Pequim prendeu pelo menos 100 praticantes do Falun Gong em setembro

Por Frank Yue

O Partido Comunista Chinês (PCC) condenou pelo menos 100 praticantes do Falun Gong à prisão em setembro, de acordo com o Minghui.org, um site com sede nos EUA que documenta a perseguição do regime chinês ao Falun Gong.

Um artigo de 5 de outubro na web listou 101 pessoas que foram condenadas à prisão por sua crença no Falun Gong em setembro, incluindo 25 pessoas com 65 anos ou mais. Ao mesmo tempo, os tribunais do PCC os multaram em $ 77.600 e os policiais locais extorquiram $ 7.767 deles.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma antiga prática espiritual chinesa que consiste em exercícios lentos e ensinamentos morais que promovem a verdade, a compaixão e a tolerância na vida diária. Sua popularidade atingiu o pico no final da década de 1990 na China, onde alcançou mais de 100 milhões de praticantes, de acordo com estimativas oficiais.

A perseguição de setembro envolveu 19 províncias, regiões de minorias étnicas e municípios sob a administração direta do PCC central.

Família presa em Tianjin

No início de setembro, as autoridades do distrito de Ninghe, no distrito de Tianjin, condenaram uma família de três praticantes do Falun Gong à prisão, de acordo com o relatório.

O pai, Li Guoqing; a mãe, Yu Bo; e sua filha Li Lei receberam penas de prisão de 12, 10 e 7 anos, respectivamente, por praticarem sua fé.

Li Guoqing era despachante sênior de energia em uma empresa local de energia. Sua experiência e bom caráter lhe renderam amplo reconhecimento e respeito de seus colegas.

Sua esposa e filha tinham um pequeno negócio familiar – um negócio de casamentos, que gozava de boa reputação localmente.

Logo após as prisões de 15 de maio de 2019, a polícia vasculhou sua casa e apreendeu três veículos, uma impressora e outros itens particulares.

Advogado preso novamente na província de Hunan

O praticante do Falun Gong, Meng Kai, que também é advogado, foi condenado a três anos e meio de prisão por um tribunal na cidade de Liuyang, província de Hunan, em 17 de setembro. O julgamento aconteceu 11 meses depois de ele ter sido preso em 28 de outubro de 2020, de acordo com o relatório.

O governo local não deu nenhuma informação à família de Meng até o dia anterior ao seu comparecimento ao tribunal em 17 de setembro de 2021. Durante o julgamento, a família viu Meng se defender por meio de uma tela, onde observou que o tribunal aplicou incorretamente o Artigo 300 da lei criminal da China para acusá-lo. No entanto, o juiz insistiu em condená-lo apesar da acusação.

Desde 2001, Meng cumpriu sete anos na prisão de Chishan na cidade de Yuanjiang, província de Hunan, por se recusar a renunciar às suas crenças. Ele foi submetido a várias formas de tortura enquanto estava encarcerado.

Engenheira reencarcerada em Xangai

A praticante do Falun Gong, Yang Manye, foi condenada a dois anos de prisão e multada em US$ 1.240, em 24 de setembro em Xangai.

A engenheira de 54 anos é residente do distrito de Putuo, em Xangai. Ela tem sofrido repetidas perseguições por sua crença no Falun Gong em centros de detenção, centros de lavagem cerebral, campos de trabalho forçado e prisões, de acordo com o Minghui.org.

A perda combinada de liberdade pessoal totaliza 10 anos, conforme o relatório.

Mulher de 81 anos julgada novamente na província de Shandong

A professora aposentada, Ma Junting, 81 anos, é residente da cidade de Tai’an, província de Shandong. Ela recebeu uma sentença de 2 anos em 2 de setembro com base em um período pendente de 3 anos que recebeu em 2019.

A polícia a perseguiu mais de uma vez e a enviou à força para sessões de lavagem cerebral.

Em 7 de junho de 2018, quatro policiais do Departamento de Segurança Pública de Feicheng, na cidade de Tai’an, invadiram sua casa e confiscaram todos os seus livros e materiais do Falun Gong. A polícia forçou sua família a assinar um aviso de “fiança pendente de julgamento” em seu nome.

Em 13 de junho de 2019, um tribunal em Feicheng deu a Ma uma pena de prisão de 3 anos, liberdade condicional de quatro anos e multa de US$ 6.208.

Em 9 de novembro de 2020, Ma estava compartilhando calendários e brochuras relacionados ao Falun Gong com o público. Quando a polícia recebeu um relatório de suas ações, oficiais do distrito de Taishan e oficiais da Agência 610 local invadiram sua casa.

A Agência 610 é uma rede nacional secreta e extralegal projetada para atacar os praticantes do Falun Gong. Também conhecida como a “Gestapo” da China, esta agência tem autoridade para usar os vastos recursos do país nos setores de segurança pública, acusação, justiça e propaganda para oprimir milhões de praticantes do Falun Gong.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas