Pequim transformou o modelo de Hong Kong de ‘um país, dois sistemas’ em ditadura unipartidária, diz especialista

Por Jessica Mao

Em 12 de junho, o aniversário de dois anos do movimento de emenda da Lei Anti-Extradição de Hong Kong , o principal funcionário da cidade em Pequim enfatizou o poder governante do Partido Comunista Chinês (PCC) em Hong Kong.

Analistas dizem que o PCC traiu completamente sua promessa de deixar Hong Kong inalterado por 50 anos, com o PCC transformando o acordo “um país, dois sistemas” em uma ditadura de partido único.

As autoridades chinesas organizaram um fórum no qual o sistema “um país, dois sistemas” foi discutido em 12 de junho. Luo Huining, diretor do Escritório de Ligação do Governo Popular Central em Hong Kong, enfatizou que, na visão de Pequim, a governança do PCC é a premissa da implementação de “um país, dois sistemas” e qualquer pessoa que se oponha ao regime de um só partido é o “inimigo de Hong Kong que busca minar a estabilidade e a prosperidade de Hong Kong”.

Pequim vem minando a autonomia de Hong Kong ao introduzir uma série de novas leis, como as leis de segurança nacional e o projeto de extradição, para facilitar a punição de dissidentes e manifestantes.

Em 13 de fevereiro de 2019, o governo de Hong Kong propôs um projeto de extradição, o Projeto de Lei de Delinquentes Fugitivos de 2019 e Assistência Jurídica Mútua em Matéria Criminal, que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China Continental para julgamento.

Com o governo ignorando muitos de seus apelos para manter a sociedade de Hong Kong independente do regime de Pequim, milhões de residentes de Hong Kong foram às ruas em 12 de junho de 2019 para protestar contra o projeto de lei. No entanto, os manifestantes enfrentaram forte repressão policial .

Um ano depois, em 20 de junho de 2020, Pequim impôs sua lei de segurança nacional à cidade. A Lei de Segurança Nacional de Hong Kong estipula que qualquer pessoa que “violar” esta lei em qualquer lugar do mundo pode ser extraditado para a China continental ao visitar ou retornar a Hong Kong.

O especialista em China Ji Da disse ao Epoch Times que os oficiais do PCC em Hong Kong escolheram marcar o segundo aniversário do movimento anti-extradição de Hong Kong como uma forma de insinuar que o governo vê os protestos contra a extradição como ações contra o PCC.

“O título oficial de Luo Huining é equivalente ao de chefe do Partido em Hong Kong. Desta vez, ele declarou abertamente que um slogan que alguns habitantes de Hong Kong têm usado, “Fim da Ditadura de Partido Único”, viola a lei básica. Isso significa que qualquer ação anti-PCC em Hong Kong constitui uma violação da lei ”, disse Ji.

De acordo com o porta-voz do PCC, a Xinhua News Agency, o fórum foi organizado conjuntamente pelo Escritório Central de Ligação de Hong Kong, a Agência de Segurança Nacional de Hong Kong, o Gabinete do Comissário Especial do Ministério das Relações Exteriores da China em Hong Kong e Hong Kong Relações Exteriores e a Guarnição de Hong Kong.

Entre os presentes estavam Tung Chee-hwa e Liang Zhenying, vice-presidentes do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), e Carrie Lam , diretora executiva de Hong Kong.

Ji disse que a reunião mostrou que os participantes são na verdade a equipe do governo do PCC em Hong Kong.

“Carrie Lam é basicamente a prefeita de Hong Kong e o diretor do Escritório de Ligação é o chefe do partido em Hong Kong. A guarnição de Hong Kong é equivalente ao comissário político. A Agência de Segurança Nacional é semelhante ao “Comitê de Políticas e Leis” do PCC. Juntos, eles fizeram uma aparição de alto nível neste fórum.

“É óbvio que o PCC deseja substituir o Conselho Legislativo e o Conselho Executivo de Hong Kong por esta equipe”, acrescentou Ji.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas