Pequim deseja influenciar política dos EUA por meio de mudanças climáticas, alertam especialistas

Por Cathy He

O governo Biden não deve permitir que o regime chinês use a mudança climática como moeda de troca para obter concessões em outras áreas, segundo especialistas chineses.

O alerta vem no momento em que os Estados Unidos aderiram formalmente ao acordo de Paris em 19 de fevereiro. O presidente Joe Biden descreveu a mudança climática como uma “ameaça existencial” e prometeu fazer mais para reduzir as emissões de carbono. Mas analistas temem que isso possa levar os Estados Unidos a se tornarem mais próximos do regime chinês.

Embora as autoridades de Biden tenham indicado amplamente que continuariam com a postura dura do governo Trump em relação à China, eles também apontaram os aspectos “cooperativos” da relação EUA-China.

Durante a campanha, Biden disse que trabalharia com o regime  em áreas de interesse comum, como mudança climática e prevenção da proliferação nuclear.

Especialistas temem que a cooperação dos EUA em mudanças climáticas possa levar o governo a ceder em outros domínios importantes, como direitos humanos, comércio e segurança nacional.

O regime chinês já indicou que os Estados Unidos teriam que aceitar seus próprios termos antes que os dois lados pudessem trabalhar juntos.

“Dito isso, gostaria de enfatizar que a cooperação China-EUA em áreas específicas … está intimamente ligada às relações bilaterais como um todo”, continuou Zhao, acrescentando que o regime enfatizou repetidamente  que “ninguém deveria imaginar que poderia pedir à China para entendê-los e apoiá-los em assuntos bilaterais e globais quando eles interferem descaradamente nos assuntos internos da China e minam seus interesses.”

O Partido Comunista Chinês (PCC) rotulou uma série de tópicos como a repressão às minorias em Xinjiang e no Tibete, a repressão em Hong Kong e a intimidação de Taiwan como parte de seus interesses centrais, dizendo que o assunto não está aberto para discussão.

Os comentários de Zhao foram feitos depois que o enviado presidencial especial para o clima, John Kerry, prometeu que questões importantes, incluindo o roubo de propriedade intelectual (IP) do PCC e a agressão militar no Mar da China Meridional “nunca serão trocadas por nada que tenha a ver com o clima”.

Mas Kerry acrescentou que “o clima é uma questão autônoma crítica”, observando que a China é o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, com cerca de 30%.

“Portanto, é urgente encontrarmos uma maneira de compartimentar, de seguir em frente”, disse ele.

“A posição da China é que você tem bons relacionamentos conosco em tudo ou em nada”, disse Chang.

“Se tivermos essa escolha, não deve ser nada. Porque a China está tentando restringir as áreas onde podemos ter uma discussão construtiva. ”

De qualquer forma, os Estados Unidos não precisam oferecer nada para fazer o regime agir sobre o clima, observou Chang.

“Os chineses estão no mesmo planeta que nós”, disse ele. “Então, eles têm o mesmo interesse em prevenir as mudanças climáticas na medida em que estão ocorrendo, então não precisamos dar nada a eles por isso.”

Quaisquer negociações com o regime sobre mudança climática também seriam uma perda de tempo, de acordo com Clyde Prestowitz, autor de “O mundo virou de cabeça para baixo: América, China e a luta pela liderança global”.

“Não se pode confiar na China para cumprir sua palavra”, acrescentou.

O ex-oficial de segurança de Trump, Matthew Pottinger, também alertou sobre ficar preso em “armadilhas de negociação” armadas por Pequim . Ele disse que sucessivas administrações dos EUA desperdiçaram anos em negociações formais com a China que não produziram resultados concretos, o que permitiu ao regime continuar ações prejudiciais contra os Estados Unidos, como roubo de propriedade intelectual.

Para reduzir as emissões, Chang sugeriu que os Estados Unidos parassem de comprar da China e começassem a redirecionar a manufatura para os Estados Unidos, visto que a indústria naval é um poluidor pesado.

“Essa forma vai fazer muito pelo clima, além de trazer, é claro, alguns outros benefícios muito críticos para nós”, disse ele.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas