Pequim emite alerta contra viagens para os EUA à medida que tensões comerciais se intensificam

Por Cathy He, Epoch Times

O regime chinês emitiu em 4 de junho, um comunicado de viagem para os Estados Unidos, um dia depois de alertar os estudantes que esperavam estudar no país sobre atrasos nos vistos norte-americanos, em seu último subterfúgio contra Washington diante da disputa comercial crescente.

O Ministério da Cultura da China emitiu uma advertência de segurança aos turistas chineses, citando frequentes tiroteios, roubos e furtos nos Estados Unidos. O comunicado, no entanto, não forneceu estatísticas ou informações adicionais.

Enquanto isso, em um comunicado separado, o Ministério das Relações Exteriores da China e sua embaixada nos Estados Unidos alertaram as empresas chinesas e cidadãos a aumentarem a conscientização sobre as medidas tomadas pelas agências de segurança dos Estados Unidos, incluindo cheques de imigração e entrevistas, que “hostilizam” viajantes chineses. Ambos os alertas são válidos até o final do ano.

Os alertas surgiram quando as relações entre os dois países se deterioraram e a administração Trump elevou as tarifas de US$ 200 bilhões em produtos chineses. Depois que autoridades dos Estados Unidos acusaram o regime comunista de retroceder em compromissos negociados durante meses de acordos comerciais, Pequim reagiu, aumentando as tarifas sobre US$ 60 bilhões de bens norte-americanos.

A administração dos Estados Unidos posteriormente colocou a empresa de telecomunicações chinesa Huawei em uma lista negra comercial, efetivamente proibindo-a de fazer negócios com empresas dos Estados Unidos, por motivos de segurança nacional. Em uma aparente resposta, o regime chinês disse que criaria uma “lista de entidades não confiáveis” de empresas, indivíduos e organizações estrangeiras que prejudicam as empresas chinesas.

Em 2 de junho, Pequim também publicou um documento técnico descrevendo sua posição sobre as negociações comerciais, na qual culpou os Estados Unidos pelo colapso nas negociações. A administração Trump, em uma declaração em 3 de junho, respondeu dizendo que o regime estava perseguindo um “jogo da culpa” e deturpando as discussões comerciais.

O regime chinês também emitiu uma advertência, em 3 de junho, para estudantes e acadêmicos que desejam estudar nos Estados Unidos, citando um aumento recente nos atrasos nos vistos dos Estados Unidos, vistos sendo restringidos, redução de vistos ou recusa definitiva.

Um porta-voz da embaixada Estados Unidos em Pequim disse ao South China Morning Post que rejeitou “a alegação infundada de uma campanha generalizada e sem fundamento para negar vistos chineses” e apontou para um número crescente de casos de pessoas sendo cooptados para trabalhar para governos estrangeiros, enquanto nos Estados Unidos.

“A segurança nacional é nossa principal prioridade ao julgar pedidos de visto”, disse o porta-voz. “Toda decisão de visto é uma decisão de segurança nacional, e todo viajante em potencial para os Estados Unidos passa por uma extensa triagem de segurança”.

Em 2018, a administração Trump intensificou medidas destinadas a impedir o roubo de propriedade intelectual dos Estados Unidos, incluindo aqueles que ocorrem em instituições acadêmicas e laboratórios de pesquisa dos Estados Unidos. Em junho de 2018, o Departamento de Estado dos Estados Unidos aumentou o escrutínio de pedidos de visto de cidadãos chineses que estudavam em áreas específicas que o regime chinês visava o desenvolvimento, como robótica, aviação e fabricação de alta tecnologia.

Os Estados Unidos tem a sua própria consultoria de viagens Nível 2 na China, pedindo aos cidadãos para exercer “maior precaução”, devido à “aplicação arbitrária das leis locais, bem como restrições especiais sobre dupla nacionalidade EUA-China”.

O alerta foi renovado no começo deste ano após a prisão de dois canadenses na China, um movimento que observadores disseram ter sido feito em retaliação pelas autoridades canadenses que prenderam a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, a pedido dos promotores norte-americanos em Vancouver em dezembro de 2018.

A Reuters contribuiu para este reportagem.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_EET

 
Matérias Relacionadas