Pequim tenta ‘refazer Hong Kong à sua imagem’ com o atraso das eleições na cidade

Por Eva Fu

Governos e autoridades de todo o mundo condenaram a decisão do governo de Hong Kong de adiar as próximas eleições, dizendo que foi a mais recente ofensa às liberdades da cidade por parte de Pequim.

“O mundo assistiu ao contínuo e crescente abuso do Partido Comunista Chinês das liberdades e autonomia de Hong Kong”, disse o senador Marco Rubio (R-Fla.) ao Epoch Times por e-mail em 31 de julho.

Na sexta-feira, a líder de Hong Kong, Carrie Lam, anunciou a decisão de adiar a eleição do Conselho Legislativo de setembro por um ano, citando um aumento nos casos de vírus locais. Hong Kong registrou aumentos de três dígitos nos casos COVID-19 pelo décimo dia consecutivo, com 121 novos casos registrados na sexta-feira.

Rubio disse que Pequim está explorando a pandemia do vírus para “refazer Hong Kong à sua imagem” e que “as liberdades políticas de Hong Kong estão sendo esmagadas diariamente”.

Em uma entrevista coletiva na sexta-feira, a secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, condenou o adiamento da eleição, dizendo que a ação “mina os processos democráticos e liberdades que sustentaram a prosperidade de Hong Kong” e é “apenas o mais recente de uma lista crescente de promessas quebradas de Pequim”.

A medida foi um golpe no campo pró-democracia local, que esperava conquistar a maioria dos assentos na legislatura. Em meados de julho, mais de meio milhão de pessoas de Hong Kong foram às urnas em uma primária não oficial organizada por ativistas pró-democracia, uma participação que foi vista como um protesto simbólico contra a lei de segurança nacional.

Uma mulher usa seu telefone enquanto espera para votar durante as eleições primárias em Hong Kong em 12 de julho de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via Getty Images)
Uma mulher usa seu telefone enquanto espera para votar durante as eleições primárias em Hong Kong em 12 de julho de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via Getty Images)

Em reação ao adiamento das eleições, a Alemanha suspendeu seu tratado de extradição com Hong Kong. Os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá e Nova Zelândia haviam finalizado anteriormente seus acordos com Hong Kong após a imposição de uma lei abrangente de segurança nacional por Pequim.A lei entrou em vigor em 1º de julho, no 23º aniversário da transferência da soberania de Hong Kong do governo britânico para a China.

Na quinta-feira, as autoridades locais desqualificaram massivamente uma dúzia dos principais ativistas pró-democracia de concorrer às eleições. Chris Patten, o último governador britânico, descreveu a mudança como “um expurgo político ultrajante”. E em 29 de julho, o novo departamento de segurança nacional da polícia de Hong Kong fez suas primeiras prisões, prendendo quatro estudantes ativistas por postarem “mensagens problemáticas” que defendiam a independência nas mídias sociais.

Os recentes acontecimentos em Hong Kong “representam uma violação adicional dos direitos dos cidadãos de Hong Kong”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha em comunicado no Twitter.

Horas depois que Lam fez o anúncio, a polícia de Hong Kong emitiu mandados de prisão para seis ativistas democráticos atualmente no exterior, incluindo Nathan Law e o ex-funcionário consular britânico Simon Cheng, acusando-os de violar a lei de segurança nacional.

Law, que atualmente está no Reino Unido, disse esperar que esse dia chegasse quando ele fugisse de Hong Kong em meio a uma crescente invasão chinesa, mas que “isso se torna uma realidade que ainda desilude, incapacita e me assusta”.

Ativista pró-democracia Nathan Law durante uma conferência de imprensa em 19 de junho de 2020 em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)
Ativista pró-democracia Nathan Law durante uma conferência de imprensa em 19 de junho de 2020 em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)

“Quem pode se libertar do medo diante da poderosa máquina política da China?”, Disse ele no Twitter. Law acrescentou que ele parou de entrar em contato com seus parentes desde que deixou a cidade e que também cortará laços com eles.

“As prisões, as desqualificações e os boletins de busca são indicações de nossa necessidade de permanecermos ativos no cenário mundial”, continuou ele. “O fato de Hong Kong não ter lugar para opiniões tão moderadas quanto a nossa ressalta o absurdo do governo comunista chinês”.

A decisão do governo de Hong Kong também provocou uma torrente de críticas dos Estados Unidos no Twitter. O congressista Vicente Gonzalez (D-Texas) chamou de “uma ladeira escorregadia em direção ao autoritarismo”, enquanto o senador Rick Scott (Flórida) disse que mostrava o padrão de repressão do regime chinês.

“Se as eleições serão amanhã ou depois de um ano, o desejo [de Hong Kong] de democracia não desaparecerá”, escreveu ele.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas