Pequim terá ‘capacidade total’ para invadir Taiwan em quatro anos, diz ministro da defesa da ilha

Declarações foram feitas após quatro dias de escalada da pressão militar chinesa contra Taiwan, na qual cerca de 150 aviões de guerra entraram na zona de defesa aérea da ilha

Por Dorothy Li

O regime de Pequim será totalmente capaz de montar uma invasão em grande escala contra Taiwan até 2025, alertou o ministro da defesa da ilha em 6 de outubro.

Essas declarações foram feitas após quatro dias de escalada da pressão militar chinesa contra Taiwan, na qual cerca de 150 aviões de guerra entraram na zona de defesa aérea da ilha.

“É a situação mais difícil que vi em mais de 40 anos de minha vida militar”, disse o ministro da Defesa, Chiu Kuo-cheng, em uma audiência do comitê parlamentar em 6 de outubro. “Para mim, como militar, a corrida está à minha frente”.

Embora o Partido Comunista Chinês (PCC) atualmente tenha a capacidade de invadir Taiwan, os custos de fazê-lo podem ser muito altos, disse Chiu aos repórteres. Mas em 2025, Pequim será capaz de fazer isso a um custo mínimo e, portanto, terá “capacidade total” para preparar uma invasão, disse ele.

O regime chinês considera a ilha autônoma como um de seus territórios e sente que pode tomá-la à força se necessário.

Os comentários de Chiu foram feitos perante um comitê parlamentar que analisa um plano de gastos de US$ 8,6 bilhões para construir e produzir mísseis e navios nos próximos cinco anos. A proposta seria um acréscimo ao orçamento militar de 2022 de US$ 13,4 bilhões, implementado em resposta ao aumento dos gastos militares de Pequim e ao aumento das atividades da força aérea e naval chinesa perto de Taiwan.

O Ministério da Defesa observou em sua proposta de gastos que mais de 600 aeronaves militares chinesas voaram para sua zona de defesa aérea até agora em 2021, quase dobrando as 380 surtidas em 2020, de acordo com a agência de notícias estatal CNA.

Em março, o almirante Philip Davidson, então chefe do Comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos, disse durante uma audiência no Senado que o regime chinês poderia invadir Taiwan “nos próximos seis anos”. O almirante disse estar preocupado que a crescente agressividade de Pequim represente uma ameaça aos Estados Unidos no Indo-Pacífico, uma área que ele descreveu como a “região de maior importância para o futuro dos Estados Unidos”.

A presidente taiwanês, Tsai Ing-wen, disse em um ensaio publicado em 5 de outubro que deixar de defender a ilha teria consequências “catastróficas” para a paz e a democracia regionais.

“Seria um sinal de que, na atual competição global por valores, o autoritarismo tem a vantagem sobre a democracia”, escreveu Tsai, sobre uma possível queda de Taiwan.

Em 5 de outubro, o presidente Joe Biden disse que havia conversado com o líder chinês Xi Jinping sobre Taiwan e que eles concordaram em cumprir o “acordo de Taiwan”.

“Concordamos. Cumpriremos o acordo de Taiwan. É onde estamos, e deixei claro que não acho que devo fazer outra coisa senão cumprir o acordo”, disse Biden a repórteres.

Biden parecia estar se referindo à longa “política de uma só China”, segundo a qual reconhece oficialmente Pequim em vez de Taipei, e a Lei de Relações com Taiwan, que deixa claro que a decisão dos Estados Unidos de estabelecer relações diplomáticas com Pequim, em vez do que com Taiwan é baseada na expectativa de que o futuro de Taiwan será determinado por meios pacíficos.

Pelo contrário, o regime chinês defende o seu próprio “princípio de uma só China”, segundo o qual Pequim afirma a sua soberania sobre Taiwan. O regime chinês exigiu fervorosamente que outros governos adotassem sua posição sobre Taiwan, o que os Estados Unidos não aceitaram.

Cathy He contribuiu para este artigo.

Com informações da Reuters.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas