Qual é o maior desafio que você enfrenta como professor?

Prestação de contas, alfabetização e como os padrões morais da sociedade afetam os professores em sala de aula são alguns dos desafios que os repórteres do Epoch Times descobriram de Ohio a Lima quando perguntaram aos locais:

Qual é o maior desafio que você enfrenta como professor?

(Cortesia de Natalie S.)
Natalie S. (Cortesia de Natalie S.)

Ohio, EUA

Natalie S., professora do Ensino Médio

Para mim, o maior desafio é manter os alunos de hoje se dedicando na aula. Ao mesmo tempo, manter um conteúdo de ensino relevante para eles, caso contrário, eles vão achar a aula desinteressante. Além disso, acho difícil ter material de ensino que cumpra os requisitos e critérios apresentados pelo governo.

(Epoch Times)
Manuel Morega (Epoch Times)

Puerto Montt, Chile

Manuel Morega, 41, professor de Computação

Entregar as ferramentas tecnológicas para pessoas que não têm uma educação formal. Às vezes, eu tenho pessoas surdas ou que não sabem ler ou escrever. Nestes casos, torna-se difícil ensinar. Eu acredito que é o maior desafio que enfrento.

Edson Vidal (Epoch Times)
Edson Vidal (Epoch Times)

Piracicaba, São Paulo, Brasil

Edson Vidal, 48, professor de Gestão de Florestas Tropicais

O maior desafio para mim como professor foi agregar as opiniões de muitas pessoas e transformá-las em algo que todo mundo sentiu que fazia parte. Eu fui moderador, convidado pela FAO, na Rio +20 [a reunião da ONU sobre desenvolvimento sustentável que ocorreu no Rio de Janeiro, em junho de 2012].

Lourdes Claros Chavarro (Epoch Times)
Lourdes Claros Chavarro (Epoch Times)

Bogotá, Colômbia

Lourdes Claros Chavarro, 46 anos, professora

A questão principal para mim é manter um contacto muito próximo com cada aluno, muitos dos quais têm problemas familiares e não demonstram suas emoções. Eu uso muitas maneiras para fortalecer a relação professor-aluno, para desenvolver plenamente os valores e atitudes que lhes permitam torná-las pessoas produtivas no seu meio social. 

Isabel Mur (Epoch Times)
Isabel Mur (Epoch Times)

Saragoça, Espanha

Isabel Mur, 23, professora de Ensino Fundamental

Atualmente, o papel do professor na sala de aula está sendo questionada em várias ocasiões. Do meu ponto de vista, este é o maior desafio que enfrentamos como professores. Ser um professor jovem e ter pais que não confiam no meu trabalho ou na minha formação é, sem dúvida, o desafio que tive de enfrentar como professora. Apesar de ser um desafio, isso provavelmente me deixou mais animada para dar meu melhor aos meus alunos e mudar essa mentalidade nos adultos. Sem dúvida, ver como meus queridos alunos estão alfabetizados e, especialmente, aprenderam o significado da amizade, é a minha maior recompensa.

Marlene Ventocilla (Epoch Times)
Marlene Ventocilla (Epoch Times)

Lima, Peru

Marlene Ventocilla, 40, professora primária

Meu maior desafio foi o de pesquisar estratégias para alcançar as crianças de acordo com sua idade. Em crianças pequenas, isso pode ser feito por meio de jogos e áudio-visuais. Alcancei resultados muito bons com filhos mais velhos por meio de ensiná-los a aprender a pesquisar e também a expressar-se pela comunicação. A tutoria ajudou crianças a alcançar um equilíbrio psicológico. No mundo de hoje, ambos os pais trabalham e as crianças são deixadas sozinhas sem um guia. Assim, como professores, temos que tentar ajudar crianças em seu desenvolvimento.

(Epoch Times)
Ginna Poretsanou (Epoch Times)

Atenas, Grécia

Gianna Poretsanou, 29, professora

Como professora, eu quero que meus alunos me vejam como uma ‘parceira’, uma espécie de ‘co-piloto’ no processo de aprendizagem, não como uma figura de autoridade. Só assim posso ser uma inspiração para os meus alunos, o que é, na minha opinião, um dos maiores desafios que um educador enfrenta!

Saba Siddiqi (Epoch Times)
Saba Siddiqi (Epoch Times)

Dubai, Emirados Árabes Unidos

Saba Siddiqi, 35 anos, professora

O desafio é duplo, em minha opinião. Primeiro, um monte de alunos anda distraído, especialmente com seus BlackBerries, iPhones, iPads. O que eu tenho que fazer é tentar envolver seu interesse e ir além de todas essas distrações. Segundo, é trabalhar com os alunos que apresentam dificuldades em se aproximar de mim e não querem trabalhar. Enfim, os desafios que tenho que lidar são distrações perpétuas de alunos.

Björn, Håkonsson (Epoch Times)
Björn, Håkonsson (Epoch Times)

Lund, Suécia

Björn, Håkonsson, 50, sacerdote e professor de religião

Eu ensino adultos e adolescentes em crenças cristãs. Sinto que é como ir contra a corrente. As pessoas não sabem muito sobre a religião, então você tem que começar com o básico. Religião é muito secularizada hoje. A sociedade está mudando. Era diferente antes, quando eu era mais jovem. Na China, há uma terrível perseguição de religiões, mas na Suécia há outro tipo de repressão religiosa. É um país de extremos e as pessoas que atuam nas religiões estão sendo suprimidos, mas é mais sutil. Mas as pessoas em geral são boas, na Suécia.

Procure a coluna da Pergunta Global toda semana. Correspondentes do Epoch Times entrevistam pessoas em todo o mundo para entender suas vidas e perspectivas sobre a realidade local e global. 

 
Matérias Relacionadas