Suicídio de multimilionário Jeffrey Epstein levanta dúvidas e múltiplas investigações

Por Jeff Carlson

Jeffrey Epstein, o multimilionário que havia sido indiciado recentemente por tráfico sexual, foi encontrado morto por aparente suicídio em sua cela. De acordo com uma declaração do Departamento Federal de Prisões do Departamento de Justiça, “Epstein foi encontrado sem resposta em sua cela, em um aparente suicídio no Centro Correcional Metropolitano” em Nova Iorque às 6:30 da manhã.

A Associated Press informou que “funcionários do Corpo de Bombeiros receberam uma ligação às 6h39 da manhã de sábado, informando que Epstein estava com parada cardíaca, ele foi declarado morto no Hospital Presbiteriano-Lower Manhattan de Nova Iorque.”

O FBI está agora investigando o incidente.

Jerry Dunleavy, repórter do Washington Examiner, falou por telefone com o porta-voz do Departamento Médico Chefe da NYC, que lhe disse: “Estamos investigando a causa da morte e temos um caso aberto. Ainda não existe uma causa oficial de morte – os médico legistas farão o trabalho.

O Centro Correcional Metropolitano em Nova Iorque, onde Jeffrey Epstein estava encarcerado, em 10 de agosto de 2019 (Don Emmert / AFP / Getty Images)

A questão imediata é como foi possível para um homem supostamente sob vigilância suicida, tirar a própria vida – particularmente porque já havia ocorrido um evento potencialmente fatal. Em 24 de julho de 2019, foi relatado que Epstein havia sido encontrado no chão de sua cela, “semiconsciente, desanimado e chorando com ligeiras contusões em volta do pescoço”.

Na época, a CBS News informou que uma “fonte disse que não estava claro se seus ferimentos foram auto-infligidos, mas que Epstein havia sido colocado em vigilância suicida na instalação correcional como medida de precaução”.

Após o incidente de 24 de julho, uma fonte disse à NBC News que as autoridades estavam questionando outro preso, Nicholas Tartaglione, supostamente companheiro de cela de Epstein. Tartaglione é um “ex-policial no condado de Westchester que foi preso em dezembro de 2016 e acusado de matar quatro homens em uma suposta conspiração de distribuição de cocaína”.

Embora os detalhes do evento de 24 de junho continuem obscuros, todos os relatos indicaram que Epstein havia sido colocado sob observação de suicídio após o incidente. No entanto, uma fonte disse à Associated Press em 10 de agosto, após a morte de Epstein, que ele havia sido retirado da vigilância de suicídio. Segundo a AP, a fonte não estava autorizada a discutir o assunto publicamente e falou sob condição de anonimato.

A prisão federal onde Epstein foi abrigado, o Centro Correcional Metropolitano, tem um programa de prevenção de suicídio projetado para internos em situação de risco. Por que Epstein, um prisioneiro de perfil extremamente alto, foi retirado da vigilância de suicídio ainda não se sabe.

De acordo com a Bloomberg, uma “pessoa familiarizada com o assunto” disse que Epstein “foi tirado do controle suicida poucas horas antes de se suicidar”, mas outras reportagens contradizem esse momento e afirmam que Epstein foi retirado do serviço de suicídio no final de julho.

Além disso, a Reuters informou que, embora “dois guardas da prisão fossem obrigados a realizar verificações separadas em todos os prisioneiros a cada 30 minutos”, esse “procedimento não foi seguido durante a noite”.

Notavelmente, as diretrizes do Bureau of Prison exigem que seja fornecida uma justificativa por escrito da remoção de um indivíduo da vigilância de suicídio:

“Uma vez que um detento seja colocado sob observação, a vigilância não pode ser rescindida, sob nenhuma circunstância, sem que o Coordenador do Programa ou o seu representante realize uma avaliação face a face.”

De acordo com as diretrizes, “apenas o Coordenador do Programa terá autoridade para remover um preso da vigilância de suicídio”.

Um relatório, que deve ser preenchido antes do preso ser retirado do local de atendimento, é então compartilhado com “o arquivo central, o prontuário médico, o arquivo de psicologia e o diretor”.

Investigações na morte de Epstein

O procurador-geral William Barr, respondeu à morte de Epstein em um comunicado, dizendo que haveria pelo menos duas investigações sobre sua morte.

“Fiquei chocado ao saber que Jeffrey Epstein foi encontrado morto esta manhã por um aparente suicídio enquanto estava em custódia federal. A morte do Sr. Epstein levanta questões sérias que devem ser respondidas. Além da investigação do FBI, consultei o inspetor-geral que está abrindo uma investigação sobre as circunstâncias da morte de Epstein”, disse Barr.

Attorney General William Barr
O procurador-geral William Barr fala aos repórteres depois de uma visita a uma prisão federal em Edgefield, S.C., em 8 de julho de 2019 (John Bazemore / AP Photo)

Agora é provável que haja pelo menos três investigações separadas sobre a morte de Epstein – uma do FBI; outro da Inspetor Geral do DOJ; e finalmente, uma de dentro do Distrito Sul de Nova Iorque (SDNY), o distrito do tribunal envolvido no caso de Epstein e do encarceramento.

No Congresso, vários pedidos de investigação também já foram emitidos, incluindo o do senador Ben Sasse (R-Neb.), que já havia instado o Departamento de Justiça a rever o tratamento do controvertido acordo judicial de 2008 de Epstein.

Em um comunicado, Sasse disse que “por uma questão de política pública, o governo falhou com essas meninas novamente. É indesculpável que esse estuprador não estivesse sob constante vigilância suicida. Essas vítimas mereciam enfrentar seu agressor em série no tribunal”.

Senador Ben Sasse (R-NE) em Washington, DC, em 10 de janeiro de 2017 (Chip Somodevilla / Getty Images)

O senador da Flórida, Rick Scott (R-Fl.), ecoou os sentimentos de Sasse e exigiu respostas, em uma declaração de sua autoria:

“As vítimas das ações hediondas de Jeffrey Epstein mereciam uma oportunidade de justiça. Hoje, essa oportunidade foi negada a elas. A Agência Federal de Prisões deve fornecer respostas sobre quais falhas sistêmicas do MCC Manhattan ou atos criminosos permitiram que esse covarde negasse justiça às suas vítimas.”

Preet Bharara, o ex-procurador dos Estados Unidos para Nova Iorque, afirmou que “deveria haver – e existe com quase certeza- um vídeo do suicídio de Epstein no MCC. Espera-se que seja completo, conclusivo e seguro”.

Um dos advogados de Epstein, Marc Fernich, também pediu “uma investigação completa sobre as circunstâncias que cercam a morte de Epstein. O público precisa saber exatamente o que aconteceu e por quê – e como seus responsáveis poderiam tê-lo deixado acontecer”, relatou a Fox News.

De acordo com o Washington Post, “pessoas próximas a Epstein, observando que ele parecia estar de bom humor recentemente, ficaram surpresos com relatos de suicídio, de acordo com uma pessoa que conheceu suas discussões no começo do sábado e expressaram preocupação com a possibilidade de crime”.

Manifestação da acusação

Bradley Edwards, um advogado que representa várias acusações contra Epstein, disse em um comunicado que:

“O fato de Jeffrey Epstein ter sido capaz de cometer o ato egoísta de tirar a própria vida enquanto seu mundo de abuso, exploração e corrupção era desvendado é tanto infeliz quanto previsível. Enquanto ele e eu nos envolvemos em batalhas judiciais contenciosas por mais de uma década, esse não é o fim que estávamos aguardando. As vítimas mereciam ver Epstein responsabilizado, e ele devia a todas as suas vítimas a tomada de responsabilidade por toda a dor que ele causou”.

Outra vítima divulgou uma declaração através de sua advogada, Lisa Bloom, dizendo: “Agora, eu nunca terei a sensação de que tudo se resolveu . Estou zangada porque a prisão pode ter permitido que isso acontecesse e que eu e suas outras vítimas nunca o veremos enfrentar as consequências de suas terríveis ações”.

“Espero que quem permitiu que isso aconteça também enfrente algum tipo de consequência. Você roubou de nós, a enorme cura que precisávamos para seguir em frente com nossas vidas. ”

Epstein, que possuía uma fortuna estimada em mais de US$ 500 milhões, estava enfrentando a vida na prisão. Seu caso havia capturado a atenção nacional e estava se moldando para ser um dos casos de maior destaque na história recente.

É provável que as investigações anunciadas se concentrem no motivo pelo qual Epstein não estava mais em uma observação suicida e não fosse mais supervisionado 24 horas por dia, 7 dias por semana, como medida preventiva, bem como quem permitiu que ele fosse removido da vigilância de suicídio e por que razão.

Liberação de documentos

A morte de Epstein segue a publicação, na sexta-feira, de mais de 2.000 páginas de documentos relacionados a um processo contra a ex-namorada de Epstein, Ghislaine Maxwell, por Virginia Giuffre, uma das vítimas de Epstein.

Giuffre afirmou que “ela foi forçada” a ter relações sexuais com o professor de direito de Harvard, Alan Dershowitz, o “caça talentos” Jean Luc Brunel e “muitos outros homens poderosos, incluindo numerosos políticos americanos proeminentes, executivos poderosos, presidentes estrangeiros, um conhecido primeiro-ministro e outros líderes mundiais”, de acordo com documentos judiciais.

Ghislaine Maxwell assiste a uma gala em Nova Iorque, em uma foto de arquivo (Rob Kim / Getty Images)

Nenhum dos homens mencionados no depoimento de Guiffre foi acusado de qualquer crime e os documentos do tribunal não continham nenhuma confirmação ou detalhes adicionais, embora muitos documentos permaneçam selados.

O advogado norte-americano de Manhattan, Geoffrey Berman, divulgou uma declaração sobre o caso Epstein, na tarde seguinte à sua morte, observando sua intenção de manter a investigação de Epstein aberta e em andamento:

“Os eventos de hoje são perturbadores e estamos profundamente conscientes do seu potencial obstáculo para dar às muitas vítimas de Epstein o seu dia no tribunal. Para aquelas jovens corajosas que já se apresentaram e para as muitas outras que ainda não o fizeram, permitam-me reiterar que continuamos empenhados em representá-las e investigar a conduta da acusação – que incluía uma contagem de conspirações – que continua em andamento.”

A inclusão de uma contagem de conspiração é significativa do ponto de vista legal, indicando que a investigação não termina com a morte de Epstein. E como observado pelo repórter da CNN, Shimone Prokupecz, “qualquer um que esperasse conseguir alguma vantagem cooperando contra Epstein pode ter perdido essa oportunidade”.

 
Matérias Relacionadas