Pequim usa saúde e aplicativos de celular como armas para atacar indivíduos, diz especialista

"Em um mundo governado pela China ou influenciado pela China, a saúde é usada como uma arma para punir dissidentes políticos"

Por Frank Fang, Jan Jekielek

O regime comunista da China usa a saúde e aplicativos de telefone celular como armas e como parte de seu manual, disse um especialista em China e no Indo-Pacífico.

Cleo Paskal, um membro associado da Chatham House e um membro sênior da Fundação para a Defesa das Democracias, disse que lições podem ser aprendidas com os vizinhos da China, particularmente a Índia e as Ilhas Salomão, para entender as ameaças representadas pelo partido, em uma entrevista recente no programa “ American Thought Leaders ” da Epoch TV.

“Compreender o quão invasiva, destrutiva e coercitiva é a mentalidade do Partido Comunista Chinês – em termos do direito de um indivíduo pensar o que quiser ou acreditar no que quiser – é essencial para entender o que estamos enfrentando”, disse Paskal.

Ele acrescentou: “Em um mundo governado pela China ou influenciado pela China, a saúde é usada como uma arma para punir dissidentes políticos”.

Paskal citou o exemplo de Daniel Suidani, primeiro-ministro da província de Malaita nas Ilhas Salomão e um importante crítico da China. Desde que o país do Pacífico Sul encerrou suas relações diplomáticas de 36 anos com Taiwan em favor da China em setembro de 2019, Suidani continuou a expressar seu apoio à ilha autônoma e rejeitou os investimentos chineses em Malaita.

O apoio contínuo de Suidani a Taiwan – uma nação independente de fato que a China reivindica como parte de seu território – o colocou em conflito com o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, que mantém um relacionamento próximo com Pequim.

Cerca de seis meses atrás, Suidani adoeceu com uma doença cerebral que exigia uma tomografia computadorizada, mas as Ilhas Salomão não têm esse dispositivo médico. Por isso, o primeiro-ministro passou a buscar atendimento médico no exterior, mas estava com dificuldades financeiras para pagar.

Suidani abordou o governo de Sogavare para pedir ajuda financeira para seus cuidados médicos, mas recusou o dinheiro depois de saber que havia condições para isso: ele teria que apertar a mão de Sogavare em público. No início deste mês, o conselheiro sênior de Suidani, Celsus Talifilu, disse à Al Jazeera que o primeiro-ministro rejeitou a oferta porque “seria como apertar a mão da China”.

Taiwan ofereceu assistência médica a Suidani e o primeiro-ministro chegou a Taiwan em 26 de maio. Sua viagem a Taiwan irritou o governo de Sogavare e Pequim, já que o primeiro disse que foi uma viagem “não autorizada” que minou a política de “uma China” do país do Pacífico Sul.

Enquanto isso, em um comunicado divulgado em 30 de maio, a embaixada chinesa nas Ilhas Salomão disse ter “registrado sua preocupação” com o governo de Sogavare sobre a viagem de Suidani, acrescentando que “se opõe a qualquer contato oficial” entre Taiwan e outros países.

“Esta é uma situação em que sua posição pessoal [de Suidani] na China significava que ele não teria assistência médica. Este é essencialmente um tipo de controle extraterritorial de sistema de crédito social sobre a saúde de um indivíduo”, explicou Paskal.

Ele acrescentou: “Se você não aceitar a China em seu coração, eles vão deixar você morrer. Isso é fundamentalmente o que aconteceu com o primeiro-ministro Suidani”.

O regime chinês aplica um sistema de crédito social, que atribui a cada cidadão uma pontuação de “confiabilidade social”. As pessoas podem ter pontos deduzidos de sua pontuação de crédito social se elas se envolverem em comportamentos considerados indesejáveis ​​pelo PCC, como cruzar a rua imprudentemente. Pessoas com baixa pontuação de crédito social são consideradas “indignas de confiança” e, portanto, privadas de acesso a serviços e oportunidades. Eles podem ser proibidos de voar ou frequentar escolas, entre outras coisas. Os críticos consideram o sistema uma violação dos direitos humanos.

Aplicações Móveis

De acordo com Paskal, Pequim também pode transformar os aplicativos móveis chineses em uma arma para semear divisões em outros países. Ele elogiou o governo indiano por proibir os aplicativos chineses, especialmente o popular aplicativo de compartilhamento de vídeo TikTok e o aplicativo de mensagens WeChat .

A Índia baniu mais de 200 aplicativos chineses, alegando que a coleta de dados do usuário por esses aplicativos representa um risco para a segurança nacional. A lei nacional de inteligência da China exige que todas as organizações e cidadãos “apoiem, ajudem e cooperem com os objetivos da inteligência nacional”.

Pequim poderia usar os dados coletados por diferentes aplicativos chineses para coagir e chantagear, alertou Paskal.

Além disso, Paskal explicou que, como os aplicativos chineses também retêm informações, Pequim poderia tentar “manipular as pessoas que têm o aplicativo para criar certas coisas ou seguir politicamente em certas direções”.

“Se isso pode criar uma divisão social ou exacerbar a divisão social em outro país, e paralisá-la socialmente, prejudicá-la socialmente, a China ganha. Isso não significa que os países não tenham problemas sociais. Significa apenas que há um interesse de Pequim: piorar a situação. E isso pode ser feito por meio de aplicativos como o TikTok”, explicou Paskal.

Alguns meios de comunicação relataram como o TikTok censurou certos tópicos, como o massacre da Praça Tiananmen ou o tratamento dado pela China aos uigures e outras minorias muçulmanas.

Em 9 de junho, a administração Biden reverteu as ordens executivas do ex-presidente Donald Trump que proibiam o TikTok e o WeChat na prática e exigiu que o Departamento de Comércio conduzisse sua própria revisão de ambos os aplicativos.

Paskal advertiu que, em última análise, o PCC quer influenciar a mente de cada indivíduo.

“Portanto, esteja muito atento. Você é o alvo. (…) O objetivo agora do Partido Comunista Chinês é a guerra política: a primeira linha de sua tentativa de alcançar a posição número um em termos de poder nacional integral é a sua mente ”, explicou.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer 

Siga Jan no Twitter: @JanJekielek

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas