Perigo de Guerra Nuclear é ‘Sério e Real’ segundo o Kremlin

Rússia diz que a OTAN está travando uma guerra com a Rússia usando a Ucrânia como um procurador

Por Allen Zhong 

O Kremlin criticou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) por se envolver em uma guerra com a Rússia em nome da Ucrânia.

“Se a Otan se envolve essencialmente em guerra com a Rússia por meio de um procurador e está armando esse procurador, guerra significa guerra”, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em uma ampla entrevista transmitida pela televisão estatal russa na segunda-feira.

Ele repetiu a posição da Rússia de que é legítimo atacar armas fornecidas pelos aliados ocidentais da Ucrânia.

Lavrov afirmou que o risco de uma guerra nuclear agora é “considerável”.

“Eu não gostaria de elevar esses riscos artificialmente. Muitos gostariam disso. O perigo é sério, real. E não devemos subestimá-lo”, disse.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, respondeu na terça-feira que as ameaças de que a guerra na Ucrânia esteja se transformando em um conflito nuclear são “muito perigosas e inúteis”.

“Ninguém quer ver uma guerra nuclear acontecer. É uma guerra que todos os lados perdem”, disse Austin. “A retórica perigosa é claramente inútil e algo que não vamos nos envolver”.

O alerta de Moscou veio conforme membros da Otan fornecem mais e mais armas mortais à Ucrânia para enfrentar a Rússia no leste e no sul, onde os dois países estão envolvidos em disputas há anos.

A Alemanha confirmou na terça-feira que fornecerá tanques antiaéreos “Gepard” para a Ucrânia em uma mudança de política notável.

“Ontem decidimos que a Alemanha tornará possível a entrega de tanques antiaéreos ‘Gepard’ para a Ucrânia”, disse a ministra da Defesa alemã, Christina Lambrecht, em uma transcrição de seu discurso vista pela Deutsche Welle.

Um técnico usa uma tocha de soldador para cortar partes de um tanque de canhão antiaéreo Gepard que pertenceu à Bundeswehr na Battle Tank Dismantling GmbH Koch em Edeleben, Alemanha, em 23 de abril de 2014. Desde o início dos anos 1990, a empresa desmantelou mais de 15.000 tanques e outros veículos blindados, de arsenais alemães, austríacos, franceses e outros europeus, já que muitas nações reduziram suas forças militares pelo Tratado das Forças Armadas Convencionais na Europa (Jens Schlueter/Getty Images)
Um técnico usa uma tocha de soldador para cortar partes de um tanque de canhão antiaéreo Gepard que pertenceu à Bundeswehr na Battle Tank Dismantling GmbH Koch em Edeleben, Alemanha, em 23 de abril de 2014. Desde o início dos anos 1990, a empresa desmantelou mais de 15.000 tanques e outros veículos blindados, de arsenais alemães, austríacos, franceses e outros europeus, já que muitas nações reduziram suas forças militares pelo Tratado das Forças Armadas Convencionais na Europa (Jens Schlueter/Getty Images)

O presidente Joe Biden anunciou mais US $800 milhões em ajuda militar à Ucrânia no dia 21 de abril.

Algumas armas de artilharia pesada – 72 obuses de 155 mm e 144.000 cartuchos de munição – foram listadas no pacote divulgado por Biden na quinta-feira, juntamente com 72 veículos táticos para rebocar obuses de 155 mm, mais de 122 sistemas aéreos não tripulados táticos Phoenix Ghost e outros equipamentos de campo e peças de reposição.

Os países ocidentais também estão oferecendo treinamento na Polônia, Alemanha e Estados Unidos.

O governo Biden disse na segunda-feira que deseja que as forças armadas da Rússia sejam enfraquecidas a ponto de não serem capazes de lançar uma invasão semelhante à da Ucrânia.

Quando questionado sobre os “objetivos de sucesso” dos Estados Unidos em meio ao conflito, o secretário de Defesa Lloyd Austin respondeu: “A Ucrânia continua sendo um país soberano, um país democrático, capaz de proteger seu território soberano”. Mas então ele disse a repórteres que deseja ver a diminuição da capacidade militar russa.

“Ela já perdeu muita capacidade militar e muitas de suas tropas, francamente, e queremos que eles não tenham a capacidade de reproduzir essa capacidade rapidamente”, acrescentou Austin.

“Queremos ver a Rússia enfraquecida ao ponto de não poder fazer o tipo de coisa que fez ao invadir a Ucrânia”, disse Austin a repórteres, segundo uma transcrição.

A Reuters e Jack Phillips contribuíram para a reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas