ele ou ela tiverem demonstrado livremente que esse é seu último desejo.” [7]

Em março de 2012, Huang Jiefu disse que a China estabeleceria um programa de doação de órgãos e prometeu acabar com a dependência do governo de órgãos de prisioneiros executados dentro de três a cinco anos. [8]

Oito meses depois, em novembro de 2012, Huang Jiefu disse: “A China encerrará sua dependência dos órgãos de prisioneiros executados em um a dois anos.” [9] Então, em março de 2014, Huang afirmou: “Prisioneiros executados também são cidadãos. Não podemos negar seus direitos de doar órgãos”, indicando que a China continuaria usando órgãos de prisioneiros. Ele também afirmou que, uma vez que os presos executados sejam inseridos no Sistema de Atendimento a Transplantes de Órgãos da China (COTRS) como cidadãos doadores, haveria apenas um conceito, a doação de cidadãos. [10]

Entre 2001 e 2014, as autoridades chinesas repetidamente fizeram declarações contraditórias sobre o fornecimento de órgãos para transplante. Esse vaivém iludiu e enganou a comunidade internacional, deixando bem claro que as garantias da China não são confiáveis. Nesse contexto, o comentário de Huang Jiefu de que “ainda não é a hora” não é surpreendente. A China está ganhando tempo.

O vaivém da China não é uma coincidência. É intencional. Causa confusão, distrai a atenção sobre o não reconhecimento da extração de órgãos de prisioneiros de consciência e impede a comunidade internacional de requerer investigações e inspeções de estrangeiros nos hospitais chineses. Qualquer atraso na exigência de inspeções internacionais resulta no atraso do que nossa responsabilidade profissional exige: acabar com esse horrendo abuso médico. Nosso atraso custa vidas humanas. Não há dúvida de que as organizações e autoridades ocidentais certamente demonstraram paciência, mas os últimos 14 anos de ações minúsculas e vagarosas após o testemunho do Dr. Wang Guoqi estão pavimentados com mais de 150 mil órgãos transplantados provenientes de uma quantidade mais ou menos igual de prisioneiros executados e de prisioneiros de consciência.

Morrer espiritualmente sendo forçado a sacrificar a própria crença, ou morrer fisicamente sendo forçado a sacrificar a própria vida como fonte de órgãos para transplante é uma dura realidade para os praticantes do Falun Gong na China. Enquanto os perpetradores dão às vítimas a opção de morrer espiritual ou fisicamente, as pessoas no mundo livre têm a opção de agir ou ignorar. O canibalismo de transplante na China de hoje é sem precedente na história conhecida e requer ações sem precedentes.

Uma dessas ações foi a fundação da ONG médica, Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH). Os DAFOH se concentram em um tópico específico no campo da medicina de transplantes: a extração forçada de órgãos sem consentimento voluntário ou livre. No entanto, a questão subjacente, a morte intencionalmente induzida de “doadores de órgãos”, abala os fundamentos da medicina e a comunidade médica não deve deixá-la sem resposta.

O apelo pelo fim da matança por órgãos não interfere nos assuntos internos do Estado, é uma obrigação moral

Em um país onde se sabe que os vereditos são decididos antes da abertura de um processo judicial, onde os advogados de defesa são proibidos de defender candidatos ao corredor da morte e onde os tribunais aprovam a extração de órgãos após as execuções, não há estado de direito. Consequentemente, se quisermos ser completamente francos ao abordar as políticas da China, a terminologia “aquisição de órgãos após a execução” deve ser substituída por “mortes sancionadas pelo Estado para obtenção de órgãos”. É nossa obrigação moral exigir o fim da medicina de transplantes que participa desses abusos.

É digno de nota o aumento exponencial do número de transplantes dentro de quatro anos após o início da perseguição ao Falun Gong. Por que a prática ficou sujeita a esse abuso? Os praticantes do Falun Gong aspiram melhorar seu caráter moral, seguindo os princípios universais de verdade, compaixão e perseverança. Depois de julho de 1999, eles foram sujeitos à lavagem cerebral, trabalho forçado e tortura. A morte por tortura de praticantes do Falun Gong é generalizada na China.

Alguns momentos de navegação no site FalunInfo.net fornecem informações sobre a extensão da brutalidade da perseguição. O problema básico é que, uma vez perdido o respeito pelos seres humanos, o direito de viver e o direito de acreditar são recusados, nada resta. Do lado do agressor, não há literalmente nenhuma diferença entre a morte por tortura e a morte de prisioneiros de consciência para pilhagem dos seus órgãos, exceto que, neste último caso, é possível transformar os corpos de dezenas de milhares de prisioneiros de consciência em um lucro de vários bilhões de dólares.

Com o relatório de Kilgour e Matas em 2006, o crime impensável do regime chinês perdeu seu disfarce. As investigações dos últimos anos reuniram evidências convincentes, com cada peça adicionando-se ao quebra-cabeça. E, como um quebra-cabeça, quanto mais peças estiverem no lugar, mais nítida é a imagem, e o que antes eram apenas alegações, agora são fatos irrefutáveis. Recusar-se a reconhecer a imagem porque as últimas cinco ou dez peças do quebra-cabeça estão faltando é equivalente à ignorância. O relatório inicial de Kilgour e Matas apresentou 17 evidências; três anos depois, seu livro Bloody Harvest (2009) expôs mais de 50 evidências. Relatórios adicionais e trabalhos publicados com novas evidências se seguiram nos anos seguintes, enquanto a resposta da China permaneceu evasiva. Em vez de simplesmente provar as alegações erradas ao permitir inspeções internacionais, uma série de anúncios e promessas serviram apenas para distrair o público. As táticas de engano do regime chinês conseguiram impedir que a comunidade internacional solicitasse inspeções nos hospitais e campos de detenção chineses.

A pesquisa piloto realizada pelos DAFOH em 2014 analisou o fenômeno de exames médicos generalizados em praticantes do Falun Gong nos campos de trabalho forçado da China. Esses campos, por sua própria natureza, exploram o trabalho forçado sem pagar salários adequados. Contudo, de acordo com o número de testemunhos coletados no estudo, parece que dezenas de milhares de exames médicos caros foram impostos principalmente aos praticantes do Falun Gong detidos em campos de trabalho forçado. [11] Os exames médicos foram forçados aos praticantes, que não os pediram nem concordaram com eles. Em vez disso, era rotina coletar sangue dos internos quando eles chegavam aos campos de trabalho. Esses exames de sangue e urina, raios X, ultrassonografias etc. são caros. Se o bem-estar dos reclusos era preocupante, por que simplesmente não fornecer água e alimentos frescos, banheiros limpos e menos de 17 horas por dia de trabalho forçado? A amortização das despesas médicas por meio dos transplantes certamente equilibraria os custos e ajudaria a fornecer uma quantidade suficiente de órgãos.

Por que o Falun Gong está sendo perseguido sem que os adeptos da prática violem nenhuma lei e sem causar nenhum dano? A razão da perseguição e sua subsequente extração forçada de órgãos se resume aos princípios de bondade que a prática representa: verdade, compaixão, perseverança, que estão em oposição direta à ideologia do Partido Comunista:

• Enquanto o Falun Gong aspira à verdade, a agenda do Partido Comunista Chinês (PCC) se baseia em informações tendenciosas, propaganda e engano.
• Enquanto um lado aspira à bondade e compaixão, o outro lado prega a luta de classes, desapropria terras agrícolas e governa com mão de ferro.
• Enquanto um é tolerante, o outro pune qualquer pessoa que tenha uma opinião ou pensamento diferente das diretrizes do Partido.

O único aspecto da desobediência civil dos praticantes do Falun Gong na China reside no desejo de acreditar livremente na verdade, compaixão e perseverança, e praticar livremente um conjunto de cinco exercícios suaves, semelhantes ao qigong. Fora da China, isso não é considerado desobediência civil, mas uma contribuição preciosa e louvável para a sociedade. Nesse sentido, para responder à pergunta por que o Falun Gong é perseguido na China e sujeito à extração forçada de órgãos, podemos nos referir a Henry David Thoreau: “Sob um governo que aprisiona injustamente, o verdadeiro lugar para um homem justo é também uma prisão.” [12]

Sob o regime totalitário na China, onde o estado de direito não existe e as sentenças judiciais são decididas antes do início de uma audiência, é mais provável que encontremos pessoas justas nas prisões. O Falun Gong promove os princípios mais valiosos para a humanidade e, desde 1992, tem feito irrefutavelmente mais pela dignidade humana e pelo bem da humanidade do que o Partido Comunista Chinês. O ódio do regime ao Falun Gong e outros pensadores livres de bom coração não é um problema do Falun Gong nem um problema do povo. É um problema que o PCC tem com a humanidade. O regime chinês oferece aos praticantes do Falun Gong detidos uma escolha: renunciar à sua livre crença ou sofrer. Essa também é a escolha que o PCC dá às pessoas do mundo.

Matar pessoas por seus órgãos contradiz tudo o que a humanidade e a profissão médica representam

Quando a vida humana e os princípios universais estão em jogo, manifestar-se e exigir o fim da extração forçada de órgãos não é apenas um direito básico, mas uma obrigação moral. Devemos apelar pelo fim da extração forçada de órgãos dos praticantes do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência exigindo o fim da perseguição. A dignidade humana e os direitos básicos não terminam nas fronteiras de um país. Por definição, eles são inerentes à humanidade. A afirmação da China de que discutir os direitos humanos está interferindo nos assuntos internos do país é flagrante hipocrisia: suprimindo os direitos humanos básicos e as iniciativas globais para melhorar a qualidade de vida, o regime chinês interferiu nos assuntos internos das pessoas do mundo e de seus países.

Apelar pelo fim da extração forçada de órgãos dos praticantes do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência é o direito básico de todas as pessoas, e o governo chinês deve se abster de interferir nos assuntos internos das pessoas do mundo. A perseguição contra o Falun Gong e seus três princípios é uma perseguição contra a bondade na humanidade. A força motriz por trás da extração forçada de órgãos na China é sem precedente em sua maldade e exige uma ação sem precedente e determinada da humanidade. É uma escolha vital.

Retornar à Introdução e ao Índice

—————————

[1] http://www.cmt.com.cn/detail/623923.html (acessado em 12 de novembro de 2014)

[2] http://waysandmeans.house.gov/legacy/trade/107cong/7-10-01/7-10wolf.htm (acessado em 12 de novembro de 2014)

[3] David Fickling, “China ‘Using Prisoner Organs for Transplants,’” The Guardian, 19 de abril de 2006. http://www.theguardian.com/world/2006/apr/19/china.health (acessado em 12 de novembro de 2014)

[4] Peter O’Neil, “China’s Doctors Signal Retreat on Organ Harvest”, Canadian Medical Association Journal; 20 de novembro de 2007; 177(11): 1341. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2072972/ (acessado em 12 de novembro de 2014)

[5] Peter Foster, “China Admits Organs Removed From Prisoners for Transplants”, The Telegraph, 26 de agosto 2009. http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/asia/china/6094228/China-admits-organs-removed-from-prisoners-for-transplants.html (acessado em 12 de novembro de 2014)

[6] Christopher Bodeen, “Cultural attitudes impede organ donations in China”, The Associated Press, 18 de maio de 2013. https://medicalxpress.com/news/2013-05-cultural-attitudes-impede-donations-china.html (acessado em 12 de novembro de 2014)

[7] Stephen McDonell, “Australian-Trained Doctor Huang Jiefu Hits Back at Critics Over Ties to China Organ Harvesting”, ABC News, 20 de maio de 2013. http://www.abc.net.au/news/2013-05-20/chinese-doctor-hits-back-at-critics-over-organ-donation-program/4701436 (acessado em 12 de novembro de 2014)

[8] http://news.qq.com/a/20120322/001592.htm (acessado em 12 de novembro de 2014)

[9] http://finance.chinanews.com/jk/2012/11-21/4347626.shtml (acessado em 12 de novembro de 2014)

[10] http://news.sciencenet.cn/htmlnews/2014/3/289619.shtm (acessado em 12 de novembro de 2014)

[11] “Implausible Medical Examinations of Falun Gong Forced Labor Camp Workers in China”, Doctors Against Forced Organ Harvesting (DAFOH), 10 de agosto de 2014. https://dafoh.org/articles-and-reports/implausible-medical-examinations-falun-gong-forced-labor-camp-workers/ (acessado em 12 de novembro de 2014)

[12] Henry David Thoreau, Civil Disobedience and Other Essays. http://www.brainyquote.com/quotes/quotes/h/henrydavid135750.html (acessado em 12 de novembro de 2014)

 
Matérias Relacionadas