Pequim sentencia praticante do Falun Gong a 8 anos de prisão à frente dos Jogos Olímpicos

Pesada sentença novamente destaca as violações aos direitos humanos pelo PCC enquanto o regime busca exaltar sua imagem política durante os Jogos

Por Rita Li 

Um tribunal de Pequim condenou uma praticante do Falun Gong a oito anos de prisão, enquanto os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 se aproximam.

A sentença pesada novamente destaca as violações aos direitos humanos pelo Partido Comunista Chinês (PCC) enquanto o regime busca exaltar sua imagem política durante os próximos Jogos, de acordo com Wu Shaoping, um advogado chinês de direitos humanos nos Estados Unidos.

“O Comitê Olímpico Internacional (COI) deve abrir os olhos para a situação atual dos direitos humanos na China sob o Partido Comunista Chinês e não deve continuar cooperando com ele”, afirmou Wu ao Epoch Times.

“Isso é uma vergonha para o COI.”

Xu Na, uma pintora de natureza morta de 53 anos de Pequim, é uma dos 11 cidadãos chineses que foram detidos em julho de 2020 por fornecer fotos e informações à edição em chinês do Epoch Times durante o início do surto da COVID-19 na China.

Todos eles são praticantes do Falun Gong. O Falun Gong é uma disciplina espiritual baseada nos princípios básicos de verdade, compaixão e tolerância, e cerca de 70 milhões a 100 milhões de pessoas o praticavam na China em 1999. Naquela época, o regime chinês considerou a popularidade da prática uma ameaça e lançou uma campanha de perseguição nacional para erradicá-la.

“Xu Na e outros não são apenas inocentes, mas também meritórios”, afirmou seu advogado de defesa, Xie Yanyi, que foi impedido de defender sua cliente no julgamento de 15 de outubro de 2021.

Xu estava detida em um centro de detenção local aguardando julgamento por mais de um ano desde que os 11 foram presos. Ela foi sentenciada apenas três semanas antes da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno.

Praticantes do Falun Gong realizam exercícios em um evento que celebra o Dia Mundial do Falun Dafa em Taipei, em Taiwan, no dia 1º de maio de 2021 (Sun Hsiang-yi / Epoch Times)
Praticantes do Falun Gong realizam exercícios em um evento que celebra o Dia Mundial do Falun Dafa em Taipei, em Taiwan, no dia 1º de maio de 2021 (Sun Hsiang-yi / Epoch Times)

O tribunal condenou Xu no dia 14 de janeiro a oito anos de prisão – a sentença mais longa entre os 11. Os demais foram condenados entre dois e cinco anos, segundo seu advogado representante.

O punho de ferro comunista já havia dilacerado a família de Xu 14 anos antes, enquanto o mundo se preparava para os Jogos de 2008.

A polícia de Pequim prendeu Xu e seu marido em janeiro de 2008 usando a desculpa de um “cheque olímpico”.

Seu marido, Yu Zhou, um músico folclórico, foi torturado até a morte por sua crença duas semanas após sua detenção, aos 42 anos. Xu não foi autorizada a comparecer ao funeral e mais tarde foi condenada a três anos de prisão.

Yu Zhou e Xu Na (Minghui.org)
Yu Zhou e Xu Na (Minghui.org)

O que aconteceu com esse casal deve ser mais do que suficiente para aumentar a conscientização internacional, afirmou Wu.

Pequim é a primeira cidade a sediar os Jogos de Verão e de Inverno, apesar dos apelos internacionais para um boicote total devido ao péssimo histórico de direitos humanos do PCC, que deve desqualificar a China como país anfitrião.

“Toda injustiça neste mundo, mesmo distante, ainda é relevante para você, porque está sempre torturando sua consciência”, escreveu Xu em uma declaração pessoal.

Ela não pode esquecer a dor terrível que sentiu durante sua detenção prolongada em Pequim, declarou ela no comunicado, lembrando os dias sombrios pelos quais passou.

“É pior viver do que morrer”, relatou Xu sobre a primeira detenção de cinco anos que sofreu, começando em 2001. Aos 32 anos, ela sofreu cruéis torturas muitas vezes. Ela passou cerca de 10 anos no total atrás das grades.

“Como eu gostaria de estar em Auschwitz em vez de uma prisão chinesa. Nas câmaras de gás nazistas, pode-se morrer rapidamente”, declarou Xu no comunicado. “O propósito do [crime] dos nazistas contra a humanidade era destruir o corpo judaico, enquanto o propósito [do PCC] é destruir o espírito humano, a consciência”.

Quando ela se recusou a desistir de sua fé sob tortura, um policial afirmou a ela de maneira séria: “Eu deveria solicitar uma craniotomia e remover seu cérebro”.

“[O PCC] violou as normas internacionais de direitos humanos”, declarou o advogado de direitos humanos Wu, pedindo um apelo contínuo para boicotar as Olimpíadas de Pequim, marcadas para começar no dia 4 de fevereiro.

O Departamento de Estado dos EUA expressou preocupação com os 11 cidadãos chineses, incluindo Xu, em um e-mail para o Epoch Times em agosto passado.

“Os Estados Unidos pedem ao governo [da República Popular da China] que liberte jornalistas e seus contatos detidos por suas reportagens sobre as restrições da COVID-19 e cesse seus esforços para silenciar aqueles que procuram relatar a verdade”, requisitou um porta-voz.

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas, grupo de defesa dos jornalistas com sede em Nova Iorque, também pediu uma libertação imediata e que todas as acusações sejam retiradas, em um comunicado de agosto.

O editor-chefe da revista Bitter Winter, Massimo Introvigne, se pronunciou sobre a prisão em uma entrevista anterior, afirmando que o regime tem mais medo da verdade e da informação livre do que das armas.

Os países que anunciaram um boicote diplomático aos Jogos incluem Estados Unidos, Austrália, Reino Unido, Canadá, Lituânia, Bélgica, Dinamarca e Estônia.

Luo Qiong e Chang Chun contribuíram para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas