Pequim enfrenta Taiwan em comemoração ao Dia Nacional e rejeita diálogo diplomático

Pequim intensifica intimidação contra ilha autônoma conduzindo exercícios militares e enviando aviões militares chineses para seu espaço aéreo

Por Frank Fang

TAIPEI, Taiwan— China reagiu com hostilidade depois que o presidente taiwanesa Tsai Ing-wen estendeu um ramo de oliveira para conversas através do Estreito durante seu discurso no Dia Nacional em 10 de outubro.

Taiwan celebrou seu 109º Dia Nacional, marcando o início da Revolta de Wuchang em 1911, que derrubou o imperador da Dinastia Qing e estabeleceu a República da China (ROC) – que é o nome oficial de Taiwan.

Depois que o ROC se retirou para Taiwan após ser derrotada pelo Partido Comunista Chinês (PCC) durante a Guerra Civil Chinesa, o PCC estabeleceu o regime chamado de República Popular da China (PRC) em 1949, enquanto Taiwan se tornou uma democracia. Até hoje, o regime chinês se recusou a reconhecer a soberania de Taiwan e busca trazer a ilha para seu rebanho, pela força militar se necessário.

Em seu discurso de 10 de outubro na praça em frente ao prédio do Gabinete Presidencial, Tsai pediu um diálogo entre Taipei e Pequim, dizendo que era “responsabilidade conjunta” dos dois lados “manter a estabilidade em ambos os lados do estreito”.

“Enquanto as autoridades de Pequim estiverem dispostas a resolver antagonismos e melhorar as relações através do Estreito, enquanto mantemos a paridade e a dignidade, estamos dispostos a trabalhar juntos para facilitar um diálogo significativo”, disse Tsai.

Nos últimos meses Pequim intensificou sua intimidação contra a ilha autônoma conduzindo exercícios militares e enviando aviões militares chineses para seu espaço aéreo – inclusive na noite anterior à celebração do Dia Nacional e o discurso matinal de Tsai.

Em resposta ao discurso de Tsai, Zhu Fenglian, porta-voz do Escritório de Assuntos de Taiwan, uma agência do governo chinês que se reporta ao Conselho de Estado, semelhante a um gabinete, acusou-a de ter uma mentalidade “confrontadora e hostil”.

Zhu exigiu que o governo Tsai reconhecesse o “Consenso de 1992” para que as negociações através do Estreito pudessem ser retomadas.

O Consenso de 1992 foi um conceito cunhado após uma reunião semi-oficial entre representantes da China e Taiwan em 1992, na qual Pequim e Taipei concordaram que existe apenas “uma China”, mas ambas as partes poderiam interpretar o que é “uma China”.

O atual partido no poder em Taiwan, o Partido Democrático Progressista (DPP), se recusou a reconhecer o Consenso de 1992 porque Pequim usou o conceito impreciso para fazer valer sua reivindicação sobre a ilha.

Pouco depois de Tsai assumir o cargo em maio de 2016 para seu primeiro mandato, Pequim suspendeu as comunicações oficiais, pois não endossava o Consenso de 1992.

Após o discurso de Tsai, o editor-chefe da imprensa estatal militarista da China, Global Times, Hu Xijin, escreveu um artigo afirmando que as recentes atividades militares chinesas assustaram Tsai e a fizeram se tornar “menos arrogante”.

“O continente chinês deve manter forte pressão militar na ilha de Taiwan, que pode ser ativada a qualquer momento, para garantir que certas forças na ilha sejam contidas”, escreveu Hu.

A agressão militar continuou após o discurso de Tsai. Naquela noite, a emissora estatal chinesa CCTV relatou que as forças armadas da China vinham realizando exercícios de desembarque em vários locais nas províncias de Fujian e Guangdong, ao sul – ambas localizadas no largo de Taiwan.

No dia seguinte, a imprensa estatal chinesa noticiou que o exército realizaria simulações de incêndio na costa leste de Gulei, cidade localizada em Fujian, de 13 a 17 de outubro.

O Conselho de Assuntos Continentais (MAC), órgão do governo taiwanês responsável pelos assuntos em ambos os lados do estreito, em nota divulgada em 10 de outubro, condenou os comentários do porta-voz de Pequim. Ele pediu à China “que não julgue mal a situação enquanto cria antagonismo”.

Em um comunicado separado, o MAC condenou os comentários de Hu, questionando sua motivação para alimentar o conflito entre os dois lados.

Pequim “não deve permitir que sua imprensa estatal fale bobagens que aumente a hostilidade entre os dois lados do estreito”, declarou o MAC.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas