Pequim aumenta suas operações de influência no Twitter, na tentativa de mudar a opinião global

Diplomatas chineses se voltaram agressivamente para o Twitter para promover o regime como exemplo nos esforços globais para conter a doença e alimentar alegações infundadas de que o vírus não se originou na China

Por Cathy He

Pequim está expandindo suas campanhas de influência nas plataformas ocidentais de mídia social como parte de um esforço contínuo para promover pontos de vista em favor do Partido Comunista Chinês (PCC) em escala global.

Embora os esforços de desinformação da Rússia no Facebook e no Twitter tenham atraído a maior parte da atenção da mídia desde sua tentativa de influenciar as eleições nos EUA em 2016, os analistas dizem que, desde então, o regime chinês ganhou terreno, expandindo e desenvolvendo operações de influência nessas plataformas proibidas na China.

Os esforços do regime chinês aceleraram no início da pandemia, com uma agressiva campanha global de desinformação e propaganda para desviar a culpa pelo manejo inadequado do surto e intensificar narrativas elogiando seus esforços de resposta. Recentemente, o regime aproveitou a agitação em todo o país após a morte de George Floyd sob custódia policial, para minar a credibilidade dos Estados Unidos e a governança democrática.

No início deste mês, o Twitter anunciou que havia removido mais de 170.000 contas vinculadas ao regime chinês que estavam alimentando suas narrativas sobre a pandemia, os protestos de Hong Kong e outras questões.

A empresa disse que identificou e removeu 23.750 contas primárias e cerca de 150.000 contas “impulsionadoras”, projetadas para impulsionar a rede principal, retweetando e gostando de suas postagens.

A remoção é baseada em uma ação que a empresa tomou em agosto passado, quando removeu centenas de contas vinculadas a Pequim que tentavam minar o movimento de protesto pró-democracia em Hong Kong. O Facebook e o YouTube adotaram medidas semelhantes.

Apesar das campanhas chinesas carecerem da sofisticação das operações russas, os analistas acreditam que a lacuna diminuirá como resultado das ações persistentes e agressivas do regime nesse espaço.

Andrew Selepak, professor de mídia social da Universidade da Flórida, disse que, embora Pequim possa ter mais contas espalhando narrativas em favor do PCC, isso não é tão eficaz quanto os russos na geração de impacto a partir de contas individuais. “Mas isso é algo que vai mudar rapidamente”, disse ele ao Epoch Times.

Operações

Pesquisadores do Instituto Australiano de Política Estratégica (ASPI), em sua análise das principais contas do Twitter visadas na recente remoção, descobriram que a maioria tinha caracteres subdesenvolvidos: 78,5% não tinham seguidores.

As contas enviaram 348.608 tweets entre janeiro de 2018 e abril de 2020. A maioria era em chinês, com a campanha direcionada principalmente a residentes de Hong Kong e à diáspora de língua chinesa, disseram os pesquisadores.

Amal Sinha, analista de dados independente que revisou o conjunto de dados, deduziu que a operação provavelmente seria executada em uma fábrica de bonde humano na China, em vez de bots, devido ao comportamento das contas do Twitter: eles estavam twittando durante horas de trabalho no horário de Pequim, houve variações significativas no tempo entre os tweets, e quase todos foram twittados exclusivamente a partir de um computador desktop.

É provável que Pequim use agentes humanos, disse Sinha, porque os bots tendem a ser mais fáceis de capturar por software.

O regime chinês emprega uma extensa rede de trolls da Internet para censurar as discussões on-line, elogiar as políticas do Partido Comunista Chinês e demonizar pontos de vista que criticam o regime. Eles foram chamados de “exército de 50 centavos” porque as autoridades chinesas pagam 50 centavos por cada publicação on-line que fazem.

A ASPI também descobriu que a operação do Twitter usava contas antigas – potencialmente compradas no mercado influente de aluguel, hackeadas ou roubadas – para tentar ganhar força em redes maiores.

Em março, a ProPublica, uma organização sem fins lucrativos de Nova Iorque, encontrou igualmente uma rede de 10.000 contas não autênticas no Twitter, espalhando propaganda e desinformação chinesa contendo contas invadidas, que podem ter sido obtidas por pirataria ou por compras.

O meio de comunicação descobriu que as contas estavam vinculadas à OneSight (Beijing) Technology, uma empresa de marketing na Internet com sede em Pequim e que tem conexões com o regime chinês. O CEO da empresa trabalhou anteriormente no Departamento de Propaganda Estrangeira da Cidade de Pequim.

No ano passado, a ProPublica obteve uma cópia de um contrato conquistado pelo OneSight para impulsionar o Twitter após o serviço estatal de notícias da China. O meio é administrado pelo Departamento do Trabalho da Frente Unida, um órgão do Partido dedicado a dirigir as operações de influência de Pequim dentro e fora da China.

Selepak, professor de mídia social, disse que Pequim também está tentando pagar usuários influentes para promover mensagens específicas no Twitter, para usar suas vozes exageradas nessas plataformas.

O ProPublica se referiu ao caso de Badiucao, um cartunista chinês dissidente que mora na Austrália, que disse ter sido abordado por uma conta que afirma ser uma “empresa de intercâmbio internacional”. A empresa ofereceu ao artista 1.700 yuanes (cerca de 240 dólares) para twittar conteúdo específico por post.

Durante negociações simuladas com a empresa, Badiucao disse que recebeu uma amostra do que seria solicitado a twittar: um clipe de propaganda de 15 segundos, mostrando que Pequim “derrotou o coronavírus e que tudo voltou ao normal”.

Badiucao disse que tinha certeza de que a empresa estava trabalhando para o regime chinês, com base em suas interações. A empresa não continuou as negociações após uma revisão das publicações de Badiucao.

Narrativas

A análise tecnológica das contas do Twitter recentemente fechadas mostrou que até o início de fevereiro, eles se concentravam em criticar os manifestantes em Hong Kong; demonizar o bilionário chinês fugitivo Guo Wengui, morador de Manhattan e crítico franco do PCC; e promover a ideia de que Taiwan faz parte da China.

Mas quando o surto na China piorou no final de janeiro, a narrativa mudou. As contas começaram a aplaudir a resposta de Pequim ao surto, criticando os esforços de contenção nos Estados Unidos e contradizendo as alegações de que a resposta de Taiwan era superior à da China, de acordo com uma análise do Stanford Internet Observatory publicada em junho.

As contas também retweetaram publicações da mídia estatal chinesa e autoridades sobre a pandemia.

Nos últimos meses, diplomatas chineses se voltaram agressivamente para o Twitter para promover o regime como exemplo nos esforços globais para conter a doença e alimentar alegações infundadas de que o vírus não se originou na China. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, observou em março que o vírus foi trazido a Wuhan pelos militares dos EUA. No final de maio, o Twitter adicionou uma tag de checagem de fatos em seu tweet, com links para várias fontes da mídia ocidental sobre a origem do vírus.

Enquanto isso, a mídia estatal chinesa também se voltou para a mídia social, promovendo as hashtags “Trumpandemic” e “TrumpVirus” em seus posts.

No início de maio, além da investigação da própria empresa, o Departamento de Estado dos EUA descobriu uma grande campanha no Twitter ligada à China, com o objetivo de espalhar narrativas pró-regime em meio à pandemia.

O Global Engagement Center (GEC) do departamento descobriu que as contas de diplomatas chineses no Twitter registraram um aumento de novos seguidores em março. Muitos desses seguidores eram contas recém-criadas, sugerindo que pertenciam a uma rede artificial projetada para ampliar as narrativas de autoridades chinesas, disse a chefe do GEC Lea Gabrielle na época.

Em um caso, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China compartilhou um vídeo alegando que o hino nacional chinês era tocado nas ruas quando médicos chineses chegaram à Itália, que mais tarde foi desacreditado como falso, disse Gabrielle. O vídeo parecia mostrar italianos dizendo: “Obrigado, China”, quando, na verdade, estavam agradecendo a seus próprios profissionais de saúde. Este vídeo foi amplamente compartilhado por diplomatas chineses e pela mídia estatal, que foram posteriormente amplificados por contas vinculadas à Rússia, acrescentou.

A campanha evoluiu recentemente para tirar proveito dos distúrbios relacionados à raça nos Estados Unidos, descobriu a ASPI. Publicações no Twitter e Facebook usaram o assassinato de George Floyd nas mãos de um policial de Minneapolis e a resposta das autoridades americanas aos protestos, para promover mensagens contra a polícia dos EUA, contra a polícia democrática e contra a polícia nos protestos e a favor da polícia de Hong Kong, disse o instituto.

Uma conta, por exemplo, twittou uma imagem de Lady Liberty repousando no pescoço de Floyd, comparando o manuseio de protestos das autoridades americanas com a repressão de Pequim ao movimento pró-democracia em Hong Kong, acusando os Estados Unidos de hipocrisia.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que a propaganda de Pequim em torno dos protestos é “ridícula”, apontando para a repressão sistêmica do regime comunista à liberdade de expressão, imprensa e religião.

A ASPI disse que a persistente experimentação on-line do regime chinês permitirá “recalibrar esforços para influenciar o público nas plataformas ocidentais com maior precisão”.

“Esse pivô de larga escala é relativamente novo nas plataformas ocidentais, e devemos esperar evolução e aprimoramento contínuos”, disse ele.

O Epoch Times contatou o Twitter e o Facebook sobre seus esforços para combater a desinformação chinesa, mas não recebeu resposta no momento da publicação.

Maior ameaça

Mark Grabowski, professor associado especializado em direito cibernético e ética digital na Universidade Adelphi, descreve a campanha de desinformação do regime como uma “ameaça muito mais intimidadora” do que a da Rússia.

Ele apontou para o popular aplicativo de vídeo TikTok, de propriedade da empresa ByteDance, com sede em Pequim. O aplicativo, que tinha 37,2 milhões de usuários nos Estados Unidos em 2019, viu um aumento na popularidade durante a pandemia.

“Ao analisar seu tesouro de dados, a China pode obter todos os tipos de informações e usá-las para manipular americanos”, disse Grabowski.

“Com tantos americanos praticamente vivendo na Internet agora, especialmente durante a quarentena, a China entende muito bem a sociedade americana e sabe quais botões apertar”, acrescentou.

Autoridades e especialistas dos EUA expressaram preocupação de que os dados coletados pelo aplicativo chinês possam ser transferidos para Pequim devido às leis chinesas que obrigam as empresas a trabalhar com as autoridades nos esforços de coleta de informações. O TikTok negou essas alegações, dizendo que os dados do usuário dos EUA são armazenados no país. O Comitê de Investimentos Estrangeiros dos Estados Unidos está revisando a aquisição da Musical.ly pela ByteDance em 2018, um aplicativo de videoclipe americano que foi o precursor do TikTok, devido a riscos de segurança nacional.

O TikTok tem poderes radicais para influenciar seus usuários, observou Grabowski. Ele pode “suprimir vídeos que criticam a China e amplificar qualquer narrativa ou ponto de conversa ou meme inflando artificialmente postagens compartilhadas ou brincando com seu algoritmo”, disse ele.

O Epoch Times informou recentemente que o TikTok excluiu a conta de um estudante internacional chinês nos Estados Unidos depois de publicar um vídeo provocando o hino nacional chinês.

Grabowski disse que o regime também pode explorar o sentimento antigovernamental de muitos acadêmicos, jornalistas e legisladores americanos para promover narrativas antiamericanas. Por exemplo, eles podem encontrar um usuário influente com uma marca de seleção azul twittando que o coronavírus deve ser chamado de “Trumpvirus” e ampliar suas opiniões.

“Eles dão a aparência de credibilidade, e a China simplesmente fornece os retweets e faz com que essa narrativa se torne viral”, disse ele.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas