Pequim expressa ainda mais apoio a Putin e reitera soberania no Estreito de Taiwan

Xi “reconhece a legitimidade das ações da Rússia para salvaguardar os interesses fundamentais do país"

Por  Jennifer Bateman

Dois dias antes do aniversário do líder chinês Xi Jinping, ele fez duas grandes jogadas. Analistas acreditam que esses movimentos também foram feitos para aumentar sua influência enquanto ele busca um terceiro mandato no 20º Congresso do Partido.

Nos países comunistas, os aniversários dos principais líderes são datas importantes para toda a nação. Xi nasceu em 15 de junho de 1953.

Em 13 de junho, Xi supostamente assinou um “Esboço para as operações militares fora da guerra do exército chinês”. No mesmo dia, o Ministério das Relações Exteriores da China mudou repentinamente sua retórica e reivindicou publicamente a soberania sobre o Estreito de Taiwan, desencadeando uma resposta imediata da Casa Branca, que acusou o Partido Comunista Chinês (PCCh) de minar a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan.

O Esboço, cujos detalhes estão ocultos ao público, foi implementado oficialmente em 15 de junho, no aniversário de Xi. A mídia estatal chinesa afirmou que visa salvaguardar a soberania e a segurança nacional e fornece uma base legal para o Exército de Libertação Popular (ELP) “conduzir operações militares sem uma guerra”.

Também em 15 de junho, Xi teve uma conversa telefônica com o presidente russo, Vladimir Putin, reiterando que os dois líderes continuariam a aprofundar as relações sino-russas e expressando apoio mútuo às principais agendas um do outro.

Há dois dias, o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, declarou publicamente no Fórum de Segurança Asiático que os militares chineses “não hesitariam em lutar” pela chamada “unificação” de Taiwan.

Operações militares de ‘sem guerra’ ou ‘além da guerra’

Com base na redação do Esboço, os analistas acreditam que a possível ação militar do PCCh contra Taiwan poderia ser realizada em um cenário “diferente da guerra”.

“Considerando que o presidente russo Vladimir Putin invadiu a Ucrânia sob o nome de ‘operação militar especial’, Xi Jinping pode atacar Taiwan em nome do antiterrorismo e anticrime”. Yaita Akio, diretor da filial de Taipei da Sankei Shimbun, disse em uma publicação no Facebook em 14 de junho que: “se não for um ato de guerra, pode evadir as disposições relevantes do direito internacional e também pode evadir certas sanções econômicas”.

Li Yanming, um conhecido comentarista de assuntos atuais, disse ao Epoch Times que a recente série de ações do PCCh mostra que a China e a Rússia estão unindo forças com o objetivo comum de mudar a ordem internacional liderada pelos EUA.

Seja a invasão da Ucrânia pela Rússia ou as contínuas ameaças militares do PCCh no Estreito de Taiwan, no Leste Asiático e no Mar do Sul da China, todos eles visam a ordem mundial e os Estados Unidos, pois os Estados Unidos desempenham o papel de representar e manter a ordem internacional. Ao mesmo tempo, Xi está tentando alavancar sua reeleição no 20º Congresso do Partido.

Cúpula China-Rússia se compromete com ‘apoio mútuo’

Embora a China e a Rússia tenham feito comentários diferentes sobre a conversa telefônica entre Xi e Putin, os dois lados expressaram apoio mútuo na guerra Rússia-Ucrânia e na estratégia do PCCh em relação a Taiwan.

“A China está disposta a continuar nosso apoio mútuo com a Rússia em questões relacionadas a interesses centrais e grandes preocupações, como soberania e segurança”, disse Xi durante a ligação, segundo um comunicado de imprensa de 15 de junho da agência de notícias estatal Xinhua.

O lado russo afirmou que Xi “reconhece a legitimidade das ações da Rússia para salvaguardar os interesses fundamentais do país diante dos desafios de segurança criados por forças externas”.

Xi disse que a China fará julgamentos independentes sobre a guerra Rússia-Ucrânia com base em uma ampla perspectiva histórica e no que é certo e errado. Putin respondeu dizendo que a Rússia apoia as ações do PCCh em questões relacionadas a Xinjiang, Hong Kong e Taiwan, e que a Rússia se opõe à interferência estrangeira nos assuntos internos da China.

Heng He, um conhecido comentarista de assuntos atuais, acredita que esta conversa telefônica marca outra ligação histórica depois que Xi e Putin conversaram em 25 de fevereiro, o primeiro dia da invasão russa, e serviu ao objetivo de aprofundar ainda mais a relação entre os dois países.

Shi Yinhong, professor de Relações Internacionais da Universidade Renmin da China, disse à Agência Central de Notícias de Taiwan que a China agora se sente mais otimista com o resultado da guerra da Rússia no leste da Ucrânia, que tornou a China ainda mais pró-Rússia e anti-EUA.

PCCh subitamente reivindica soberania sobre o Estreito de Taiwan

O Ministério das Relações Exteriores da China disse em 13 de junho que as águas do Estreito de Taiwan são “águas internas” e que é uma “falsa alegação quando certos países se referem ao Estreito de Taiwan como ‘águas internacionais’”, declarou o Ministério das Relações Exteriores.

Em resposta, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse em um e-mail à Reuters: “O Estreito de Taiwan é uma via navegável internacional, o que significa que o Estreito de Taiwan é uma área onde as liberdades do alto mar, incluindo as liberdades de navegação e sobrevoo, são garantidas sob lei internacional”.

Price reiterou que os Estados Unidos estão profundamente preocupados com a “retórica agressiva e atividade coercitiva da China em relação a Taiwan”, dizendo que os Estados Unidos “continuarão a voar, navegar e operar onde quer que a lei internacional permita, incluindo o trânsito pelo Estreito de Taiwan”.

O mundo tem “um interesse duradouro na paz e estabilidade no Estreito de Taiwan, e vemos isso como uma peça central de segurança e prosperidade para a região do Indo-Pacífico”, acrescentou Price.

Taiwan reagiu fortemente às ações do PCCh. A principal agência de Taiwan para as relações através do Estreito, o Conselho de Assuntos do Continente, emitiu um comunicado em 14 de junho, dizendo que as observações da China minaram o status quo no Estreito de Taiwan e aumentaram as tensões regionais.

O premiê de Taiwan, Su Tseng-chang, disse em 14 de junho que o Estreito de Taiwan “não é de forma alguma o mar interior da China”, acrescentando que “a China (o PCCh) nunca parou ou escondeu sua ambição de anexar Taiwan”.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, também alertou no Diálogo Shangri-La, realizado de 10 a 12 de junho, que “a Ucrânia de hoje é a Ásia Oriental de amanhã”. Ele apontou claramente que as contínuas ameaças militares do PCCh no Estreito de Taiwan, como a ação militar da Rússia contra a Ucrânia, visam “abalar os fundamentos da ordem internacional”.

Akio Yaita disse em sua página no Facebook que a reivindicação do PCCh de “águas internas” é “um desafio flagrante à Convenção Internacional sobre o Direito do Mar e uma mudança forçada das regras existentes da comunidade internacional”.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 

 
Matérias Relacionadas