Perigos de se tornar um pai que fica em casa

O que isso significará para a sociedade? E que perigos, se houver, nos aguardam no futuro?

Por John Mac Ghlionn 

Comentário

Em 2018, o The Atlantic publicou um artigo bastante interessante exaltando as virtudes de homens que decidiram sacrificar suas carreiras para criar seus filhos. Ao fazer isso, suas esposas se tornaram as principais provedoras.

O artigo, apropriadamente intitulado “Como os pais que ficam em casa estão redefinindo a masculinidade”, celebrou esses homens supostamente corajosos. No entanto, a redefinição da masculinidade vem com custos significativos.

Alguns podem argumentar que a masculinidade nunca precisou ser redefinida em primeiro lugar. Mas tem sido. Drasticamente. Afinal, os homens agora podem ter bebês. Você não ouviu?

De Xangai a São Francisco, um número crescente de homens está optando por se tornar pais que ficam em casa. O que isso significará para a sociedade? E que perigos, se houver, nos aguardam no futuro?

Agora, antes que eu seja acusado de ser um ignorante cretino e arrastado pelos dedos (não seria a primeira vez), deixe-me dizer o seguinte: isso não é um ataque aos homens que optam por se tornar pais que ficam em casa. Este é um mundo livre, e as pessoas podem fazer o que quiserem (dentro do razoável, é claro).

Esta peça descreve os perigos tácitos associados a se tornar um pai que fica em casa. Nesta era de narrativas raciais e de gênero, ensaios carregados de emoção, é difícil encontrar artigos discutindo os aspectos negativos de se tornar um pai que fica em casa.

A ascensão do pai que fica em casa é um fenômeno muito recente. Está intimamente ligado à ideia de “contrariar” as normas sociais e reverter papéis tradicionais. As duas palavras mais importantes nessa frase anterior são “normas” e “tradicional”. É claro que as normas e tradições nem sempre são perfeitas. No entanto, eles são significativos quando se trata de papéis de gênero e relacionamentos românticos.

Homens e mulheres são seres muito diferentes, repletos de uma série de forças e fraquezas muito diferentes. Fomos projetados para complementar um ao outro, não substituir um ao outro.

Isso não quer dizer que os pais não devam desempenhar um papel significativo na vida de uma criança ou que todas as mães devam ficar em casa. De jeito nenhum. Isso quer dizer que, tradicionalmente, os homens têm sido os principais arrimo de família, e os homens sempre trabalharam fora de casa.

Ao reverter milhares de anos de tradição, devemos esperar alguns impactos profundamente negativos. Afinal, somos produtos da tradição.

(Shutterstock)
(Shutterstock)

Devemos olhar para a ascensão dos pais que ficam em casa objetivamente, não emocionalmente. Hoje, cerca de um terço das esposas americanas heterossexuais de casamentos com dupla renda ganham consideravelmente mais do que seus maridos. Para muitos autores de orientação feminista, isso é algo a ser celebrado.

De uma perspectiva tradicional, no entanto, sérias perguntas devem ser feitas. Estudos mostram que os casamentos tendem a ser difíceis quando as mulheres ganham mais do que seus maridos. De acordo com um estudo recente da Universidade de Chicago, casamentos liderados por mulheres chefes de família têm 50% mais chances de terminar com um dos parceiros pedindo o divórcio.

Além disso, os maridos, muitos dos quais se sentem castrados, são mais propensos a trair. Com mães que ficam em casa, a depressão é um problema muito real. Claro, os homens também são propensos a sofrer de depressão, especialmente aqueles que se sentem castrados. De fato, como mostra a pesquisa, os homens que experimentam mobilidade descendente (por exemplo, deslizam para baixo na escada social) “recebem o golpe com muito mais força do que as mulheres na mesma posição”, segundo o Science Daily.

Não é mais um mundo dos homens

É um mundo dos homens, ou assim nos disseram. No entanto, quando James Brown cantou essas letras, ele se referiu a homens americanos de sangue vermelho. Lembra deles?

Ele estava se referindo ao tipo de homem que realmente ganhava a vida – carros, prédios e, claro, dinheiro. Mas esses dias estão chegando ao fim. Hoje, para garantir um emprego bem remunerado, é preciso um diploma respeitável (nem sempre, mas geralmente). Nos Estados Unidos, 60% dos diplomas universitários são agora obtidos por mulheres.

Isso nos traz de volta aos pais que ficam em casa. A hipergamia, a prática de uma pessoa (geralmente uma mulher) se casar com um cônjuge de uma casta ou status social mais alto do que ela, é real. As mulheres gravitam em torno de um homem com prestígio e status. Se você acha ou não que ser um pai que fica em casa deve ser reconhecido como um cargo legítimo não é o ponto.

A verdade é esta: a maioria dos recrutadores não considera a paternidade em casa um trabalho real. O status social está intimamente associado ao emprego (ou à falta dele). Ser um pai que fica em casa carrega muito pouco ou nenhum status social. Alfa, um termo que antes se referia apenas a homens fortes, agora também é usado para se referir a mulheres fortes e destemidas (por exemplo, provedoras da família).

Entrei em contato com Richard Cooper, empresário e autor de “The Unplugged Alpha” (O Alfa Desconectado, em tradução livre), para comentar o assunto. “Sinceramente”, disse ele, “as mulheres realmente lutam para admirar um homem que ela não pode respeitar.”

Cooper continuou: “Nenhum homem interpretando ‘Sr. Mamãe’ é desejado pelas mulheres”. Em vez disso, as mulheres “anseiam pelos bombeiros sem camisanos calendários, não pelo ‘Sr. Mãe’”.

Eles querem um CHAD, não um SAHD (pai que fica em casa, em suas siglas em inglês). É muito difícil, senão impossível, ser tanto um CHAD e um SAHD, pergunte a qualquer mulher honesta. Cooper nos exorta a “dar uma olhada em qualquer pai que fica em casa” porque esse tipo de homem “não é o brilho dos olhos dela; ele é um acessório para a vida dela”.

Cooper, um homem que escreveu e falou sobre o tema do casamento em grande detalhe, argumenta que é estranho encontrar uma mulher que fica “animada por lidar com um homem, a longo prazo, que ganha menos dinheiro do que ela, ” principalmente porque as mulheres “querem olhar para um gigante, não para um beta”.

Cooper acrescentou com precisão: “Um dos precursores do divórcio é quando um casal vive como ‘iguais’, ambos trabalhando em suas respectivas carreiras, e ela recebe um grande aumento salarial e promoção, mas ele continua percorrendo o fundo”.

É por isso que Cooper diz a seus clientes homens “para buscar a excelência, não as mulheres”.

Qual é o conselho de Cooper para homens casados?

Em suma, os homens “não podem relaxar em um casamento”. Eles devem sempre “perseguir a excelência e fazer algo de si mesmos na vida”. Torne-se um mestre em alguma coisa, seja escrever, lutar e/ou ganhar dinheiro. Com pais que ficam em casa, Cooper, ele mesmo sendo um pai, acredita que “ninguém vê esses homens como heróis”. Eles são, de fato, “acessórios”.

Ele terminou afirmando o seguinte: “Há uma razão pela qual quando a história celebra grandes homens, não há pais que ‘ficam em casa’ mencionados. São todos esquecidos”.

Cooper está certo. Elon Musk, um homem que faz as coisas, pode gostar de comer biscoitos, mas ele certamente não está em casa assando-os.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas