Pequim utiliza mídia social para espalhar propaganda globalmente

Um número considerável de diplomatas chineses está ativamente divulgando narrativas sancionadas pelo Estado em suas próprias contas de mídia social

Por Bowen Xiao

As plataformas de mídia social são as principais ferramentas utilizadas pelo Partido Comunista Chinês (PCC) como parte de sua campanha de desinformação global que visa manipular a narrativa em torno da pandemia a seu favor.

Inúmeros artigos e artigos de opinião – geralmente divulgando teorias de conspiração falsas sobre o vírus do PCC ou atribuindo culpas aos Estados Unidos – estão sendo publicados no Facebook e no Twitter pelas contas de mídia estatais da China. Ao mesmo tempo, um número considerável de diplomatas chineses está ativamente divulgando narrativas sancionadas pelo Estado em suas próprias contas de mídia social.

Nos últimos dias, os meios de comunicação estatais têm divulgado as hashtags “Trump Pandemic” e “Trump Virus” nas mídias sociais – e algumas nos Estados Unidos estão seguindo. O impulso da propaganda despertou preocupação dos legisladores dos EUA de ambos os lados do corredor. Eles dizem que essa campanha não é apenas desonesta, mas perigosa.

O Epoch Times procurou porta-vozes do Twitter e do Facebook, mas não recebeu uma resposta sobre se as empresas estavam cientes da campanha de desinformação, como estavam combatendo ou se tinham planos.

Walter Lohman, diretor do Centro de Estudos Asiáticos da The Heritage Foundation, disse que os Estados Unidos devem ser céticos em relação a qualquer informação ou número proveniente do PCC porque os dados são “altamente sensíveis politicamente, o que os torna não confiáveis”.

“A China se vê claramente em uma luta de longo prazo por influência política que antecede a pandemia de coronavírus e continuará muito tempo depois de resolvida”, disse Lohman ao Epoch Times.

O impulso da desinformação – que tem cada vez mais atingido os Estados Unidos – é uma tática comum usada pelo PCC como parte de sua estratégia global mais ampla. Os bots do PCC também invadiram o Twitter para defender o regime comunista, atacar os Estados Unidos e repetir essas narrativas de propaganda.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, foi uma das vozes mais ativas ao divulgar desinformação no Twitter e foi um dos primeiros a afirmar que o vírus veio dos Estados Unidos. Zhao tem mais de 500.000 seguidores no Twitter. Muitos de seus posts sobre conspiração ainda estão online.

Ray Walsh, especialista em privacidade digital da ProPrivacy, disse ao Epoch Times: “Não há dúvida de que o governo chinês entende que a mídia social oferece um potencial extremamente poderoso para disseminar a desinformação.

“Esse potencial viral para a disseminação da desinformação é o que torna a mídia social uma ferramenta tão útil para divulgar notícias falsas e causar discórdia e confusão.”

Walsh disse que o PCC provavelmente também está tentando “convencer seu próprio povo” – e não apenas outros países – tentando semear a conspiração de que o vírus veio dos Estados Unidos.

As pessoas na China não têm acesso a essas plataformas de mídia social e recebem um fluxo constante de propaganda do regime comunista lá. Embora as narrativas promovidas pela China possam mudar rapidamente, os objetivos são os mesmos: desertar a responsabilidade pelo manuseio incorreto do vírus do PCC e retratar uma imagem de que eles contiveram o surto com sucesso.

Os legisladores estão pedindo no Twitter para banir os funcionários do PCC da plataforma de mídia social, e um grupo de senadores está pedindo a criação de uma nova força-tarefa para combater diretamente a propaganda.

“Não é muito surpreendente, embora a ousadia seja”, disse Lohman, referindo-se à desinformação. “A China há muito tempo tem uma tarefa de guerra política contra Taiwan, tibetanos, uigures, Falun Gong e outros inimigos do Estado chinês”.

Existem várias razões possíveis pelas quais os Estados Unidos têm sido o principal alvo da propaganda da China. Outros países ocidentais, como a Itália, também foram recentemente alvo da mídia estatal, mas em menor grau.

Os Estados Unidos são vistos pela China como seu principal concorrente, disse Lohman. Também é provável que a China “se envolva no que considera comportamento de “olho por olho” em sua guerra comercial com os Estados Unidos, que “atacaram um pilar fundamental da legitimidade do PCC”.

Outro motivo é que Trump se referiu repetidamente à China como a fonte do vírus do PCC, que surgiu em Wuhan em dezembro de 2019, e Pequim tem a intenção de evitar ser responsabilizada, disse ele.

Nas últimas semanas, o PCC não reivindicou novos casos do vírus. Também alegou que a China agora enfrenta uma ameaça maior – infecções importadas do exterior. Porém, uma série de documentos internos do governo obtidos pelo The Epoch Times revelam que a situação na cidade de Wuhan é muito pior do que o que foi oficialmente relatado. Os cidadãos chineses também descrevem uma realidade diferente no terreno.

É difícil averiguar a realidade da situação na China, disse Lohman.

“Em uma nação do tamanho da China, com 1,3 bilhão de pessoas, é difícil imaginar que o coronavírus tenha sido erradicado e que todos os novos casos estejam sendo importados”, disse ele.

“É uma questão em aberto, por exemplo, se o coronavírus pode estar no sistema chinês de prisões e campos de trabalho, já que eles não estão abertos à inspeção externa”, disse Lohman. “Da mesma forma, é desconhecido, mas difícil de dar crédito, a ideia de que em todo o exército chinês de 2 milhões de pessoas não houve casos de coronavírus”.

Combate à propaganda

O senador Ben Sasse (republicano) e o deputado Mike Gallagher (republicano) escreveram em uma carta de 20 de março ao CEO do Twitter, Jack Dorsey, que as autoridades chinesas deveriam ser banidas da plataforma.

“Ao proibir o Twitter na China, o Partido Comunista Chinês mantém seus cidadãos no escuro. Ao colocar propaganda no Twitter, o Partido Comunista Chinês está mentindo para o resto do mundo”, escreveram os parlamentares.

Eles disseram que a propaganda que ofusca a origem do vírus PCC “potencialmente prejudica os esforços para conter e controlar o surto” e que “esse comportamento mais do que justifica sua remoção da plataforma”.

Em 25 de março, o senador Josh Hawley (R-Mo.) Apresentou uma resolução pedindo uma investigação internacional sobre o encobrimento inicial do regime pelo vírus do PCC. A resolução também pede à China que pague “todas as nações afetadas porque a China mentiu sobre a propagação do vírus”.

Enquanto isso, uma resolução bipartidária apresentada pelo deputado Jim Banks (R-Ind.) em 24 de março procura condenar o regime chinês por subestimar intencionalmente o surto de vírus do PCC. A resolução é co-liderada pelo deputado Seth Moulton (Massachusetts) e tem mais de 35 co-patrocinadores.

O Epoch Times se refere ao novo coronavírus como o vírus do PCC, porque o encobrimento e o manuseio incorreto da epidemia pelo Partido Comunista Chinês, que começou na cidade de Wuhan, no centro da China, permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e criasse uma pandemia global.

Eva Fu contribuiu para esta reportagem.

Siga Bowen no Twitter: @BowenXiao_

 
Matérias Relacionadas